Pular para o conteúdo principal

Seu José

     Eu vejo o mundo passar através de uma porta.
     Meu nome é José, todos me chamam de Seu José. Não sei porque me chamam assim. Mas todos os dias ouço: "Bom dia Seu José", "boa tarde Seu José". Nem sei se este "seu" é com 's' minúsculo ou maiúsculo.
     Sempre respondo com um sorriso, às vezes não digo nada, somente mostro um pouco os dentes.
     Nunca troco mais do que 10 palavras com as pessoas que passam pela porta. Por vezes tenho vontade de conversar mais, mas todos estão com pressa, sempre estão atrasados. Não entendo porque ninguém tem tempo para nada. Minha vida se resume a uma porta aberta, às vezes fechada (quando está muito frio). Passo dias e dias olhando a vida passar e eu sempre em frente a esta porta que mostra tão pouco do mundo. Não posso tirar os olhos da porta.
     Outro dia o pequeno pedaço de mundo que olho ficou pequeno. Não aguentava mais ficar olhando-o e não poder ir adiante. Minhas certezas, todas, absolutamente todas, se perderam diante do inevitável questionamento. Da imensidão que não vejo, que não tenho contato. Por que não saio porta afora? Por que me prendo a esta parte tão ínfima da vida?
     Os dias foram passando e cada vez mais sentia uma necessidade de mudar. Não sabia como.
     Cada novo dia um outro "Bom dia Seu José", "Boa tarde Seu José", a mais nova é "E aí seu José". Nesta última não sei como responder, fico olhando sem muita reação, o máximo que faço é mexer as sobrancelhas. Realmente fico sem ação. Mas a porta continua lá. Cada vez mais me sinto oprimido por aquele pequeno espaço. Não vejo mais como uma simples porta, a sinto como uma espécie de opressor. A porta está sempre aberta, mas para mim é como se fora gradeada, impedindo o meu ir e vir. As pessoas que entram e saem pela porta não têm a consciência da grandiosidade daquele ato. A coragem que exige passar por aquele portal da opressão. Um dia quem sabe eu consiga sair por aquela porta. Neste dia serei um homem livre.
     O mundo pulsa no lado de fora, ultimamente tem pulsando tanto que parece que criou vida própria, sempre tem alguma manifestação passando. E eu o que faço? Fico parado no meu lugar. Não posso deixar de ficar olhando a porta, controlando quem entra ou sai, afinal, esta é minha tarefa nesta sociedade compartimentada. Cada dia passa mais gente lá fora, uns mascarados, outros com faixas de protesto contra tudo e contra todos, nunca é a favor... não seria o momento de eu sair e cruzar esta opressora porta? Será que não é isso que falta para mim, um motivo para deixar de ver a vida passar e fazer parte do que pulsa lá fora? As peguntas vêm e vão, mas eu sempre no meu lugar, olhando o mundo por apenas uma fresta, não vejo nada mais do que uma pequena parte e fico a imaginar como é o resto. Imaginar não é viver, imaginar é apenas imaginar. Tomei uma decisão. Agora é definitivo. Na próxima manifestação irei me juntar a eles.
     Os dias passaram e ninguém mais saiu, todos voltaram à velha e conhecida passividade, inclusive eu. Continuo na minha função cada vez mais atuante. Cada mais conformado. Mas para minha surpresa fui até promovido, sou chefe. Não fico mais em frente à porta, fico na guarita e tenho uma visão maior da rua. Continuo a ser um porteiro, mas vejo um pouco mais. Apenas o suficiente para deixar a vida passar e nada fazer.

Trilha Sonora:
I Shot The Sheriff (13 02 2009) - Welcome to Osaka Castle Hall - Eric Clapton
Layla (13 02 2009) - Welcome to Osaka Castle Hall - Eric Clapton
Cocaine (13 02 2009) - Welcome to Osaka Castle Hall - Eric Clapton
I Shot The Sheriff - Trouble On My Mind-Bremen 20/04/1983 - Eric Clapton
Layla - Trouble On My Mind-Bremen 20/04/1983 - Eric Clapton
Cocaine - Trouble On My Mind-Bremen 20/04/1983 - Eric Clapton

PS: Entre estes dois shows se passaram 26 anos, dois momentos de um gênio da música... não me canso de ouvir estes dois discos e estas músicas em especial.

Comentários

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…