Pular para o conteúdo principal

Chacina diária e silenciosa

     Viajar de carro pelo Rio Grande é testemunhar uma chacina. A cada curva ou reta encontramos um animal morto ou agonizando em meio as rodovias. É cada vez maior o número de animais mortos nas nossas rodovias. Nas minhas férias cruzei o Rio Grande de norte a sul. Perdi as contas dos animais atropelados pelos quais cruzei. Outra coisa que me chamou a atenção foi que ao cruzar a fronteira com o Uruguai não encontrei nenhum animal morto na estrada. Nestes anos que vou para o Uruguai não me lembro de encontrar algum animal morto nas estradas. Pode ser apenas uma impressão minha, mas o fato é este. No Brasil muitos animais mortos, no Uruguai nenhum. Não sei o porquê. Mas o fato é este.
     A cada animal morto sinto uma dor inexplicável. Eu mesmo desviei de um deles, evitei o atropelamento daquele animal. Mas muitos não têm esta sorte, muitos agonizam no meio da estrada.
     Não sei qual a solução para este morticínio, mas me parece que devemos diminuir a velocidade nas estradas. É óbvio que andando em uma velocidade menor o nosso tempo de reação é maior e por consequência conseguiremos desviar dos animais. Eles não têm a consciência que ali é uma estrada, nós temos esta percepção. Testemunhamos diariamente estas mortes. Pouco ou nada fazemos. É hora de dar um basta. O Estado (aqui me refiro aos entes administrativos, independente da esfera de atuação) deveria fazer campanhas para evitar estes atropelamentos. São vidas que merecem nosso respeito. Somos responsáveis por estas vidas. Infelizmente estamos nos tornando os carrascos responsáveis por mortes cada vez mais numerosas.
     Estes dias subindo a serra testemunhei uma situação que me revelou uma outra faceta do ser humano. Desconhecida deste blogueiro neófito. A estrada estava vazia. Ao longe vi um animal atropelado na estrada. A caminhonete que estava na pista da direita, trocou de pista somente para passar por cima do animal morto. Confesso que aquele ato me chocou, acho que qualquer pessoa com um mínimo de sentimento se chocaria. Eu parei o carro, desci e fiquei um tempo parado. Não sabia muito o que fazer. Mas retirei o corpo do animal da estrada. Foi a única coisa que me restou fazer. Ao retirar aquele corpo inerte da estrada pensava na tal caminhonete e os seus ocupantes. Tive a impressão que eles ao assistirem o noticiário a respeito das mortes de indigentes devem afirmar que é bem feito ou então apóiam a limpeza étnica perpetrada por esquadrões de justiceiros tupiniquins. Quem pratica uma desumanidade contra um animal, mesmo que ele esteja morto, pode fazer o mesmo contra um semelhante seu. Disso não tenho dúvidas. Confesso que a partir da chegada do Che Guevara (um lindo maltês que adentrou em minha vida) fiquei mais intolerante com as maldades humanas contra os bichos.
     Sinto vergonha de pertencer ao grupo humano que pratica atos tão horrorosos. Mas esta vergonha não pode parar por aí, temos que evitar estas mortes, temos que achar soluções para este drama diário. Sei que não iremos acabar com todas elas, mas temos obrigação de minimizá-las. E não me venham com aquela velha e surrada frase: "com tanta coisa mais importante para se preocupar e o cara preocupado com os bichinhos". Poupem-me. Eu comecei a fazer a minha parte, diminui a velocidade nas estradas pelas quais ando. Pode ser pouco, mas é um começo. É o meu começo. E o seu?

Trilha Sonora:
Com este tema não consegui ouvir nenhuma música...

Comentários

  1. Quanto mais conheço a humanidade, mais amo e admiro meu cãozinho. Lis

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…