Pular para o conteúdo principal

A substantivação do dia a dia

     Hoje recebi um e-mail de um leitor que pediu a publicação de um texto no blog. Gostei das conclusões deste leitor. Publico na integra o texto enviado por Nelson Castro.

     Caro LedVenture!
     Por vezes leio o teu blog. Noto algumas contribuições de leitores. Não sou um leitor diário, até porque não há atualização diária. Quando lembro acesso o teu blog e sempre me surpreendo, por vezes concordo com o que é escrito por ti, às vezes discordo veementemente. Te vejo meio ingênuo, sonhador, mas gosto de ler o que é publicado. Me senti estimulado a enviar o texto abaixo, para, se for tua vontade, ser publicado. Se não quiser publicá-lo, leia-o e reflita. Abraços do leitor distante, Nelson Castro.

Por Nelson Castro

     Deixar de lado os adjetivos e pensar mais nos substantivos este é o meu caminho. Cansei dos adjetivos. Cansei de qualificar, agora quero definir o que me cerca. Lindo, legal, interessante, bonito, feio... cansei disso tudo.
     Todos querem o seu quinhão de adjetivos eu quero os meus substantivos. É muito fácil ser adjetivo, basta dar um sorriso e dizer "que lindo" ou então "simplesmente maravilhoso". É difícil parar, pensar e substantivar aquele encontro, aquela frase ou aquela relação. A procura do substantivo é a minha luta a partir de agora. Muito embora tudo que nos cerca esta tranquilamente alicerçado na facilidade da forma adjetiva da vida. Nada de polêmica, somente uma constatação. Pouco importa o âmago da questão. Importa é estar na mesma direção da massa. Sair do aconchego dos adjetivos e enfrentar a estrada dos substantivos não é fácil, mas é necessário. É preciso encontrar o substantivo da vida.
     Não posso mais perder tempo com o superficial preciso ir fundo na essência. Deixar de lado esta dura repetição de fórmulas e buscar o diferente, não somente por ser diferente, mas por ser vital no dia a dia.
     Então, a partir de hoje tentarei ser diferente, talvez tenha pouco importância para a maioria das pessoas, mas é o meu norte neste momento. Não há porque se esconder atrás dos adjetivos, é preciso ousar com os substantivos. Olhar o mundo através da aspereza de um substantivo é sentir a liberação do lugar comum.
     Mas, afinal o que é ser uma pessoa substantiva? Não é simples esta definição. Ser substantivo é perceber o todo e não o enfeite. Não é desconsiderar o adorno, mas sim dar-lhe o devido peso e não supervalorizá-lo. Ser substantivo não é fácil, não é cômodo, requer atenção a todo o momento. A cada passo somos seduzidos pelos adjetivos, somos até enfeitiçados. Mas resistir é preciso, pelo menos eu assim penso e estou exercendo este novo caminho. Não vou ceder a tentação de adjetivar o caminho... apenas quero trilhar este caminho, sem pensar onde irá terminar. Se um dia chegar a algum lugar direi com todo prazer que valeu a pena.

PS: Agora quem escreve é o LedVenture. Concordo com o Nelson Castro e todas as suas palavras, mas quando escreveste "... estou exercendo este novo caminho." Senti a falta de um adjetivo do tipo árduo caminho, inefável caminho... Deixando de lado esta brincadeira, este blogueiro neófito concorda que devemos olhar com outros olhos e deixarmos de lado a facilidade do adjetivo, pelo menos no essencial e substantivar as nossas relações. Abraços Nelson e quando quiser contribua com o LedVenture. Esclareço aos eventuais leitores que hoje não há trilha sonora, pois pouco escrevi o que me impede de colocar a trilha, nem ouvi nada, somente o passar de carros na minha quase deserta rua e iluminado por um luar (deixo de lado o adjetivo), mas é tentador colocar algum adjetivo para este luar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…