Pular para o conteúdo principal

Apenas mais um sentimento...

  Ontem estava assistindo a Seleção Brasileira de futebol numa das tantas finais das quais participa. Uma tal Copa das Confederações. Não é sobre futebol que quero escrever, mas sim sobre o sentimento que surgiu em mim naquele momento. A bem da verdade já faz bastante tempo que sinto isso. Me refiro a uma certa aversão a tudo que está por trás daquela camiseta. É um sentimento muito estranho; como brasileiros temos respeito por tudo que diga respeito ao nosso país. Eu pelo menos não gosto de ouvir um estrangeiro falando mal do nosso país, me sinto atingido frontalmente.
     Mas este sentimento de apropriação não se transfere para os jogos da seleção brasileira de futebol. Me perguntei o porquê deste distanciamento que estava sentido, o porquê não sentia qualquer orgulho de ver a "canarinho" jogar. Às vezes me pergunto em que momento perdi a vontade de torcer pela seleção "canarinho". Não foi sempre assim, houve momentos que torci desesperadamente pela "nossa" seleção.
  Acho que comecei a descrer nesta seleção quando a seleção voltou vitoriosa dos EUA em 1994. Havia sido campeã do mundo. Ao chegar no Brasil testemunhamos um escândalo em rede nacional, trouxeram até uma cervejaria para ser montada no Rio de Janeiro. Cruzes credo uma cervejaria, sem falar nas inúmeras muambas trazidas por todos os membros da delegação verde e amarelo. Ali, naquele momento, perdi qualquer respeito e não reconheço a seleção como entidade a qual torcer. Muita coisa está por trás de tudo aquilo e não tem qualquer vinculação com o meu torcer.
     Muitos outros fatos forçam a todos os brasileiros a desacreditarem no Brasil, mas ainda não foi capaz de me fazer descrer neste país, olha que em muitos momentos dá um desânimo sem tamanho. O escândalo da vez é o do Senado da República, nome pomposo para a uma instituição sem a menor credibilidade. Uma afronta a todos nós brasileiros, salários pagos através de quatro contracheques diferentes. Artifício engendrado para escapar do teto da remuneração no serviço público e, ainda, com parecer pela legalidade exarado por um órgão ligado ao Senado. Não sei onde vamos parar.
     Sinceramente tenho medo de que percamos de vez a esperança de um futuro melhor, tenho receio de que estejamos muito próximos de uma reação diferente de todas que já testemunhamos. E o resultado desta reação, certamente, não será muito agradável.
     Todos dizem que o povo brasileiro é pacato. Não sei se esta máxima é tão verdadeira nos tempos atuais. Penso que chegou o tempo de evitarmos este estouro e a única forma é atuarmos de uma forma pró-ativa na nossa sociedade. Devemos fazer valer o que pensamos, precisamos fazer parte da mudança e não somente aguardá-la... Também é verdade, que estamos todos preocupados com o dia de amanhã, com o que levaremos para a nossa família comer, com as contas e tributos para pagar... Mas, penso que deveríamos de uma forma ou de outra influenciar as decisões tomadas, quer seja em nível municipal, estadual ou federal. É verdade que geralmente estes administradores ou mesmo os legisladores se encastelam em suas sedes, não permitindo que nós cidadãos cheguemos perto. Mas devemos insistir e comprovar que a democracia é o governo do povo. No Brasil atual, infelizmente, a democracia é o governo dos espertos... espertos com 'S' mesmo... Até mais ver...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…