Pular para o conteúdo principal

Redes Sociais, opiniões e liberdade


     Cansei deste mundo das redes sociais. Cansei das receitas para felicidade, para a salvação do mundo ou então dos conceitos preconceituosos. Neste mundo das redes sociais as pessoas revelam as suas faces mais verdadeiras, seus preconceitos mais enraizados. Não aguento mais conviver com este tipo de pessoa. Você pode pensar, mas se este blogueiro não gosta destas tais redes sociais ele pode não aderir. É uma verdade. Muito embora não toda a verdade. Nas redes sociais tenho amigos especiais com quem gosto de manter contato. Entretanto, o que me incomoda são pessoas que de uma forma ou outra tenho que "conviver".
     A verdade é que na vida real convivemos com todos os tipos de pessoas, mas no mundo virtual, sem os freios sociais, alguns se revelam e por vezes nos deparamos com o que de pior um ser humano pode expressar. Claro que também alguns se revelam mais especiais, mas não são estes que me incomodam, pelo contrário me fazem muito bem. O que me incomoda nestas redes sociais é o subproduto, o reacionário, o preconceituoso, o inconveniente (que faz questão de ser inconveniente). Parece que tem prazer em afrontar, incomodar e chocar.
     Estes comportamentos inconvenientes (para ser politicamente correto) me afetavam intensamente, hoje apenas os coloco de lado. Antes até tentava debater com estas pessoas, mas elas não gostam de debate, querem, isso sim, viver um monólogo. O mundo virtual está infestado de pessoas que têm opinião sobre tudo ou todos e que apresentam solução para os mais variados problemas do mundo. Talvez nós mesmos por vezes emitamos opiniões que podem se enquadrar no que estou querendo dizer, pois interagimos e somos influenciados constantemente por tudo que nos cerca. Sartre já dizia que "o inferno é o outro" e é inegável que todos nós temos a nossa face um tanto obscura. Mas em verdade escrevo sobre quem não consegue ter outro comportamento senão aquele recheado de preconceitos.
     Tenho consciência de que estamos inseridos numa sociedade racista, mesmo que digam o contrário. Também é verdade que muitos lutam para não reproduzir este comportamento de manada e querem mudar esta sociedade. O que me incomoda profundamente é que nas redes sociais vemos estes comportamentos racistas de forma clara, sem nenhuma maquiagem e aí percebo como é longo a estrada da mudança. Teremos que esperar algumas gerações para percebermos alguma alteração. A verdade é que este caminho de mudança de paradigmas é sem volta. Ainda bem, pena que muitos ainda não perceberam.
     Nos deparamos também com a intolerância nos espaços reservados pelos grandes veículos de comunicação para que o internauta emita a sua opinião. Ali percebemos o quanto somos cercados por pessoas que estão no limite do aceitável, muitos ultrapassam todos os limites de civilidade, porquanto se sentem protegidos pelo anonimato. Se você ainda não se atentou para este fato, gaste alguns minutos do seu dia e leia os comentários dos leitores na Folha de São Paulo, no G1, no Estadão ou qualquer outro veículo de imprensa. Você irá se assustar com o que é escrito. Frise-se que este tipo de comentário não está circunscrito ao mundo virtual. Se lermos as opiniões do leitores em qualquer veículo impresso, seja ele jornal ou revista, seremos "brindados" com o mais retrógrado da nossa sociedade, mesmo considerando que há um a certa triagem no que é publicado, ainda assim é o suprassumo do atraso. Não estou generalizando, mas é uma verdade insofismável. Infelizmente.
     Chego a triste conclusão que não sabemos lidar com a liberdade. O único remédio para isto é dar mais liberdade, só assim aprenderemos a exercitar este direito conquistado com muito suor e esforço de gerações passadas. Estamos em meio a este processo de aprendizado, só espero que o produto deste nosso aprendizado não seja uma sociedade cada vez mais racista.

Trilha sonora
122 - The Animals - The House Of The Rising Sun (1964)Coletânea 500 Greatest Songs
The Last Time The Rolling Stones Singles Collection - The London Years (Disc 1)
Last Night On Earth U2 Pop
291 - The Zombies - She's Not There (1964) Coletânea 500 Greatest Songs
Rockin' And Rollin' Gary Moore We Want Moore! (Digital Remaster)
Wonderful Tonight Eric Clapton Led Music
Puccini / Madame Butterfly (Un Bel Di) Clássicos 101 Classical Greats Volume 1
Cat Stevens - Wild World Clássicos Rock 500
Beatles - The Long and Winding Road Rock 70´s
Bad U2 The Best Of 1980-1990
Barber / Adagio For Strings Op. 11 Clássicos 101 Classical Greats Volume 1
178 - Big Star - September Gurls (1974) Coletânea 500 Greatest Songs
Hot Mango Flash Jethro Tull  J-Tull Dot Com

Comentários

  1. muito bom texto... estava refletindo sobre isso hoje... como as pessoas querem porque querem colocar as suas opiniões nas outras, e fazer valer que a crença/gosto delas é melhor que o dos outros... como você disse, mal uso da liberdade... e é triste ver isso nos comentários de videos do youtube, g1, etc... escandaloso...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…