Pular para o conteúdo principal

"Como fazer sexo"

     O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar como fazer sexo é a subversão de tudo que somos desde os tempos do Adão e Eva (se é que existiram estas figuras). Entre os termos relacionados ao como fazer sexo aparecem "como fazer sexo oral" (olha, me parece tão fácil), "como fazer sexo anal" (não creio que alguém pesquise este fazer, o nome diz tudo). Mas têm os mais românticos (eles sempre estão entre nós), a pesquisa deste grupo é "como fazer amor" (que fofos, aí acho que precisamos fazer esta pesquisa, aliás vou googlear e ver o que aparece: "Como fazer amor". Não me esclareceu muito, aliás, fiquei em dúvida, muitas dúvidas. Em um dos resultados aparece: Como fazer amor com um negro sem cansar (agora meu mundo despencou de vez, fazer amor com negro cansa mais? Não sei mais nada), não sou um cara muito romântico, nem fofo o bastante para entender esta lance de fazer amor.
      Na verdade cada vez entendo menos este mundo que me cerca. Me lembro das vezes que tinha dúvidas em relação ao tema como fazer sexo, tinha um 12 anos. Resolvi as dúvidas do jeito que desde o tempo dos nossos mais antigos ancestrais fizeram. Método infalível, tentativa e erro.
     E mais não existem casais iguais, não existe uma fórmula mágica, cada pessoa com as quais nos relacionamos tem um jeito diferente, uma "pegada" diferente. Não existem procedimentos padrões, toques certeiros, ainda bem que é assim, senão até o sexo seria massante e enjoativo... Aprendemos a conhecer quem está em nossa cama, cadeira, carros, onde quer que seja... Não precisamos pesquisar no Deus Google em como fazer algo que nascemos sabendo. É atávico a todos nós. Pelo menos assim eu pensava que era.
     Vamos deixar de lado a pesquisa a vamos simplesmente continuar fazendo sexo, trepando, fazendo amor, não importa as lições do google, apenas continuemos a fazer o que nos dá prazer... Ah, não podia deixar de desejar um Feliz 2014 com muito sexo e felicidade!

PS: Depois de um final de 2013 em recuperação, não no colégio, mas sim na saúde, começo 2014 com os sistemas mais alertas e dispostos. Ainda um tanto lentos e com algumas linhas de comando incompletos. Com o tempo todos os sistemas estarão novamente pulsando. Me sinto cada vez melhor. Obrigado a todos que de uma forma ou outra ajudaram e ajudam nesta recuperação. A todos e todas muito obrigado, do fundo do coração.

Trilha Sonora: 
Exu parade - The Moon 1111 - Otto
Get Lucky - Random Access Memories - Daft Punk
aiting On A Friend - The Rolling Stones - Clássicos Rock 500
Romeo & Juliet - Emerson, Lake & Palmer - Live At The Royal Albert Hall
Blinded By Rainbows - The Rolling Stones - Voodoo Lounge

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…