Pular para o conteúdo principal

Hoje e não ontem

     Nunca entendi a pressa do mundo. Tudo é para ontem. Parece que estamos sempre atrasados. Mas atrasados para fazer o quê? O que deveria ser feito e não foi? A velocidade da vida sempre é tão acelerada, tão desesperada para passar. Todas estas perguntas estavam ao meu redor, me pressionando de uma forma ou outra.
     Nos últimos meses passei a viver num ritmo bastante lento, a pressa cedeu passagem à calmaria, à reflexão, me dedico de corpo e alma ao dolce far niente. O que passamos por vezes se reveste de falta de significado, parece sem sentido. A vida apressada que levamos não permite que nos aprofundemos na busca do sentido de tudo que vivemos. 
     Quando somos forçados a refletir, seja por qual motivo for, talvez a morte de alguém querido, a passagem por uma situação limite, a perda de um grande amor, enfim, os motivos são infindáveis para darmos um tempo a esta vida louca que nos impõem desde que nascemos. Quando o momento da parada chega nos deparamos com um outro mundo. Muito diferente daquele que aprendemos a não questionar. O tempo apressado da vida cede lugar. O que era para ontem pode muito bem ser feito hoje, o que é hoje pode ser feito amanhã. A obrigação de amanhã não nos impõe anseios hoje. Como é fácil viver uma vida mais calma. Entretanto tudo que está a nossa volta pulsa na velocidade de sempre. Não para, não descansa. Acontece que eu estou mais lento. Aprecio tudo que está tudo e todos que me cercam. Parece que comecei de novo.
     Começar de novo não é fácil, ou melhor, não é fácil deixar para trás tudo que fui. Sou pressionado a todo momento para ser quem eu sempre fui. Mas lá dentro de mim noto um novo eu, percebo que sou diferente, não importando o porquê. Sou diferente e ponto final. Não é ponto final, mas sim uma singela e importante vírgula. A vida pulsa diferente, pulsa intensamente mas de forma compassada, sem saltos.
     Estes dias estava observando o Che Guevara (o cachorro que invadiu a minha vida de forma avassaladora, mas que foi "roubado" pela minha mãe. Aliás, o Che fez um bem para ela que nenhum outro ser fez) senti um amor intenso por ele. Ninguém acredita que ele é cego, ou melhor, deficiente visual. Eu estava com uma grande dificuldade para caminhar devido a um acidente de bicicleta. Eu olhava ele com sua pseudo incapacidade andando normalmente, às vezes esbarrando em alguma cadeira ou outro móvel fora do lugar, mas sempre indo não importando o quão forte fosse o baque. Ele apenas seguia em frente. Ele me "olhava" e dizia: velho não desiste, não há limite para nós. O pior passou. Eu  o colocava no meu colo e ficava fazendo carinho nele. E ele? Apenas me mostrava o caminho a seguir. A cada dia eu melhorava mais. E ele continuava a me dizer: Viu é difícil, mas é possível. A cada trombada dele eu queria me levantar e o conduzir. Ele apenas ia em frente. Por vezes me "olhava" e dizia com seus lindos olhos: Velho, aprendi a lidar com esta minha limitação, aprendi a seguir em frente não importando quantas trombadas ocorram. Apenas sigo. Não tenho outra opção e gosto de viver assim.
     A medida que meu corpo ia melhorando eu apenas agradecia aquele cachorro ser tão especial. Cada momento que passo com ele é uma alegria sem tamanho. Daqui uns dias estarei com ele e ficaremos juntos apreciando a vida e este dolce far niente que aprendemos juntos a desfrutar. Mais uma vez obrigado Che Guevara, o cachorro que mais enxerga no mundo.

PS: É muito difícil escolher uma foto do Che Guevara, pois ele é muito fotogênico...

Trilha Sonora:
Freight Loader - Eric Clapton - Guitar Boogie
Sympaty for the Devil - The Rolling Stones - The Best Of
String Serenade in E major. Op 22 - Dvorak - 101 Classical Greats
Lazy Calm - Cocteau Twins - Stars & Topsoil - A Collection (1982-1990)
Clarinet Concerto In A Major K622 (Adagio) - Mozart 101 Classical Greats
Otto, Rica Amabis & Luca Raele / Peugeot - OTTO - Changez Tout - Samba pra Burro Dissecado
Sorria, Você Está Sendo Filmado - Pato Fu - Ruído Rosa
Exu parade - OTTO - The Moon 1111
City of Angels - Gabriel Yared - City Of Angels

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…