Pular para o conteúdo principal

Natura non facit saltus

     A cada final de ano é a mesma coisa.
     Fazemos promessas de novos comportamentos. Começaremos aquela dieta "para valer". Iniciaremos o curso tão desejado, a poupança prometida ou a reforma da casa. Enfim, prometemos mundos e fundos.
     Prometemos que tudo será diferente, a começar por nós mesmos.
     Temos a certeza de que no ano novo respeitaremos todas as promessas feitas ao padre, à esposa, esposo, chefe, credor, amante, oficial de justiça e tantos outros personagens das nossas vidas.
     Quando ultrapassamos o primeiro segundo do ano novo percebemos que nada mudou, tudo está da mesma forma. Nossos comportamentos, nossos deslizes, nossos amores e dissabores; não há mudança com um simples passe de mágica. A vontade por si só não move montanhas. A vontade não tem o condão de mudar nossas vidas. Outros fatores influenciam. Não existe uma fórmula mágica, o que é uma pena, senão compraríamos em algum supermercado ou farmácia.
     A natureza não dá saltos - Natura non facit saltus - como afirmou Carl von Linné. As mudanças são gradativas e decorrentes de uma série de acontecimentos que se entrelaçam. Quando ouvi a frase Natura non facit saltus fiquei possesso, pois precisava que desse saltos e que a minha vida rapidamente mudasse. Estava numa letargia sem tamanho e me esforçava para mudar. Mas a mudança teimava em não chegar. E eu fazendo tudo que estava ao meu alcance. Algumas pessoas ao perceberem minha ansiedade por mudanças me disseram que a natureza não dava saltos... mas eu queria provar que a natureza dava saltos. Não deu. A mudança só veio depois de muitas ações, muitos erros e acertos. Foi decorrente de comportamentos reiterados. Não caiu do céu, não foi fruto de um milagre.
     Então neste ano que se avizinha só quero continuar mudando, construindo a mudança. No fim das contas pouco importa o resultado, mas sim o que fizemos para chegar àquela mudança. O que fazemos é a nossa vida de todos os dias e boas ações fazem a diferença. Têm que fazer diferença.
     Continuar nas tentativas de erro e acerto, só assim aprendemos. Sempre tive a impressão que mais errava do que acertava. Apenas uma impressão, o certo é que acerto muito mais, acerto em continuar a acreditar no futuro, mesmo quando ele não seja tão promissor assim. O mundo como um todo trilha um caminho em direção ao caos. Somente quando a maioria quiser é que caminharemos na direção oposta ao caos. Por enquanto são poucos, mas com o tempo tenho certeza que esta turma será a grande maioria. Este texto não tem aquela levada otimista, nem pessimista. Apenas sincera.
     Se você, diferente de mim, acredita nas promessas de fim de ano.  Se você é um destes malucos que têm aplicativos para tudo em sua vida, descubra os app´s para cumprir as promessas de novos comportamentos Aplicativos ajudam a cumprir resoluções de Ano Novo. Eu continuo acreditando que este processo de mudança é muito mais complexo do que algumas app´s e requer tempo de maturação. Mas e se eu estiver errado? Acho que vou baixar alguns destes aplicativos para me garantir...

Trilha Sonora:
Hoje escrevi sem música, deixei apenas o som decorrente do teclado me levar pela escrita.
Aliás, a escrita me leva por caminhos por vezes tortuosos, em outros, leves e descompromissados. Esse sou eu, não tenho um padrão. Nem quero.Não posso ter, preciso ser exatamente como sou...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…