Pular para o conteúdo principal

Colcha de Retalhos

     Nada é como antes. O agora deixou para trás o antes. O agora existe por puro acaso. Aliás, nem o acaso explica o agora. Nada pode ser explicado com palavras, simples palavras.
     Nada é como antes, nem mesmo o agora. Nós mesmos somos diferentes de nós mesmos.
     Agora é apenas uma colcha de retalhos. Cada retalho, inicialmente, não se encaixa,  apenas ocupa um espaço, aparentemente sem nenhum sentido. Entretanto, após um novo olhar percebemos as nuances de cada retalho. Percebemos semelhanças, percebemos os pontos de contato. Nos encantamos com o conjunto formado por retalhos sem sentido.
     Nada pode ser explicado somente a partir de nossos conceitos pré-concebidos. Precisamos entender o todo para perceber que tudo tem uma razão de ser. Até mesmo este blog tem sua razão de ser, mesmo que aparentemente não apresente nenhum sentido. E este texto sem nenhum nexo, será que tem sentido? Acho que sim, mas não tenho certeza. Como explicar este estado de coisas que nos cerca? Sinceramente, não sei. Nada apresenta um sentido no primeiro olhar. Às vezes, aquela primeira impressão é desmentida pelos novos olhares. Às vezes só o tempo nos faz mudar nossos primeiros conceitos. A única certeza é que iremos mudar nossos entendimentos. Este é um fato insofismável. Temos que mudar, é preciso mudar.
     Os conceitos arraigados dentro de nós só nos fazem errar. Não evoluímos fazendo sempre tudo igual, não arriscamos, simplesmente nos acomodamos no mesmo fazer.
     Não entendo o porquê de tudo ser igual ao ontem e não mudarmos com as vivências de todos os dias. Hoje almoçando e conversando com um bom amigo de todos os dias me senti bem em dividir minhas dúvidas com ele. Somos este conjunto de dúvidas. Não há espaço dentro de mim para as certezas de todos que me cercam. Eu constantemente me vejo invadido por dúvidas. Sou aquela colcha descrita no início deste texto, contraditório, indeciso, feliz, triste, amoroso, violento, calmo, certo e errado. Este sou eu, este talvez seja você. No almoço eu e este amigo de todos os dias sempre desenvolvemos alguma teoria sobre este mundo que nos cerca, um dia sobre o amor, outro dia sobre a sociedade, às vezes sobre livros, filmes ou qualquer outro assunto que venha a nossa mente, sempre na duração de um almoço. Em exatos 45 minutos digressões sobre o tudo ou o nada. Tudo regado por um saboroso café, tomado naqueles copinhos de pinga.
     Eu e este amigo somos exatamente uma colcha de retalhos, nossas conclusões sobre o mundo pode ser esta mesma colcha, num primeiro olhar não agrada, mas após um olhar mais acurado percebe-se o sentido e sua beleza.
     Não sei o porquê de sentar em frente a este computador e escrever, talvez ao final de tudo possa entender o porquê, talvez seja tarde, talvez não. Não escrevo mais para alguém. Aliás, deixei para trás muita coisa, o único sentimento que mantenho intacto é minha lucidez. Com o tempo aprendemos a dar valor ao que realmente apresenta relevância, deixamos para trás sonhos, percepções errôneas sobre a vida, tudo vai ficando para trás, formando uma outra colcha de retalhos, esta sim sem muito sentido, a não ser mostrar o quanto somos forjados pela vida de todos os dias... a cada esquina cruzamos com nosso destino, optamos segui-lo como se apresenta ou insistimos em cruzar por novas ruas e becos escuros. Escrevo para deixar aqui este sentimento de irresignação com a vida de todos os dias, não me permito apenas viver cada dia, quero mudar o enredo deste filme, não me permito pegar o scrip e reproduzi-lo. É tão cansativo aquele texto pronto, preciso colocar meu tempero, minha interpretação. Muitas vezes erro, muitas vezes a cena produzida é um drama sem fim, mas este sou eu e este é você. Tu sabe que é assim, nós sabemos. Apenas não entendemos no mesmo momento. Mas não se preocupe, sempre estaremos prontos para improvisar, pois esta é nossa vida.

Trilha sonora:
Tangodrome - Bajofondo TangoClub - Supervielle
Guilty - Barbra Streisand With Barry Gibb - Bee Gees Their Greatest Hits - The Record (Disc Two)
John Fogerty - Centerfield - Clássicos Rock 500
Moody Blues - Question - Clássicos Rock 500
Politik - Coldplay - Live 2003
Tank (Milan 1973) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Layla - Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Teacher [*][original UK mix] - Jethro Tull - Benefit
One Robot's Dream - Joe Satriani - Super Colossal
Perfect Symmetry - Keane - Pre-Release Singles Compilation
I Heard It Through The Grapevine Michael McDonald Motown2
Law Years - Pat Metheny, Dave Holland & Roy Haynes - Question and Answer
Rolling Stones - Brown Sugar - Rock 70´s
Garoto De Aluguel (Táxi Boy) - Zé Ramalho - Perfil
Noturno - Vitor Ramil - Longes

Comentários

  1. Realmente a vida é um improviso! Cheia de cacos, mas ainda assim pode ser vivida... abraços LedVenture, quem sabe um dia possamos improvisar juntos numa espécie de jam session da escrita. Abraços e, com tu escreveu nestes dias, Nos Vemos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…