Pular para o conteúdo principal

A Reforma

     Não tenho nada para dizer. Absolutamente nada. Deixe de ler este texto imediatamente, pois não acrescentarei nada à sua vida, nem a minha. Absolutamente nada. Portanto, você está avisado ou avisada, se continuar é por sua conta e risco. Boa sorte para nós.
     O mais incrível é que preciso escrever, talvez eu tenha algum sintoma de uma doença desconhecida que me obriga a escrever mesmo não tendo nada a dizer. Faz tempo que não tenho  nada a dizer. Me sinto como se fosse algum personagem do Saramago. Imagino o título do livro "O Homem sem nada para dizer". Por isso tento desesperadamente sair deste livro imaginário e escrever, simplesmente para expressar sentimentos de todos os dias.
     Aqui em casa tudo está revirado, estou em reforma. A casa e eu. Qualquer reforma é perturbadora sob todos os aspectos, mexe em coisas que por muito tempo estiveram escondidas ou que fingimos não enxergar. Tudo está ali, como que enfrentando nossa incapacidade de decidir. Aí chega o tempo de enfrentar aquele problema. Deixamos de lado a inércia e agimos. Às vezes contra a vontade e impelidos pelo contexto externo.
     Quando chega o dia de iniciar a esperada reforma nos deparamos com inúmeros problemas. Decidimos enfrentá-los todos ou quase todos. Sempre deixamos uma ponta para outra ocasião, escondemos embaixo do tapete. Entretanto, desta vez retirei o tapete da sala, nada ficará para depois. Resolvi entrar de cabeça, antes das férias que começam na outra segunda. Uma semana de obra, uma semana de reflexão. Refletindo sobre tudo que me cerca, tudo que me cercou, as coisas que simplesmente passaram por mim. A reflexão por vezes tem um gosto amargo, nos faz relembrar situações, experiências que imaginávamos enterradas. Mas quando começamos a divagar aparentemente estava enterrado aparece como um passe de mágica. O incômodo cede espaço a outros sentimentos que podem reafirmar decisões ou então nos colocar em dúvida. Hoje reafirmo decisões, reafirmo certezas, mas não foi sempre assim. A dúvida era uma parceira de vida. Mas de uns tempos para cá me separei da dúvida, deixei ela pelo caminho. Fomos parceiros de muitas indecisões, ela sempre colocado "água no meu chope". Fomos muito íntimos, agora somos apenas conhecidos de vista. Sempre é possível nos tornarmos íntimos novamente, mas acho que perdemos aquela ligação de outras vidas...
     Agora é mais fácil decidir, é tão mais fácil seguir em frente. O difícil é deixar as zonas de conforto ou os pensamentos "vamos esperar mais um pouco". Postergar por não querer enfrentar as consequências de decidir ou então desagradar pessoas.
     Decidir está atrelado com o erro, faz parte do processo de aprendizado. É fácil escrever, mas é tão difícil entender. Evitamos errar, esquecemos os erros, deixamos de aprender com eles. Se a cada erro aprendêssemos seria tão mais fácil. Mas não é para ser fácil. Nunca foi. O pintor me pergunta (não esqueça que estou em obra): "É esta cor Dr." Olho a janela e digo - Tchê, é outro tom, tem refazer de novo". A obra seguirá... eu sigo refletindo sobre a vida de todos os dias.
     Alguns dias passaram entre o começo da escrita e hoje, quando irei, finalmente, terminar este texto. Estes dias foram preenchidos com as férias. E simplesmente parti sem destino, ou melhor, sabia onde iria, mas não sabia por onde. Foi muito legal, deixei pelo caminho a neurose do tempo, do horário para tudo, das regras a serem rigorosamente obedecidas. Nesta viagem descobri um novo caminho para mim. E o que importa é que não há mais alguns desvios que antes estavam pela estrada. Não é fácil explicar, mas é simples entender.
     A obra me fez diferente. As férias me mostraram um outro caminho. Agora é seguir em frente à espera da próxima reforma.

Trilha Sonora:
Hooray - Grand Funk Railroad - We're An American Band
Knights Of Cydonia (Live) - Muse - Haarp (Live At Wembley)
Iris - Goo Goo Dolls - City Of Angels
Choral, Symphony No 9 in D Minor Op 125, 4th movement - London Philarmonic Orchestra - The Best of Beethoven
Prime Time - The Alan Parsons Project - The Ultimate Collection (Disc 2)
Take A Pebble (California Jam Festival 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
The Beatles - The Long And Winding Road - Clássicos Rock 500
Morena dos olhos d´água - Chico Buarque - Coletânea
Cream - Sunshine Of Your Love - Clássicos Rock 500
Animals - House of the Rising Sun - Clássicos Rock 500
Terra - Tambo Do Bando - 20 Mais
Black Velveteen - Lenny Kravitz 5
Do You Love Me - Kiss - Led Music
The First Time (Reprise) - Daniel Lanois and The MDH Band - The Million Dollar Hotel
Lucky Man (California Jam Festival 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Fake Paradise - Jean-Luc Ponty - Cosmic Messenger
Walking In London (Edit) - Concrete Blonde - Recollection
Harvest Moon - Neil Young - Greatest Hits
Por Que No Puedo Ser Del Jet-Set? - Soda Stereo - Soda Stereo
Steel Monkey - Jethro Tull - Crest of a Knave [2005 remaster]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…