Pular para o conteúdo principal

A reconciliação

    Estes dias recebi um e-mail de um amigo da distante Iraí. Morei lá por algum tempo e tenho raízes naquela terra maravilhosa. Trocamos algumas mensagens e amigo/leitor disse que tinha um texto para se publicado no blog. Hoje chegou a hora de postar aqui. Obrigado pela contribuição, ainda mais agora que ando sem muita inspiração para escrever.
Por Érico  Soares.

     Por muitos anos fiquei indisposto com uma pessoa que fez parte da minha vida.
     Indisposto é uma forma politicamente correta para definir brigado. Não lembro porque briguei com aquele antigo amigo. Nestas férias caminhando pela cidade que nasci cruzei por aquele "desafeto". De longe notei quem era, imediatamente lembrei que estávamos "indispostos" um com o outro. Pensei no porquê. Caminhando tentei de todas as formas lembrar o motivo de eu ter brigado com aquele que estava caminhando na minha direção. Poderia atravessar a rua e continuar brigado com ele. Olhei para os lados, a rua estava deserta e era possível atravessar para a outra calçada. Mas não o fiz. Continuei caminhando e pensando em todas as coisas que tinha passado com aquele meu desafeto. Mas por mais que tentava não lembrava da tal briga. Somente me lembrava que tinha acontecido alguma coisa. Mas o que seria. Os minutos custavam a passar. A distância entre eu e ele estava cada vez menor. Nossos olhares se cruzavam.
     Continuei caminhando. Estava de óculos escuros, podia olhar para qualquer lado, mas mantinha meus olhos na direção daquele que um dia foi um bom amigo, isso eu lembrava. Naquele dia eu não sabia mais o que ele era para mim. Então chegou o momento de nos cruzarmos. Nos olhamos, nos encaramos. Aquele silêncio sepulcral. Simplesmente nos abraçamos. Um abraço sincero, como se disséssemos "cara, não sei por que brigamos, mas já é tempo de esquecer". Uma forma indireta de voltarmos a ser amigos.
     - Cara quanto tempo!
     - Velho, tu continua o mesmo.
     - Tu quer dizer que continuo feio.
     Ri como se ainda fôssemos adolescentes. Ele ficou sério.
     Se fez um pequeno silêncio entre nós dois, eu também não me lembrava o nome do cara, mas não me segurei e perguntei:
     - Tchê, tu lembra que um dia brigamos e desde então nunca mais nos falamos? Ao te ver fiquei pensando no porquê da tal briga, não consegui lembrar. Tu lembra qual foi o motivo da briga? Somos de uma geração de mais de um século...
     - Sabe que na outra esquina quando te vi, pensei o mesmo e não consegui lembrar.
     - Mas como, tu que te gabava de ter memória de elefante. Dou uma pequena risada para descontrair e começar a falar de outras coisas. Mas o antigo amigo não queria deixar as coisas assim e lascou:
     - Tu continua o mesmo, passados mais de 20 anos e sempre criando algum tipo de inconveniente, querendo enfrentamentos, provocando cizânia...
     - Não é nada disso, só te fiz uma pergunta. Sem estresse. Ah, agora está com o vocabulário mais refinado, é o fim dos tempos, Carlinhos.
     - Não é questão de estresse é esclarecer as coisas, não deixo nada sem resposta. E meu nome não é Carlinhos. É Eduardo. E D U A R D O.
     - Não pode ser. Esqueci teu nome e não lembro porque brigamos. Estou ficando meio goiaba.
     Tentei distensionar o ambiente. Mas a coisa degringolou. E o Eduardo apenas disse:
     - Sabe de uma coisa, vai para a puta que te pariu. Não lembra meu nome e quer fazer gracinhas.
     E deu as costas seguindo em frente. Nem olhou para trás, fiquei lá pensando que aquele cara continuava o mesmo e eu esquecido como sempre. Até agora não lembrei o porquê de briga vinte anos atrás. Mas começo a desconfiar, lembrei que ficava chamando o Eduardo de Carlinhos... a biba enrustida. Será?

Trilha Sonora:
Dizzy Miss Lizzy - The Beatles - Help!
Here I Go Again - Various Artists - Classic Rock Gold Disc 2
Chapel Of Love - The Dixie Cups - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Epicenter - Richard Powell - Dedication
Liberte - Gipsy Kings - Mosaique
Stayin' alive - Bee Gees - The very best of the Bee Gees
Top Of The World - The Carpenters - The Singles 1969-1973
Don't Leave Me Now - Roger Hodgson - Take The Long Way Home - Live
Ohio - Crosby, Stills, Nash, & Young - Rolling 
Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Silly Boy Blue (Recorded For BBC Radio One's Top Gear) - David Bowie - David Bowie (Deluxe Edition)
Good Morning Good Morning - The Beatles - Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band
Knife Edge - Emerson, Lake & Palmer - Live At The Royal Albert Hall

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…