Pular para o conteúdo principal

Até quando?

    Um amigo me envia um vídeo de uma brasileira indignada. Uma brasileira que cansou de olhar calada a sua situação de vida. Quem não assistiu, vale a pena assistir, quem já viu vale a pele rever. Nós estamos neste vídeo, nossa indignação está ali.

video

    Até quando estes pseudo governantes e esta falsa elite irão fingir que não escutam o clamor das ruas, a indignação de um povo oprimido pela dura vida que leva.
    Até quando iremos suportar governantes que enriquecem de uma hora para outra e alegam sigilo profissional para não revelarem a origem deste aumento astronômico do patrimônio pessoal? Até quando iremos suportar políticos andando em carros blindados e cada vez mais apartados da vida cotidiana, preocupados somente com conchavos políticos? Até quando iremos suportar superfaturamento de obras públicas, desvio em licitações? Até quando?
    Amanda Gurgel, esta brasileira que tenta fazer a sua parte, começou a dar um basta na hiprocrisia que nos cerca. Mostrou sua indignação. Mostrou que não quer mais ouvir calada, expôs sua insatisfação. E nós? Quando iremos agir ao invés de apenas nos indignarmos? Se é que ainda nos indignamos?
    Acho que a classe política no Brasil conta com a nossa infindável apatia, com a nossa falta de estudo, como nossa falta de indignação. Somente isso explica a desfaçatez destes governantes e políticos que nos cercam. Mas acho que estamos no limite. A história do mundo é pródiga em exemplos de como a corda rompe quando não houver mais esperanças. Basta olharmos com atenção a história da humanidade e chegaremos a conclusão de que não tardará muito e viveremos mais um rompimento das estruturas vigentes. Não me refiro somente ao Brasil, acho que aqui é muito mais difícil ocorrer, em grande escala, este rompimento.
     Protestos nos países Árabes (muitos dizem estimulados e financiados pelos EUA), manifestações na Europa, não tenho dúvidas que fazem parte deste começo de rompimento.
     Até quando iremos deixar de fazer a nossa parte? Amanda Gurgel já começou, e nós? Eu de minha parte irei continuar a leitura do Ensaio Sobre a Lucidez, tudo a ver com foi escrito aqui. Até quando continuarei somente a ler?
   
Trilha sonora:

Creepin' -  Grand Funk Railroad - We're An American Band
Djinn - The Edge - Captive OST
Clasp - Jethro Tull - The Broadsword and the Beast [vinyl rip]
Salamander - Jethro Tull - Too Old To Rock 'n' Roll: Too Young To Die!
Jethro Tull - Living In The Past - Rock 70´s
No Line On The Horizon -  U2 -  No Line On The Horizon
Stockholm Syndrome (Earls Court) - Muse - Absolution Tour
The Bat Part II - Pat Metheny Group  - Offramp
Sister Sledge - He's The Greatest Da - Rock 70´s
Strange Avenues - Jethro Tull - Rock Island
Never Let Me Go - Bono and The MDH Band - The Million Dollar Hotel

Comentários

  1. não tinha visto esse vídeo. SENSACIONAL.

    o problema é que a indignação aumenta quando as pessoas têm educação. logo, a educação nunca será uma prioridade no brasil.

    triste.

    ResponderExcluir
  2. O depoimento da Amanda é muito bom mesmo. Senti uma sensação tão boa ao assisti-lo porque ela expressa nossa indignação também. Sinto como se também tivesse falado com ela cada palavra.

    Incrível como a situação dos professores é ruim em todo país, em todos os sentidos. E aqui no RS o salário-base é mais baixo ainda...

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante este debate.
    O que me chamou mais ainda a atenção é que ela exibe seu contracheque de R$ 930,00 e no RN estão em greve para melhorar isto.
    Querem ficar mais indignados ainda?
    Aqui no RS o salário é de menos de R$ 600,00.
    Vamos falar em "meritocracia" nestas condições?
    Não dá né.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…