Pular para o conteúdo principal

Nossos bichos de estimação!

     Que mundo contraditório este que vivemos. Escrevo contraditório porque não encontro uma palavra que o qualifique com precisão. Talvez até o final deste texto encontre um qualificador mais apropriado.
     Estes dias estava lendo o Estadão e encontrei uma interessantíssima notícia: Gastos de americanos com animais domésticos superou R$ 86 bi em 2011. Impressionante este número, são oitenta e seis bilhões de reais, isso mesmo, foram 86.000.000.000 gastos como os nossos bichinhos. É dinheiro que não acaba mais. Quando convertido em dólar ainda é muito, ou seja, 50 bilhões de dólares. Por curiosidade procurei qual era o orçamento americano e encontrei o Orçamento dos EUA ano 2010. E num comparativo simples, constatei que foram investidos em pesquisas científicas para cura de doenças, exatos setenta bilhões de dólares. O montante investido em educação pelos EUA em 2010 foi de 105 bilhões de dólares. E por aí vai. Nestas duas rubricas do orçamento americano podemos constatar que tudo a nossa volta é muito contraditório.
     Se a referência for Orçamento do Brasil 2011 o disparate é muito maior. Para termos uma ideia investimos em educação R$ 54 bilhões. Considerando que o dólar fechou hoje em R$ 1,7367, teríamos em dólares em torno de 31 bilhões. O que corresponde a 62% do que foi gasto pelos americanos com seu bichanos... É ou não é algo que choca. Não estou desmerecendo os bichanos americanos, mas nossas crianças não podem nem ser consideradas como se fossem bichinhos de estimação. E isto que estamos sendo alçados à sexta economia mundial.
     É certo que fazemos o que queremos com nosso dinheiro, se ele foi ganho honestamente decidimos fazer com ele o que bem entendemos. Certo? Errado. Não vivemos isolados, não somos uma ilha. Vivemos cercado por tudo e por todos. Não entra na minha cabeça que a sociedade permita que se gaste mais com os animais de estimação do que com a educação das nossas crianças. Algo está muito errado. Ou gastamos muito como nossos bichinhos ou gastamos pouco com nossa educação. Até parece que vivemos em um mundo perfeito, onde todos os nossos problemas foram resolvidos e não há mais nada a ser feito, não há criança sem escola, todos têm comida, emprego, casa digna e todas as suas necessidades atendidas. Só pode ser isso. Não é crível que vivemos em um mundo onde uma criança tenha menos cuidados do que um bicho de estimação, por mais querido que possa ser este nosso bichano...
       Tudo é muito estranho em nossa sociedade. E não vejo mudança a curto prazo. Ainda continuaremos a priorizar o nosso umbigo em detrimento do nosso semelhante. Queremos o carinho do nosso animalzinho e não nos importamos se o filho do operário tem escola ou comida digna. É duro viver num mundo onde nosso cãozinho é mais feliz do que o filho do guardador de carros da esquina de casa. Mas esta é a vida que vivemos. E por fim acho que descobri a qualificador para este mundo. Acho que poderia escrever a frase inicial assim: Que mundo cão este que vivemos...

Trilha sonora
Opening Titles (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Tarkus (Eruption) (Tokyo 1972) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Forming ELP (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Hoedown (Milan 1973) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Breaking Through (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Tank (Milan 1973) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
ELP On Top (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Lucky Man (California Jam 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Karn Evil 9 (3rd Impression) (California Jam 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Locking Horns (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Toccata (Aquarius 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
The Works Prjoect (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
I Believe In Father Chirstmas (Greg Lake 1975) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Postscript (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Honky Tonk Train Blues (Oscar Petersons Piano Party 1976) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Fanfare For The Common Man (1977) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning

Comentários

  1. Alguns gastam com seus animais, outros com carros, outros com roupas...

    ResponderExcluir
  2. imagino que tu dedique tempo e dinheiro às crianças carentes! bises.

    ResponderExcluir
  3. Desculpe mas discordo completamente da sua visão, pois nossos impostos (altíssimos) já são (ou deveriam ser pelo o q nossos governantes dizem) predestinados a várias prestações de serviços relacionadas à crianças. Hj temos vários órgãos oficiais p/ atende-las, se fazem isso direito ou não, já é um problema de administração pública. Nossa parte fazemos pagando os impostos e acreditando q pessoas credenciadas farão o trabalho correto já q estão sendo pagas p/ isso.
    Já c/ os animais, não há órgão oficial algum que cuide deles. O mínimo é o centro de zoonoses que no máximo, faz matá-los quando se tornam uma "praga" nas ruas. Por isso dr. que nós que já pagamos nossos impostos p/ q sejam devidamente gastos pelos órgãos competentes, gastamos tanto dinheiro c/ nossos bichos, porque não há ninguém que o faça!
    O que aliás é um absurdo!! Pois tb são seres vindos de Deus e em MUITOS casos, conseguem ser mais imprescindíveis do que muito ser "humano".

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…