Pular para o conteúdo principal

O quarto

     - Não sei se vamos comprar este apartamento!
     - Mas ainda nem olhamos. Vamos lá para sentir o clima do lugar.
     - Tá bom. Clara só te peço que sejamos práticos e não usemos a emoção, pois ficaremos mais ou menos trinta anos pagando se formos financiar. Lembra que temos um método de avaliação.
     - Roberto, às vezes te acho muito pragmático. Vamos entrar logo antes que a boneca mude de ideia.
     O casal mais estranho do mundo, depois de passar na imobiliária se dirigem ao tal apartamento. O edifício fica em uma rua muito arborizada, onde os raios do sol brigam com as folhas para iluminar a calçada... Clara e Roberto casaram fazia quase quatro anos, estavam procurando o tal apartamento há mais ou menos sete anos. Começaram esta procura no mesmo dia do noivado. Queriam casar somente quando encontrassem o seu ninho. Clara desistiu da ideia quando depois de quatro anos e após visitarem exatos 528 apartamentos. Ela chegou para o Roberto e disse: "Olha, não vou esperar encontrarmos o tal ninho do amor, vamos casar e alugamos um ap".
     Clara e Roberto estão casados e continuam a procurar o lugar dos seus sonhos.
     E aí estão os dois em frente ao apartamento da rua mais arborizada que já cruzaram em suas vidas. Os dois maravilhados com o lugar.
     - Clarinha que rua diferente esta. Como nunca passamos por aqui.
     - Nem sei, nunca vinha para estes lados da cidade. Mas a primeira impressão é bem positiva. Preenche aí aquele teu formulário do capeta. Não aguento mais ver as tais planilhas que tu faz. Mas o que vou fazer casei com o cara mais louco do mundo.
     - É, como diz o filósofo, somos produtos das nossas escolhas.
     Os dois vivem uma história de amor que começou ainda no colégio e persiste até hoje. Os dois juram que será por toda a vida. A Clara diz que já é de outras vidas. Roberto duvida um pouco, mas sempre fica meio cabreiro. Não acredita, acreditando... Roberto sempre pensa com seus botões "yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay".
     Aquele casal ficou vários minutos em frente ao edifício pensando em como seria o tal apartamento e se ele poderia ser a casa tão sonhada por eles.
     Enfim, decidiram entrar no edifício. Pararam em frente ao apartamento 72. Clara como sempre já viu um sinal.
     - Setenta e dois é a minha idade invertida.
     - Grande coisa. Vamos entrar logo.
     Ao entrarem sentiram uma energia diferente no apartamento. Em todos que já entraram nestes sete anos não sentiram algo tão forte. Até mesmo Roberto sentiu um arrepio. Mas disse que era uma corrente de vento. Clara somente deu uma risada e pensou "ele não dava mão a torcer"...
     - Muito legal esta entrada. Tem tudo a ver com a gente. A luz é intensa e ao mesmo tempo suave, vou  colocar uma observação na nossa planilha de avaliação.
     - Roberto, deixa de lado esta planilha do capeta e permita que o teu coração fale. Pelo menos desta vez.
     - Não, vamos seguir como fizemos nos outros apartamentos. Cada um vai para um lado da casa e faz a sua avaliação e depois nos encontramos na cozinha.
     Clara respeitava as loucuras do Roberto e foi para um dos quartos. Então, começou a viver a experiência que foi a sua revelação. Entrou no quarto com a tal planilha, precisava seguir os pontos de avaliação determinado pelo louco do Roberto. Ouviu uma voz feminina.
     - Você não pode entrar, aqui é meu quarto.
     Clara se assustou, deixou cair a tal planilha e olhou em direção da janela. Enxergou um vulto, calçando sneakers verde-bandeira. Clara pensou "que sapato feio".
     - Ei! Você não entendeu  o que eu disse? Vou repetir, aqui é meu quarto e não quero que ninguém entre.
     - Te ouvi e entendi. Quero primeiro te dizer que o meu nome é Clara. Me diga qual o teu nome?
     - Estranho, todos que aqui entraram antes, ao me ouvirem, saíram correndo. Tu é a primeira que quer conversar comigo.
     - Sou uma pessoa diferente. Sinto coisas que outras não sentem. Mas me diga qual o teu nome.
     - Me chamo Trina. Mas não quero que tu fique aqui. Confesso que gostei de ti, mas aqui é meu quarto e não quero sair daqui. Tu que tem que sair.
