Pular para o conteúdo principal

O Brasil finalmente pulsa!

     É tempo de deixar de lado estas divagações sem muito sentido e enfrentar o que deve ser enfrentado. Confesso que é impossível não ser influenciado por tudo que está acontecendo ao nosso redor. É impossível deixar de sentir o fogo queimando ao nosso redor. Tenho a nítida impressão que estamos colocando fogo nas estruturas arcaicas do Brasil. Há dois dias atrás o Congresso Nacional votou a PEC 37. Antes desta movimentação de uma parcela da sociedade era  bem provável que a PEC seria aprovada. Por quê? Apenas e tão somente para defender interesses corporativos.

     Muitas propostas em tramitação no Congresso Nacional são corporativas. Em princípio faz parte do jogo político que assim seja. Uma corporação se organiza e pressiona o Legislativo para que aprove alguma lei do seu interesse. Pode ser a classe dos professores, dos portuários, dos magistrados, enfim, qualquer classe social. Repito, é do jogo.
     Entretanto, quando estes interesses corporativos batem de frente com interesses da maioria da população não tem com ser aprovado por qualquer legislativo. Neste ponto, ao meu sentir, surgem as mobilizações que estamos presenciando.

    Não tenho dúvidas que esta quase convulsão social que estamos presenciando é derivada deste conflito de interesses. De um lado o interesse de uma classe minoritária que se acostumou por anos jogar de mão, ou seja, fazer sempre do seu jeito e de outra parte a maioria da população que através dos séculos não conseguia influir nas decisões do país. Não conseguia, ontem reescrevemos esta parte da história.O Congresso Nacional, como sempre deve fazer, auscultou o seu povo. Ouviu os gritos da rua e decidiu de acordo com a vontade da maioria esmagadora da população. Esta é a finalidade deste grito das ruas. Queremos influir nas decisões cruciais do país. Não queremos mais que de salas refrigeradas saiam ordens desconectadas da realidade dura das ruas. Influir não quer dizer impor, queremos ser ouvidos. Imposição de ideias tem nome. Conhecemos bem aquele tempo e não queremos de novamente um país calado pelos sons de canhões.

     O Congresso Nacional de forma ágil (alguns criticam esta agilidade, talvez sejam aqueles que tiveram seus interesses contrariados, estes que torcem o nariz para a mobilização das massas) votou projetos que estavam mofando em algum escaninho. Esta é a função do legislativo, legislar para que os interesses da sociedade sejam atendidos.
     A lição foi e está sendo dada pelas ruas. Ou nos ouvem ou ... cada um de nós pode completar esta reticência com a sua conclusão. O que é certo que o país não será mais como antes. Sinceramente espero que saiamos deste processo de retomada social mais fortalecidos, que nossas instituições aprendam a lidar com esta diversidade de lutas. Espero que finalmente tenhamos amadurecido a nossa cidadania.
     Fico feliz por viver em um país democrático, onde nos é permitido sair e expressar a nossa vontade. Claro que alguns exageros são cometidos e é perfeitamente compreensível. Faz parte deste processo de transformação. Isto não quer dizer que tenhamos que aceitar movimentos violentos, apenas que devem ser tratados como tal e com a força da lei. Apenas a força da lei. Prefiro este barulho, do que o silêncio de anos passados onde a vontade popular era apenas um verbete de um livro esquecido na estante.
     Não devemos endeusar as manifestações, mas por outro lado não podemos condená-las de pronto. Devemos ouvi-las, Legislativo, Judiciário, Executivo, Mídia, Igreja. Todos sem exceção. Quem não ouvir e compreender o recado ficará estagnado vendo o país mudar. Mudemos todos. Para mudarmos o Brasil. Parabéns a todos que um dia acreditaram que era possível, mesmo quando ouviram "não vai dar em nada". Desta vez "eles" estavam errados. O Brasil começou a mudar, espero que para melhor. Caso contrário continuaremos nas ruas...

Trilha Sonora:
Oye Como Va - Diversos - Guitar Heroes
I Wouldn't Want To Be Like You - Alan Parsons Project - The Ultimate Collection Disc 1
Honky Tonk Women - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 3)
Thank You Girl - The Beatles - Past Masters - Volume One
Emotional Rescue - The Rolling Stones - Grrr!
Gemini - The Alan Parsons Project  - Eye In The Sky [Bonus Tracks]
Metro Linha743 - Raul Seixas - Millenium
Eu Não Sei Mentir Direito - O Rappa - Rappa Mundi
Get Lucky - Random Access Memories - Daft Punk

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…