Pular para o conteúdo principal

Apenas uma caminhada sem destino

     Hoje simplesmente fiz uma das coisas que mais gosto. Sai para caminhar sem rumo. Adoro sair para caminhar sem destino certo, deixando que o caminho me levasse. Tomei banho de chuva, empurrei um carro estragado, cruzei com um caminhão entalado num viaduto, conversei com pessoas para tentar me localizar, entrei um ruas sem saída, vielas, avenidas, enfim, um caminho novo a cada passo. Nestas caminhadas sem destino faço uma espécie de faxina mental. Parece que uma espécie de programa desfragmentador ou então algum limpador de arquivos inúteis escaneia minha mente e por consequência meu corpo. Volto uma nova pessoa, renovado e pronto para seguir a vida de todos os dias.
     Quando faço estas caminhadas prefiro ir por lugares não frequentados por mim diariamente. Procuro ter contato com lugares que não são incluídos dos cartões postais, busco a vida como ela é e não aquela que tenho. Vivo uma vida confortável e tenho consciência que não é o padrão médio do brasileiro. Por isso busco lugares mais humildes para perceber o quanto minha vida é de faz de conta.
     Na caminhada de hoje algo me chamou muito a atenção. Nas localidades pelas quais cruzei notei muitas casas humildes transformadas em templos evangélicos. Me parece ser uma nova tendência destas religiões neopentecostais. Grandes templos nos centros das cidades e nos arrabaldes pequenas igrejas. A passar por uma destas, uma casa bastante humilde, presenciei uma pregação. Diminui o passo para ouvir, mas não consegui entender o que estava sendo dito. Mas comecei a pensar sobre o que estava acontecendo a minha volta. O que faz aquelas pessoas irem lá numa tarde de dia útil para ouvir um pastor. O que faz alguém depositar suas tristezas e alegrias a um pastor numa casa transformada em templo. Parei por alguns segundos olhando aquela cena, senti um vazio muito grande, queria entrar naquela casa e dizer que talvez o que aquele senhor estava pregando não fosse uma verdade. Talvez seria melhor não ficar ali ouvindo aquela pregação, talvez seria melhor lutar pelos seus sonhos e acreditar nas suas verdades e não verdades ditas por um pastor.
     Imaginei eu entrando naquela casa/templo e gritando. Ao mesmo tempo tive a certeza que esta minha atitude não traria nenhuma felicidade para as pessoas. Muito antes pelo contrário, tiraria o chão delas, as deixariam sem sentido. Em vez de as libertarem, as transformariam em descrentes e talvez entrasse em profunda depressão. Ou então, os pastores diriam que eu era um enviado do capeta e me apedrejariam. Ao me tirarem de lá todos voltariam à pregação e conseguiriam viver suas vidas normalmente. Ao recomeçar minha caminhada e me afastando daquela casa/templo percebi a sua função social. Mantém todos calmos, vivendo suas vidas, trabalhando em condições de quase escravidão, morando em condições precárias, não tendo nenhuma assistência do Estado, mas mesmo assim seguindo tranquilamente como integrantes de um rebanho muito manso.
     Eu segui minha caminhada sem destino. Também sou um integrante da manada, não faço nada para mudar o que me cerca. Talvez eu seja ainda mais culpado, porque tive acesso ao estudo, adquiri uma certa consciência e percebo o que vivemos e porque vivemos, por esta razão deveria fazer mais do que caminhar...

Trilha Sonora:
Caesar - AC/DC - Gold Album
Fool's Gold (B-Side) - Amy Winehouse - Frank
Do You Ever Think About Me - Chuck Mangione - Eyes Of The Veiled Temptress
Pirates (Montreal 1977) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Sylvia - Focus- Live At The Rainbow
Skating away - Jethro Tul - Live - Bursting out Disc 1
Hey Hey What Can I Do - Led Zeppelin - Stairway Sessions
O Pastor - Madredeus - Antologia
1990 - Soda Stereo - Cancion Animal
Coroné Antônio Bento - Tim Maia - Gold
Ave De Prata - Zé Ramalho -  Perfil
Lola - The Kinks - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…