Pular para o conteúdo principal

Os Duzentos afortunados

     A nossa sociedade faliu. Isso mesmo. O que chamamos de sociedade moderna está irremediavelmente condenada. É só esperar a decretação oficial.
     Você pode se perguntar sobre o que levou este blogueiro neófito a conclusão tão peremptória? Simples. Na semana passada li uma pequena nota no final de uma reportagem que dizia mais ou menos o seguinte:
A fortuna das 200 pessoas mais ricas do mundo é maior que a soma da riqueza gerada pelo Brasil no ano passado (US$ 2,49 trilhões).Os 200 principais bilionários acumulam uma riqueza de US$ 2,7 trilhões, equivalente ao PIB da França, a sexta maior economia global no ano passado.
     Você não leu errado, apenas 200 pessoas detêm a riqueza equivalente ao que é produzido por um país como o Brasil durante um ano inteiro. Ou seja, tudo que é produzido por mais de 200.000.000 (duzentos milhões de pessoas) não atingem a riqueza dos 200 mais ricos do mundo. Como chegamos a este estágio? Como aceitamos esta discrepância tão grande? Como permitimos que a nossa volta exista um abismo tão grande de distribuição de riquezas produzidas?
     Ao meu sentir esta concentração de riquezas é da essência do sistema econômico que construímos.  A queda do Muro de Berlin estabeleceu a hegemonia de um sistema econômico que precisa desta concentração de riqueza. Não existe capitalismo sem os muito têm e os quase nada possuem. É da sua essência esta discrepância, como é da essência do escorpião usar o seu ferrão.
     Alguns dirão que não é bem assim, pois muitas pessoas tem um padrão aceitável de vida. Vivem uma vida confortável, criam seus filhos, pagam seus impostos e ainda conseguem consumir alguma coisa. Mas a vida poderia ser realmente boa para a sociedade como um todo, bastaria que a riqueza que TODOS produzem fosse melhor distribuída. Não penso que deveria ser distribuída de forma igualitária entre a população, porque todos devem receber de acordo com os seus esforços. Mas receber  de acordo com os seus esforços não pode equivaler a milhares de vezes do que um outro membro da sociedade a qual está inserido. Não é justo, não é humano. Ou melhor, acho que é humano esta discrepância, infelizmente é humano. Este sistema foi criado por humanos, gerido por humanos, aliás bem humanos.
     A falência disso que nos cerca é inegável. Qualquer pessoa com um mínimo de discernimento chega a esta conclusão simples. Mas, claro, que quem está na parcela ínfima que se beneficia desta diferença entre classes luta para que tudo fique como está. A história nos mostra como foi esta dominação dos mais ricos para com os pobres. Basta lermos passagens da história da humanidade. É uma construção que invade muito séculos. E hoje testemunhamos como é na atualidade.
     Ainda há quem duvide que falimos como sociedade. Mas estes acreditam no papai noel e no coelhinho da páscoa. Acho que são mais felizes dos que, como eu, percebem que estamos no limiar disso que conhecemos como sociedade moderna. Como eu gostaria de acreditar no futuro de todos nós, esperaria o papai noel no final do ano e viveria bem mais tranquilo e feliz. Como é duro pensar em tudo que nos cerca. Falta eu parar de pensar e começar a agir para tentar mudar o mundo que me cerca. Já é passada a hora. Não só eu, você também.

Trilha Sonora:
Rikki Don't Lose That Number - Steely Dan - Rock 70´s
Say You Love Me - Fleetwood Mac - Rock 70´s
She's Not There -  The Zombies - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Cinema - Yes - 90125
Seconds - U2 - War (2008 Remaster)
'40' - U2 - Under A Blood Red Sky (live)
Scarlet - U2 - Show Estádio Morumbi São Paulo 10/04/2011
Mothers Of The Disappeared - U2 - The Joshua Tree (2007 Remaster)
With Or Without You - U2 - The Joshua Tree (2007 Remaster)
Boy-Girl - U2 - Boy (2008 Bonus CD)
Mysterious Ways (Solar Plexus Club Mix) - U2 - The B-Sides 1990-2000
I Won't Back Down - Tom Petty & The Heartbreakers - Greatest Hits
Free Fallin' - Tom Petty - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Mundo De Quimeras - Soda Stereo - Languis (EP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…