Pular para o conteúdo principal

Décollage II

     Naquela mesa só restavam duas taças de vinho. Um casal se olha e cada um repensam sua histórias. Nenhuma palavra é dita entre eles. A banda continua tocando única a música que haviam ensaiado, Décollage...
      Os dois apenas se olham, um mundo os separa, sonhos perdidos pelo caminho. Caminhos perdidos entre. Nada entre eles se completa ou se completou, a vida continua sem sentido e eles apenas se olham. As taças continuam pela metade. A banda ainda toca a mesma música. Acordes desencadeando uma linda linha melódica que termina abruptamente. No mesmo compasso.
      As luzes piscam intensamente criando sombras disformes. O casal apenas pensa e nenhuma palavra é dita. Carlos Eduardo tenta se levantar. Maria Clara pergunta:
     - Antes de ir, tu poderia me dizer o porquê de tudo que vivemos?
     - Sinceramente. Não sei. Acho que faz parte do aprendizado de todos os dias. Mas, sinceramente, não sei.
     - Em algum momento nos perdemos neste jogo.
     - Desculpe. Nunca foi um jogo. Vivemos intensamente. Se não teve o final que desejamos ou que um de nós desejou, foi por encontros e desencontros da vida. Nada tem muito sentido, nem é bom ter.
     - Não queria um sentido, mas uma explicação. Senti que nos perdemos de nossos destinos.
     - Destino não existe. O que há são desencadeamentos de nossas ações. Não há nada traçado. Apenas fazemos nossas escolhas. Talvez tenhamos nos iludido pelo caminho. Nos deliciamos em alguns momentos, mas no final resolvemos seguir em outras direções. Só isso. A vida seguirá seu curso.
     - Carlos Eduardo tu é um merda. As tuas explicações servem para ti. Se é que servem para ti.
     - Isso mesmo. São as minhas explicações. Tu me perguntou o porquê de tudo que vivemos e eu dei a minha explicação.
     Nas paredes em volta se podia notar as várias camadas de cartazes coladas uma por cima das outras. Outros tantos arrancados, dando o tom da conversa.
     Neste instante Maria Clara diz a última frase entre eles:
     - Então só posso te dizer até nunca mais.
     Carlos Eduardo não sabe quem irá pagar a conta, então pergunta:
     - Maria Clara, quem irá pagar a conta?
     - Que conta?
     - Ora que conta, olha a tua volta. Tu acha que isso aqui saiu de graça? Não custou nada? Ou caiu do Céu.
     - Carlos Eduardo, só estamos nos dois aqui.
     - Estou vendo. Mas que culpa eu tenho se tu quis lançar um clube de nudismo em Caxias do Sul...

Trilha Sonora:
Décollage - Bajofondo TangoClub - Supervielle

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

Não quero ser uma Pessoa Afirmativa

Atualmente só existem certezas. Todos são peremptórios em afirmar suas infindáveis certezas.
     Me sinto deslocado, pois tenho muitos incertezas, sou um repositório de dúvidas. Neste mundo que me cerca, talvez (olha aí mais uma dúvida) eu seja um ser em extinção. Talvez.
     Gostaria de ter as certezas de que todos falam, mas sempre ao ouvir alguma certeza me vem a cabeça muitas dúvidas. Quando ouço no rádio nossos governantes falarem, imediatamente surge um mar de dúvidas. Apenas alguns exemplos:
     "A segunda ponte do Guaíba já está em processo final de projeto e em questão de pouco tempo as obras começarão". Ao ouvir esta fala as dúvidas pululam na minha cabeça.
     "Todos os estádios e aeroportos em construção estarão prontos para a Copa de 2014. Aliás, será a melhor Copa de todos os tempos". Ao ouvir esta frase fiquei petrificado, será que somente eu desacredito nestas promessas?
     "O frio logo vai passar, é apenas uma massa de ar polar pass…