Pular para o conteúdo principal

Sobrevivendo à modernidade

    Sérgio estava determinado a ultrapassar a resistência de Luiza Helena.
    Havia muito tempo que tentava convencê-la das vantagens da sua proposta. Usou de todas as artimanhas, mas ela se revelava refratária a qualquer investida dele.
     Sérgio, entre seus amigos, era conhecido pela sua persistência. Nunca desistia de suas empreitadas.
     Hoje era o dia  de ir para cima de Luiza Helena e não deixá-la escapar. Pensou em tudo, roupa que vestiria, colocou a colônia Tabu, a sua preferida, e o mais importante, o marido de Luiza Helena sempre saia às 08:30 para o trabalho, portanto, esperaria até as 09:00 e daria o bote.
    Às nove horas em ponto tocou a campanhia conforme o planejado. Ao abrir a porta Luiza Helena exclamou:
    - Oh! É o senhor!
    Ele queria quebrar o gelo e tascou:
    - Senhor está no céu.
    Luiza Helena pensou, e eu no inferno na frente do diabo. Mas educadamente deu um sorriso e o convidou a entrar.
     Sérgio pensou que a coisa estava boa para o seu lado e foi logo se esparramando no sofá.
     -  Seu Sérgio o que lhe traz aqui hoje?
     -  Seu me deixa muito velho, me chama simplesmente de Sérgio.
     - Tá bom, Sérgio. Então, qual o assunto, não vai me dizer que é aquela velha proposta?
     - Isto mesmo.
     - Mas Sérgio, já disse não. Com a internet e o google já fico satisfeita. Tudo perfeito, é a modernidade  e os sinais  dos tempos, Sérgio.
     - Não é a mesma coisa Luiza Helena, e se você fizer um teste sem compromisso?
     - Sérgio, não.
     - Você é difícil de ser convencida. Faz tempo que insisto, mas hoje será diferente. Ontem fiquei pensando o que poderia lhe dizer. Acho que achei a solução.
     - Não me diga.
     - Digo sim. Ter em suas mãos é diferente de olhar pela internet, o contato físico dá mais prazer e o resultado é muito melhor.
     - Nunca havia pensado por este prisma.
     Sérgio sentiu que as barreiras haviam caído e que poderia dar a cartada final.
     - Então, posso tirar?
     Luiza Helena sem mais nenhum contra-argumento sussurra:
     - Pode...
     Sérgio dá um sorriso cálido e retira de sua maleta o primeiro fascículo da Enciclopédia Barsa e diz:
     - Amanhã trago os demais exemplares.
     Sérgio se dirige à porta pensado "eu sou o melhor vendedor de enciclopédia Barsa do mundo".
     É verdade que Sérgio mantém às duras penas esta sua fama, afinal, hoje o google resolve tudo, mas atrapalha muito a vida do Sérgio, o último vendedor de enciclopédias...


Trilha Sonora:

Goodbye Cruel World - Pink Floyd - The Wall - Disc I
Greensleeved - Jethro Tull - The Jethro Tull Christmas Album
Maggie May - Rod Stewert - Rock 70´s
Mississippi Queen - Mountain - Rock 70´s
Cheap Day Return - Jethro Tull -Aqualung
Creedence Clearwater Revival - Who'l - Rock 70´s
Sparks - Coldplay - Trouble - Norvegian Live 2001
Always - U2 - 7
Lost! - Coldplay - Singles
Eric Clapton - Cocaine - Rock 70´s

Comentários

  1. Que coincidência.
    Na sexta-feira almocei com um antigo colega de trabalho que depois de ficar desempregado foi.......vender Barsa.
    Foi um almoço bem legal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…