Pular para o conteúdo principal

Desglobalize-se

     Hoje voltando para casa, depois de mais um dia de trabalho, passei pelos mesmos lugares, muros e ruas. Mas algo me chamou a atenção. Um muro não estava como ontem. Mãos trêmulas picharam em letras vermelhas uma simples palavra. Desglobalize-se. Aquele muro pichado me causou uma profunda euforia. A verbalização de um sentimento a muito experimentado por mim surgiu naquele muro pichado.
     Desde a transformação em fenômeno pop, a globalização vem mostrando os seus nefastos efeitos. Cada vez mais somos transformados em seres uniformes. Os produtos que nos são apresentados seja na moda, nas artes plásticas, na arquitetura, na música, na literatura, enfim, quase tudo tem um mesmo padrão. Somos "presenteados" por esta fórmula mágica da massificação e homogeneização. A redução dos custos é, pelo menos assim percebo, o mantra repetido pelos mentores desta globalização. O lucro fácil, barato e com menos risco é o que move a globalização. Muito embora sempre aprendi que uma das marcas do capitalismo é o risco. Mas a globalização chegou para minimizar os riscos e maximizar os lucros.
     Ao ler aquela palavra pichada num muro qualquer, finalmente percebi o norte a ser buscado. É simples, mas requer um nadar contra a correnteza. Desglobalize-se foi um recado direto para mim. Foi o significado de um sentimento a muito experimentado. Um desconforto diário com tudo que me cerca. Não consigo mais perceber a diversidade que tanto deveria marcar o ser humano. Somos cada vez mais iguais. Somos a cada dia mais parecido com um morador de qualquer outro país, por mais distante que venha a ser. Não importa o quão distante seja, não importa a sua cultura milenar, nada mais importa, pois vestimos as mesmas roupas, ouvimos as mesmas músicas, lemos os mesmos livros e comemos as mesmas comidas. Afinal, somos produtos desta nefasta globalização.
     Não quero dizer, muito menos insinuar que devemos nos fechar a tudo e refratários a qualquer influência externa. Nada disso, mas devemos também valorizar nossas vivências, nossa cultura, nossa forma de encarar o mundo e não simplesmente reproduzir experiências alheias. Ao ler aquela pichação percebi que podemos e devemos ser nós mesmos. A cultura de massa está nos sufocando, a globalização é o instrumento usado pelos mesmos de sempre para fazer o trabalho, digamos assim, sujo. Não é uma prática nova,  antigamente poderia ter outro nome, como por exemplo o mercantilismo ou qualquer outra doutrina econômica experimentada na história. Mas a desglobalização é a nossa resposta.
     Desglobalize-se é um grito de socorro, um brado contra tudo isso que nos impõem.  Não quero mais fazer parte deste grupo homogêneo, quero isso sim fazer o meu caminho, que muitas vezes pode cruzar com o caminho que trilhamos agora. Mas que certamente terá desvios, nuances e será um caminho totalmente diferente, pois somos diferentes, temos nossas especificidades. Este moedor de carnes será quebrado pela desglobalização. Não é uma tarefa fácil, muitos dirão que a globalização é um caminho sem volta e lutar contra ela é inútil. E talvez seja mesmo. Mas também é verdade que não existe luta inútil, podemos não sair vencedores ou, quem sabe, estejamos fadados a perder esta luta quixotesca. Não me importo em ser o perdedor desta luta. Pelo menos serei eu mesmo, enquanto que eles, os vencedores, serão mais um na multidão uniforme. Em verdade seremos nós mesmos e não o que eles querem que sejamos.

Trilha sonora
Balada do louco - Ney Matogrosso - Vinte e Cinco Disco I

Hoje só uma música, claro que tenho que pedir desculpas para a leitora eventual e fã do Soda Stereo, mas há um porquê só ouvir esta música. Tem tudo a ver com o que senti ao ler aquela palavra num muro qualquer do meu caminho de volta para casa...

Comentários

  1. Concordo totalmente. Esta massificacao de valores gera apenas angustia quando nao conseguimos ser o que nos eh apresentado como ideal. Poucos hj em dia ousam trilhar por caminhos diferentes.O mais facil eh seguir o exemplo que deu certo, o seguro, o comum .A maioria tem medo de desgarrar-se do rebanho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…