Pular para o conteúdo principal

Faz tempo...

     Faz algum tempo que não escrevo. Existem muitas razões para este "silêncio da escrita". A principal é o aumento exponencial de atividades relacionadas ao meu trabalho, mas não era só isso. Talvez este blogueiro neófito e, por consequência, o blog estejam passando por uma fase de reavaliações. Cruzei por alguns caminhos que não foram os melhores. Cruzei com pessoas que me ensinaram o que e como não fazer. Percebi que tenho muito o que aprender. Estou em constante aprendizado, isso é muito bom. Estou vivo. É bom viver, embora às vezes não seja tão fácil. A vida segue os seus trâmites, como um processo, como uma linha de montagem de uma fábrica qualquer ou como as engrenagens de uma grande máquina. Às vezes estas engrenagens nos mutilam, retiram nossa capacidade de entendimento. Em outros momentos driblamos esta máquina moedora de mentes e pessoas. Tudo que passamos nos fortalece em nossas escolhas. O melhor de tudo é percebermos que as escolhas que fizemos são as mais acertadas. Sou novamente aquele LedVenture pronto para descobrir os encantos dos caminhos escolhidos pela vida. Me sinto novamente estimulado a escrever aqui neste blog sem sentido, mas com destino certo e determinado. A vida segue os seus andamentos normais e isso é muito bom. A vida é o melhor caminho (até parece slogan de algum produto qualquer).
     Passadas as atribulações decorrentes da minha vida profissional, recomecei a viver a vida normal de todos os dias, que em muitos momentos incomoda, mas que eu sentia saudades sem tamanho. Estes dias estava assistindo um documentário sobre as manifestações no mundo Árabe. Primeiro me revolto com esta expressão mundo Árabe. Não existe mundo Árabe, mundo Americano, Europeu ou qualquer outro mundo, existe tão somente o nosso mundo, o mundo de todos nós. Ou o mundo que queremos melhorar... Mas todos insistem em nomenclaturas, apesar de serem segregacionistas. Preciso voltar ao tema deste post. Quando assistia o referido documentário sobre os protestos no Oriente Médio, percebi que tudo o que aqueles jovens queriam no início do movimento conhecido como Primavera Árabe era mudar o mundo, mudar suas vidas e de todos que, como eles, viviam aquela vida sem muito sentido e nenhuma liberdade.
     Mas com o tempo tudo mudou, os anseios foram trocados, os sonhos ficaram pelo caminho atrás de discussões infindáveis. Algo parecido aconteceu no movimento Occupy Wall Street, as discussões sobre coisas cotidianas do acampamento ganharam dimensões incontroláveis. O meio tornou-se o objeto e enquanto a finalidade inicial perdeu importância, ou melhor, ficou em segundo plano. Nestes movimentos sociais geralmente ocorre esta perda de foco. Os egos individuais são inflados acarretando uma troca de objetivos. No início todos têm a intenção de mudar  o que lhes cercam, mas com tempo as intenções cedem espaço aos individualismos de cada um. Assim somos e assim seremos. Claro que temos a esperança de um dia isto mudar. A cada novo movimento a "certeza" de que será diferente surge... Mas tudo se repete de forma avassaladora, a história está aí para provar a verdade desta afirmação.
     Por incrível que pareça eu ainda acredito que tudo pode ser diferente. Tem que ser diferente. Espero ainda ser testemunha de movimentos sociais que reflitam os anseios de parcelas da população, espero vivenciar esta mudança de comportamentos e o surgimento de resultados palpáveis para todos. Entretanto, a primeira mudança deve ser de consciência, o ser humano deve perceber as suas necessidades e não simplesmente internalizar necessidades "fabricadas" ou impostas a todos nós. Não é simples, mas é necessário, só então teremos uma chance, não apenas no que tange aos movimentos sociais, mas também em relação ao próprio ser humano. Até tempos atrás eu não tinha muito esperança no ser humano, agora algo mudou dentro de mim, passei a acreditar na mudança de todos nós. A mudança está dentro da gente, basta simplesmente olharmos com mais atenção para o nosso interior. Claro que só este olhar não servirá muito, temos que levantarmos nossas bundas da cadeira e fazermos parte da mudança, se é que queremos alguma mudança.
     Eu quero. E você?

Trilha Sonora:
Tangodrome - Bajofondo TangoClub - Supervielle
Moody Blues - Question - Clássicos - Rock 500
Give Me Love, Give Me Life - Roger Hodgson - In The Eye Of The Storm
Emotional Rescue- The Rolling Stones - Emotional Rescue
Final Caja Negra - Soda Stereo - Signos
Ize Of The World - The Strokes - First Impressions Of Earth
Money - Pink Floyd - Rock 70´s
Goodbye Stranger - Supertramp - Rock 70´s
No Woman, No Cry - Bob Marley & The Wailers - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
A Hard Day's Night - The Beatles - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
The Harder They Come - Jimmy Cliff - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Pride (In The Name Of Love) - U2 - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…