Pular para o conteúdo principal

Somos 99%

     Somos uma parcela significativa de qualquer sociedade. Somos os 99%. Apesar de sermos a imensa maioria, ainda assim somos excluídos de quase tudo. Somos chamados somente quando os detentores das riquezas, os outros 1%, precisam de nossos sacrifícios.
     Como é possível que uma sociedade, com alicerces tão frágeis, fique de pé por tanto tempo? Não tenho a resposta. Entretanto, sinto que algo está mudando e muito rapidamente. Esta sociedade injusta já não está mais tão firme e começa a ser questionada. Nos últimos meses estamos acompanhando vários movimentos sociais espraidos pelo mundo. É a voz dos 99% se fazendo ouvir. Estamos cansados de sacrifícios intermináveis. E sempre dos mesmos para os mesmos. Nunca são chamados os detentores da riqueza. Um porcento da população nunca se sacrifica, mas quando aparece alguma dificuldade, criada pela ganância deles, colocam de lado suas convicções e imploram ajuda dos governos. Estes governos que sempre foram chamados de ineficientes ou então paquidermes estatais. E não é que o paquiderme ajudou aquele 1%. Mas a que custo?
     A conta desta "salvação" está aparecendo agora. Desemprego e retirada de direitos sociais são algumas consequências daquela "salvação", que poderia ser chamada de Socialização dos Prejuízos. Não é mais possível nos sacrificarmos calados. Gerações e mais gerações se sacrificaram para que tudo continuasse como sempre foi, ou seja, os mesmos 1% vivendo nababescamente e, nós, os 99% olhando de fora aquela festa. Queremos ser ouvidos e respeitados, somente isso. Sabemos que do jeito que está não pode mais continuar. Historicamente é fácil constatar que em nenhum período funcionou. Não seria nos tempos atuais, onde a concentração de renda é muito maior, é que iria funcionar.
     Sou um pessimista por formação, mas estes movimento me enchem de entusiasmo, pena que ainda sou um revolucionário de playground, senão estaria nas ruas e acampado em alguma praça de nossas cidades. Mas quem sabe ainda seja tempo para me transformar num cara mais atuante. E você? Também é revolucionário de faz de conta? Você, como eu, só fica atrás do computador indignado e não faz nada? É hora de mostrarmos nossa indignação nas ruas e não somente nestas enfadonhas redes sociais. Usemos tudo que temos para mostrar que não concordamos com o mundo que nos foi mostrado. Devemos construir um verdadeiro mundo novo e que seja bom para 100% da população e não como é hoje, bom para apenas 1%.

Ps: a vida pulsa ao nosso redor, um exemplo é o movimento Ocupe Wall Street. Podemos fazer a nossa parte basta querermos e fazermos... Mas temos que sair desta letargia de todos os dias.

Trilha sonora:
Into The Dream - Pat Metheny Group - Imaginary Day
I'm Eighteen - Alice Cooper - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Up On the Roof - The Drifters - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Soldier's Poem - Muse - Black Holes And Revelations
El Ritmo De Tus Ojos - Soda Stereo - Doble Vida
Inside - Jethro Tull - Benefit
The Singer Not The Song - The Rolling Stones Singles Collection - The London Years (Disc 1)
A Piece Of Liquid - Joe Satriani - Crystal PlanetSilence And I - The Alan Parsons Project - Eye In The Sky{Bonus Tracks]
Be-Bop-A-Lula - Gene Vincent - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Night fever - Bee Gees - The very best of the Bee Gees
The Frog Prince - Keane - Under The Iron Sea
Redemption Song - Bob Marley & The Wailers - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time

Comentários

  1. Lindo texto Lele, só quero retificar que o "Ocupe Wall Street" não deixa de ser uma cópia da Primavera Árabe, que vem do Oriente Médio,que parece aos ocidentais, ser palco apenas de más notícias. E aí está um exemplo pra se comprovar que não existe bem e mal, apenas conhecimento e ignorância, como já dizia Buda. E gostei tb do revolucionário de playground, heheh!!

    ResponderExcluir
  2. mas e o blogueiro fez o que, efetivamente?

    “Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados.” Mahatma Gandhi

    ResponderExcluir
  3. Anônimo ou Anônima.

    Já me confessei em outro texto ser um revolucionário de playground. E no "Somos 99%" reafirmo esta minha condição. Então, esta cobrança já me faço. Quero deixar de ser este revolucionário de faz de conta, mas enquanto não saio desta letargia fico a escrever. Saiba que estou numa luta contra esta acomodação. Mas como já dizia o Darwin (já que você gosta de citações), a natureza não dá saltos... Continue a ler o LedVenture, fico feliz com esta sua fidelidade... Abraços e estou esperando um texto teu para ser publicado aqui no blog.

    ResponderExcluir
  4. Darwin disse que a natureza não dá saltos, correto, mas esqueceu de dizer que milagres são ações não da natureza, mas divinos.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo(a).
    Não entendi tua afirmação. Quem esqueceu de dizer que milagres são ações não da natureza, mas divinos? Darwin, acho eu, não diria isso. Se você se refere a mim, lhe digo que não acredito em milagres. Em nenhum momento falei ou pensei em milagres, acredito mais na ação, mesmo que eu não as pratique neste caso em concreto. Mas reafirmo que estou numa luta constante para mudar meu comportamento, um tanto quanto acomodado. Mais uma vez reafirmo que gosto muito das tuas contribuições. Continua assim, questionando, mas também aja. Ou você é como eu, um(a) revolucionário(a) de playground?
    Outra coisa, como você responde tão rápido meus comentários? Será que você faz parte da minhas licenças poéticas?

    ResponderExcluir
  6. Quem sabe não sou apenas tua consciência??
    Talvez esteja aí minha revolução.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo(a).
    Quanta honra para este humilde blogueiro.
    Eu ser o objeto de uma revolução me assusta. Não vais jogar coquetéis molotov em minha direção? Espero que não.
    Não vou mais perguntar pela sua identidade, você não quer revelá-la. Mas acho que você lida com as letras. Se for isso mesmo, saiba que sei que tu é. E isso me deixa muito feliz. Feliz mesmo e tu sabe o porquê da minha felicidade...

    ResponderExcluir
  8. Anônimo(a)
    Também é verdade que este papo de revelação da tua indentidade foge um pouco da intenção do LedVenture. Mas este blog não tem lá muito sentido, então tudo é permitido

    ResponderExcluir
  9. Acho que estás enganado... e quanto a revolução, não te preocupas, desde o meu primeiro comentário ela já está em andamento...
    Até algum dia...

    ResponderExcluir
  10. Anônimo(a).
    Então vou fazer um pedido, me diz em qual texto foi o teu primeiro comentário. E até algum dia. Gosto deste mistério. Acho que só eu e tu lemos o LedVenture. Abraços do LedVenture...

    ResponderExcluir
  11. Vamos manter o mistério..estimula a criatividade..

    ResponderExcluir
  12. Caro(a) Anônimo(a):
    Então estamos combinados. Mas se quiser um dia revelar sua identidade, sinta-se à vontade. Gosto dos teus comentários, realmente eles me estimulam a escrever mais e mais. Confesso que fico curioso sobre quem é você. A curiosidade moveu o ser humano em toda sua existência e não seria diferente aqui no LedVenture. Tu não acha?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…