Pular para o conteúdo principal

Vivendo Caxias do Sul...

     Pois é, depois do amanhã chegar, depois de muitos dias desconectado, finalmente estou em Caxias do Sul. Na realidade estou conectado há mais de 10 dias, mas estive vivendo Caxias intensamente.
Não tinha disposição e inspiração para atualizar este blog, se por outro motivo não fosse, poderia ser porque ninguém irá lê-lo. Mas isso é assunto para outro momento, onde poderei tentar explicar por que escrevo se não haverá leitores...
     Hoje quero expressar alguns sentimentos a respeito de Caxias do Sul. Em primeiro lugar estou morando em Caxias decorrente de injunções profissionais. Sempre desejei morar na Serra Gaúcha, mas este sonho estava distante de ser realizado... Entretanto, a vida não é explicável facilmente e estou morando onde sempre desejei. Eu tinha a idéia de que iria morar somente depois de aposentado. Mas não foi isso que aconteceu, estou morando em Caxias e não tenho palavras para expressar a alegria que sinto. E também a tristeza pois deixei a cidade que me adotou para sempre.
     Quando cheguei aqui, muitos sentimentos surgiram no meu coração, alguns conflitantes entre si, sentimentos que não eram muito claros, pois estava vivendo muito intensamente aquele momento.
     Caxias no início para mim era completamente desconhecida (ainda continua) mas agora já sinto um pouco como minha cidade, sinto como se eu fosse um nativo ou me tornando um. Começo a criar aquele sentimento de propriedade, vejo Caxias como a minha Caxias. Este sentir me leva a conclusão que ficarei muito tempo por aqui. Quero viver Caxias por muitos anos, tive este sentimento por Iraí (cidade que deixei e que carregarei no meu coração por todo o sempre). A vida agora é em Caxias, voltei a viver numa cidade razoavelmente grande, depois de muitos anos em Porto Alegre e após pouco tempo em Iraí, volto a conviver com a efervescência de uma cidade que pulsa, que tem vida própria. Sim, parece que neste tipo de cidade somos apenas uma célula de um corpo autônomo, em cidades pequenas somos uma espécie de órgão vital e parece que tudo depende da gente para acontecer. Em Caxias não é assim. Aqui tudo tem sua autonomia e somos apenas mais uma engrenagem deste imenso sistema. Por um lado é ótimo, ficamos anônimos, temos muita liberdade decorrente deste anonimato. Por outro lado isso em muitos momentos nos faz sofrer, pois queremos ser menos anônimos, talvez queiramos ser menos coadjuvantes para sermos mais protagonistas, mas a vida em cidades maiores é assim mesmo, este eterno conflito...
     A vida aqui só tem me revelado o lado bom, onde os prazeres estão todos ao nosso alcance, onde podemos viver intensamente aquilo que nos é ofertado. Ainda estou vivendo quase como um turista, indo nos pontos turísticos, comprando livros, bebendo vinho nacional. Aliás, este último ponto deve ser realçado. Visitei o Vale do Vinhedos, local onde se concentram muitas das vinhas aqui de da região. Não tem como deixar de se surpreender com o trabalho desenvolvido, a qualidade do atendimento, sem mencionar na evolução do vinho produzido pelas inúmeras vinícolas, em muitos casos familiares. É um pedaço do Brasil que deve ser valorizado e exemplo para as demais cidades. Sim é possível fazer algo bem feito e a prova disso está muito perto de nós, basta darmos uma olha em volta.
Nos próximos dias volto a escrever sobre a nossa Caxias... Abraços aos não leitores deste blog.

Comentários

  1. poxa pensei que iria ler mais sobre caxias mas vi que vc está desanimado a escrever....diga mais sobre tem alguém sim lendo....abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…