Pular para o conteúdo principal

Luiz Inácio Lula da Silva e nós

     O ser humano não tem mais solução. Teimo em não acreditar nesta frase, mas os fatos me levam a crer que não temos solução mesmo.
     Neste final de semana surgiu a notícia de que o ex-presidente Lula está com câncer na laringe. Esta notícia por si só nos faz pensar em nossas limitações. Nestes momentos sentimos que somos finitos e que nada importa mais do que a vida. Mas diante desta notícia avassaladora surgiram cometários dos mais nojentos. Nas notícias sobre a doença do ex-presidente os leitores teceram comentários, ou melhor, mostraram suas verdadeiras faces. Ao ler algumas opiniões senti asco. Li entre tantas opiniões que o ex-presidente "estava colhendo o que plantou", "que era bem feito para ele" ou então "agora ele iria sofrer um pouco".
     Não enveredo para a analise das ações do Lula, se ele foi ou não um bom presidente, se compactou ou não com a corrupção, se retirou ou não uma grande parcela da população da miséria ou se o Brasil cresceu ou não no seu governo. Não. Estes fatos, neste momento, não me interessam. Me chama a atenção que alguém, em um momento de profunda dor de outro ser humano, consiga escrever atrocidades tão grandes. O que leva uma pessoa a pensar e a verbalizar sentimentos tão menores. Como ficam tranquilos depois de espezinhar alguém que está sofrendo a incerteza do seu futuro.
     Ora, o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva está passando por um momento de dor e insegurança. Não sabe se irá continuar sua vida normalmente, não sabe se irá ultrapassar esta fase dificílima da sua vida. E neste momento crucial surgem vozes para dizer "bem feito, tomara que apodreça no inferno" e outros comentários desprovidos de amor ao próximo.
     Realmente fiquei chocado com as reações de uma parcela da população. É verdade que a internet estimula isso, o anonimato estimula que alguns se mostrem como são, sem os limites impostos pela vida em sociedade. Talvez no dia a dia estas pessoas se mostram mais palatáveis, mas na escuridão do anonimato se mostram como são, sem nenhuma maquiagem, sem nenhum controle social deixam aflorar o que de pior pode existir.
     Podemos discordar completamente do ex-presidente Lula, mas o ser humano Luiz Inácio Lula da Silva merece de todos nós o respeito e compaixão, pois ele é um ser igual a nós. Com as mesmas dificuldades, com as mesmas incertezas e com as mesmas dores que sentimos.
     Como é difícil saber que convivemos com pessoas assim, como é difícil saber que nosso vizinho pode ser um destes. Outros poderão dizer que isto é a liberdade de opinião. Mas esta liberdade de opinião não é um salvo conduto para dizermos atrocidades. Com certeza há um limite. Neste episódio do ex-presidente Lula ultrapassando alguns limites.
      Por outro lado, escrever para ele se tratar no SUS não vejo como ultrajante. É uma crítica social bastante forte, penso eu que o momento não é o mais adequado. Mas ainda está dentro dos limites do aceitável. Mas desejar o mal de alguém quando este está fragilizado é desumano, para dizer o mínimo.
     Não sei onde iremos parar, não sei que sociedade estamos preparando para nossos filhos, só sei que eu não gosto do que vem surgindo no horizonte. Talvez seja uma impressão, talvez eu seja muito sensível, talvez...
     Por fim, torço para que o Luiz Inácio Lula da Silva passe por mais esta dificuldade e, depois desta verdadeira luta, possamos continuar debatendo o governo do ex-presidente Lula. Mas agora devemos enviar boas energias para que ele e outros que estão passando por esta mesma luta  possam vencer esta doença terrível.