     - Trina, me conta a tua história. Depois conto a minha e aí decidimos o que iremos fazer. Podemos virar amigas. O que tu acha?
     - Não sei. Estava compondo uma música, mas estou sem muita inspiração. Clara, não sei muito bem o que aconteceu, mas não vejo mais meus pais há muito tempo. Sinto eles, mas não os vejo. Aliás, tu é a primeira pessoa que fala comigo nestes anos. Todos que entram aqui correm quando ouvem minha voz.
     As duas ficam se olhando, o tempo a sua volta para. Aquelas mulheres de tempos diferente se encontraram e Clara não sabia o que dizer para a Trina. Mas sentia que deveria dizer a verdade, a sua verdade, a verdade do seu tempo. Lembrou da conversas que tinha com sua avó. E percebeu que deveria falar dos sonhos e de como nos libertamos quando nossos sonhos se realizam. Foi aí que começou a falar, parecia que quem estava falando com a Trina era a vó Bela, no interior de Rosário.
     - Trina, nossos sonhos são nossas estradas. pelas quais nos libertamos, e aos poucos vamos descobrindo nossos caminhos. Quando sonhamos encontramos sentido em nossas vidas. Mas só sonhar não basta. Temos que realizá-los. Eu te pergunto, qual o teu sonho? Me responda com o coração!
     - Sempre quis ser cantora. Canto bem, tenho uma voz afinada e componho também. Minha primeira lembrança era minha mãe cantando música de ninar e ali me apaixonei pela música. Meu sonho sempre foi cantar.
     - Este teu sonho foi realizado. Não no teu tempo, mas no nosso tempo. Vou te explicar. Tu me disse que não vê os seus pais. Que todos fogem ao ouvir a tua voz. Simples. Tu não está mais neste plano. Alguns anos atrás a tua família morreu em um acidente de avião. Foi quando teus parentes encontraram algumas gravações caseiras feita por ti que ainda não havia mostrado para ninguém. Um produtor teve contato com as estas gravações. Gostou e produziu um disco. Hoje este disco vendeu milhares de cópias. Tu é uma artista neste plano. Reconhecida internacionalmente. O teu sonho foi realizado. Agora tu tem seguir em frente, esteja onde você estiver. Em que plano estiver. Tenho uma gravação da música aqui no meu telefone. Quer ouvir?
     Neste momento uma música começa a tocar. Trina reconhece aquela gravação, a sua música preferida. A gravação estava ótima.
     - Trina! É a tua música fazendo sucesso. Agora tu tem que sonhar outros sonhos, viver outras realizações. Entende. Este plano ficou para trás, tu tem que se liberar daqui, seguir em frente.
     Trina percebeu que não tinha mais nada para vivenciar no plano terreno, sentiu pela primeira vez em anos que estava liberta. Trina agradeceu à Clara por mostrar um novo caminho a seguir.
     Neste instante Roberto passa pelo corredor do quarto e ouve Clara falando. Estranha, pois o corretor falou que não tinha ninguém no apartamento. Entra e vê Clara falando sozinha e pergunta:
     - Clara com que tu está falando?
     - Deixa para lá, tu não vai entender mesmo. Só que te dizer para jogar fora todas as planilhas, vamos ficar com este apartamento.
     Roberto também tinha chegado a mesma decisão. Era o apartamento perfeito.
     Os dois acertaram todos os trâmites legais e logo foram morar no apartamento 72 da rua mais florida do mundo. Clara engravidou logo no primeiro mês no novo apartamento e, nove meses depois, nasceu uma menina linda. Clara insistiu no nome mais estranho que Roberto poderia esperar. O nome escolhido foi Trina e o primeiro sapatinho foi snerkers verde... Trina já revela um dom muito grande para a música, Clara canta todas as noites canções de ninar. O quarto da Trina é o mesmo de outros tempos...

Trilha Sonora:
Shepherd Moons - Shepherd Moons - Enya
Caribbean Blue - Shepherd Moons - Enya
How Can I Keep From Singing? - Shepherd Moons -Enya
Ebudæ - Shepherd Moons - Enya
Angeles - Shepherd Moons - Enya
No Holly For Miss Quinn - Shepherd Moons - Enya
Book Of Days - Shepherd Moons - Enya
Evacuee - Shepherd Moons - Enya
Lothlórien - Shepherd Moons - Enya
Marble Halls - Shepherd Moons - Enya
Afer Ventus - Shepherd Moons - Enya
Smaointe... - Shepherd Moons - Enya

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…