Pular para o conteúdo principal

Por quê?

   Como ando sem tempo e inspiração para escrever, enviei um e-mail para o Take it Easy e pedi um post a ser publicado aqui no LedVenture. Não há nada mais triste do que um blogueiro sem inspiração. Este amigo desconhecido percebendo a inanição criativa a que estou submetido, imediatamente enviou o post abaixo publicado. Antes do post de hoje, Take já havia escrito: "Vai lá e seja feliz" e O nosso sol de todos os dias.... talvez daqui uns dias eu deixe o LedVenture para o Take it Easy administrar. Por enquanto solicito a ele alguns textos até que volte a inspiração a este blogueiro neófito. Por fim, saliento que a trilha sonora escolhida pelo cara é de apenas uma música, uma senhora música, a qual tenho um grande apreço. Parece que o Take gosta da boa música. Boa leitura e obrigado Take.


Por Take it Easy
     Por quê?
     Começar com um pergunta é estranho. Ainda mais um post neste blog perdido na net. Talvez afugente os poucos leitores, talvez não.
     Mas o porquê às vezes parece claro. Precisamos sentir a vida pulsando, precisamos ver sentido em tudo que nos cerca. Por vezes tudo parece sem muito ou nenhum sentido, esta é uma verdade ou uma entre tantas verdades. Buscamos o sentido como o inseto procura a luz. Nesta procura o inseto acaba morrendo quando encontra a luz. Mas faz parte da sua condição. E é da nossa condição buscarmos sentido nas coisas. Mesmo que esta procura nos mate. Mas, ao contrário do inseto,  nunca encontramos o sentido, por isso continuamos a viver. Nos mantemos vivos e felizes. Sou óbvio, sou previsível, sou essencialmente humano. Esta é minha condição. Luto para descobrir o sentido de tantos encontros e desencontros, luto para entender tudo que me cerca. Mas a cada dia tenho mais certeza que tudo pulsa meio sem sentido, apenas por pulsar. A vida pode ser esta sucessão de ações e omissões. Simples e sem sentido nenhum.
     Depois de alguns anos descobri que pouco importam as respostas, mas sim o caminho para encontrá-las. O sentido de tudo que nos cerca está no caminho que trilhamos e de nossas escolhas neste caminho. Não temos certeza de nada, mas aprendemos a cada curva desta estrada. Nos desapegamos, nos separamos, nos juntamos, nos separamos novamente. Esta é a nossa vida. Formar e desformar. Reitero, sou óbvio, sou previsível, sou essencialmente humano.
     Por que escrevo sobre isso. Simples, descobri que, enfim, estou caminhando com as minhas pernas. Não sei onde elas irão me levar, mas estou preparado para conhecer este caminho que se abre no final deste dia. Você que está lendo talvez não entenda, eu que escrevo talvez não entenda também, mas sinto que tudo irá mudar. Nestes anos aprendi que não posso apenas seguir em frente. Descobri que tenho que tirar a rede de segurança. De nada vale andar com a rede a me proteger. Não tem graça, não tem sentido. E por quê? Não sei, somente tirei a proteção lá de baixo. Agora é andar e tentar se equilibrar no cabo de aço que está estendido. Caminhando no início com muito cuidado e depois até se arriscando a dar alguns saltos, quem sabe até correr. E chegará o dia que caminharei como se a rede de proteção estivesse lá. Neste dia tirarei o cabo, então, apenas flutuarei.

Trilha Sonora:
Are You Going With Me? - Travels (Disc 1) - Pat Metheny Group




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…