Pular para o conteúdo principal

Caxias desapareceu...

     Hoje como ontem Caxias desapareceu.
     Estamos no final de abril e a cerração está forte, olho para a rua e não vejo nada, os prédios ao longe simplesmente desapareceram. Os que ficam aqui perto aos poucos vão sumindo.  
     Fico a imaginar como seria se tudo desaparecesse por alguns instantes, como encararíamos este fato de nos sentirmos completamente sozinhos. Sem pessoas para compartilharmos nossos medos ou ansiedades, nossas conquistas e derrotas diárias. É bem verdade que no dia a dia somos sós, a multidão apenas nos deixa mais solitários...
     Estes dias estava em São Paulo e senti epidermicamente o que é uma cidade onde somos apenas mais um, onde nossa individualidade é usurpada, cada um é somente uma engrenagem e nada mais. Por uma lado é bom pois nos sentimos livres, mas ao mesmo tempo é sufocante. Vi pessoas querendo provar que são diferentes, mas somente reforçam a tese de que fazemos parte do sistema e este permite tentarmos ser diferentes. Estas diferenças apenas reforçam que somos parte indissolúvel deste moedor de carnes... Sendo diferentes somos apenas encaixados em outra parte do sistema e nada mais... É uma pena, este grande triturador de individualidades vai segmentando as diferenças.... apenas isso. Não conseguimos ser diferentes, o sistema de controle social sente-se ameaçado com as diferenças. Não entendo o porquê disso. Gostaria de entender.
     Enquanto isso Caxias desaparece aos poucos, parece que vai perdendo a batalha para a cerração, tenho a impressão que ela vai nos cercando aos poucos, de uma forma dissimulada e quando nos damos conta tudo a nossa volta sumiu. Fico a pensar em nossas idiossincrasias. Somos seres diversos e com visões diferentes sobre tudo. Esta diversidade que nos faz especiais. Apesar da diversidade nos transformamos em apenas mais um na multidão.
    Agora me sinto escrevendo num mundo a parte, pois tudo a minha volta é uma grande névoa branca não vejo nada, só ouço o som do ipod e o sons das tecladas sendo acionadas... O mundo a minha volta parou ou simplesmente desapareceu... A seleção de músicas é de uma grande diversidade, somos diversos mas nos tornamos seres homogêneos. A vida é esta luta para mantermos nossas diferenças... Estamos perdendo esta batalha... Ao nascermos somos jogados num grande liquidificador que tem a função de nos transformar em apenas mais uma peça da engrenagem desta máquina denominada sociedade. Pagamos nossos impostos, trabalhamos de sol a sol e voltamos para casa, simplesmente assim. Estava me esquecendo do fato primordial nos dias de hoje, consumir e consumir muito. A vida é isso e apenas isso. Mas vale a pena lutar contra isso e tentarmos fazer um mundo diferente.
   Ao terminar este texto quero somente reafirmar que existe esperança no amanhã, basta que haja a vontade de alguns e que deixemos de lado o comodismos de nossas vidas e lutemos por um mundo melhor. Talvez não para nós, mas para as próximas gerações. Se tudo continuar como está será um futuro difícil de imaginar, mas será muito mais difícil vivê-lo...

Trilha sonora:
If I Could - Pat Metheny
Start Me Up - The Rolling Stones - The Rolling Stones
Tell Me [You're Coming Back] - The The Rolling Stones
Battle - Queen - Queen II
Man - Emerson, Lake and Palmer - Emerson, Lake and Palmer
Little Helper - The Rolling Stones - The Rolling Stones
Fuck Tha Police (1989) - Coletânea - 500 Greatest Songs
Rolling Stones - Wild Horses (1971) - Coletânea 500 Greatest Songs 
Into The Sun - Grand Funk Railroad
Hammer To Fal - Queen - Queen Rock

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…