Trilha sonora
Estrela, Estrela - Vitor Ramil - Tambong
Clarisser - Vitor Ramil - A Paixao De V Segundo Ele Próprio
Semeadura - Vitor Ramil - A Paixao De V Segundo Ele Próprio

Comentários

  1. Não acho indadequado comentar que Lulau deveria ir para fila do SUS, assim como o Chavez, quando aqui esteve também deveria ter ido...
    " Indadequado" são as milhares de pessoas que não tem atendimento, que morrem nos hospitais, ou pior, na porta destes.
    Quero aproveitar, para revelar que meus comentários não serão mais anônimos pois este dia, li que um leitor "enviou" um texto, seu nome era Márcio Róm,( entendi o jogo de palavras) e para evitar uma injustiça, com um grande amigo, assumo ser o tão inoportuno ANÔNIMO
    - "Finjo que não sou eu, porque tenho medo de mim " anônimo".
    Heitor

    ResponderExcluir
  2. Gostei da revelação. Mas sinto um certo vazio. Não tenho mais o leitor anônimo que me questionava com tanta argúcia. É uma espécie de vazio existencial, o anônimo se revelou. Não imaginava que era tu. Concordo com quase todas as tuas observações, elas sempre me fizeram pensar sobre o que e o porquê. Obrigado pelas contribuições. Agora quanto o inadequado do texto de hoje, reafirmo que não podemos tripudiar em cima de um fato limite como este. É óbvio que o Lula não iria para a fila do SUS, sugerir isto é, sim, hipocrisia. Ele como ex-presidente terá à disposição o que tem de melhor no seu tratamento, o que devemos lutar é que este tipo de tratamento seja extensivo também ao SUS.
    Outra coisa, em nenhum momento achei o anônimo inoportuno, achei isto sim instigante. Até senti falta a participação do anônimo. Por fim a contribuição do Márcio Róm surgiu de uma conversa com o seu xará (que tu sabe quem é), conversamos sobre os dramas dos emergentes e não pensava que ele era o anônimo, nem passou pela minha cabeça. Heitor, fico feliz em saber que tu era o anônimo, continua participando do LedVenture...espalha o bicho. Gostei e gosto das tuas participações...

    ResponderExcluir
  3. "Finjo que não sou eu, porque tenho medo de mim"
    Linda frase... Isso é um pouco de mim, acho eu.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com a questão do Lula, o correto seria extender um mínimo para quem é excluído.
    PQP, agora que me revelei, estou concordando contigo... Minha cabeça está girando...

    Abraço,

    Heitor

    ResponderExcluir
  5. Gostei da tua opinião amigo Leandro, e se me permite, mesmo sem muitas condições de debater contigo, pois, nao me acho à altura do teu nível intelectual, mas, arriscando... penso que se desejarmos o mal para todos os políticos que permitiram que a situação na área da saúde, principalmente, chegasse onde está, muitos seriam os desgraçados que sofrem por conta desta doença maldita, não podemos desejar o mal a alguém e achar q o efeito disso não vá refletir em nossas vidas...

    ResponderExcluir
  6. Anônimo, agora revelado Heitor.

    Esta revelação está acabando com a divergência. Tenho que concordar contigo, mais uma vez, o mistério era o ingrediente para a divergência. Mas sinta-se à vontade para discordar, aliás, do dissenso surge o consenso. Gosto do debate, aliás, desde de sempre vivi este debate de ideias (leia o post http://ledventure.blogspot.com/2011/08/simplesmente-obrigado.html )
    Então, velho amigo, continue lendo o LedVenture e quando quiser comente, como disse alhures, sempre gostei das tuas contribuições e confesso que sentia falta dos teus comentários quando não os fazia. Obrigado, velho e novo amigo.

    ResponderExcluir
  7. Rosa!

    Tu é uma pessoa de muitas virtudes e um coração enorme. A primeira virtude é a humildade, pois com certeza tu está a altura de qualquer debate, seja que assunto for, pois tu é muito inteligente e perspicaz. Outra virtude tua é a bondade, pois escrever que tenho alto nível intelectual só porque tu é de um coração enorme. Obrigado e continue lendo o LedVenture. Fico feliz em saber que tenho leitoras tão queridas quanto tu. E outra coisa, saiba que tu mora no meu coração e não paga aluguel...

    ResponderExcluir
  8. Longe de querer pautar o blog mas apenas como sugestão, toda esta confusão, daria um bom texto.

    Abraço,
    Heitor

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…