Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012

Comércio da Fé

Domingo é um dia diferente. Estamos sempre mais relaxados a espera de todas as segundas-feiras que inexoravelmente surgem depois dos domingos. Hoje estava caminhando e pensando na vida, quase em outro plano. Mas algo me chamou a atenção e me trouxe para a realidade da vida. Passava em frente de um pequeno centro comercial e notei uma igreja ao lado das lojas deste centro de compras. Em princípio aquilo me chocou. Mas logo em seguida me dei conta que aquele templo estava no lugar certo.     O Templo era apenas mais um espaço para o comércio. Um triste comércio. Um dos alicerces para a manutenção da vida como ela é. O comércio da fé ainda me choca. Perceber aquelas pessoas em transe me choca. Cada é um sabe o que fazer com sua vida, mas às vezes me incomoda ver aquela lavagem cerebral. Nem sei se é lavagem cerebral, mas é o que me parece.      Por que me surpreendeu um templo religioso em um centro comercial? Por que surpreende o comércio da fé? Atualmente este negócio é milionário…

Colcha de Retalhos

Nada é como antes. O agora deixou para trás o antes. O agora existe por puro acaso. Aliás, nem o acaso explica o agora. Nada pode ser explicado com palavras, simples palavras.
     Nada é como antes, nem mesmo o agora. Nós mesmos somos diferentes de nós mesmos.
     Agora é apenas uma colcha de retalhos. Cada retalho, inicialmente, não se encaixa,  apenas ocupa um espaço, aparentemente sem nenhum sentido. Entretanto, após um novo olhar percebemos as nuances de cada retalho. Percebemos semelhanças, percebemos os pontos de contato. Nos encantamos com o conjunto formado por retalhos sem sentido.
     Nada pode ser explicado somente a partir de nossos conceitos pré-concebidos. Precisamos entender o todo para perceber que tudo tem uma razão de ser. Até mesmo este blog tem sua razão de ser, mesmo que aparentemente não apresente nenhum sentido. E este texto sem nenhum nexo, será que tem sentido? Acho que sim, mas não tenho certeza. Como explicar este estado de coisas que nos cerca? Sinc…