Pular para o conteúdo principal

Processo criativo e a inspiração. E muitos outros assuntos.

     Inspiração. Será que existe? Será que temos uma luz divina que nos ilumina e nos propicia a sonhada inspiração?
     Será que um pintor ao pegar o pincel tem aquele estalo e sai pintando como se estivesse em transe?
     Será que o compositor ao encontrar o seu instrumento começa a tocá-lo e a música sai pronta?
     Será que escultor ao encontrar um pedaço maciço  de mármore começa a esculpi-lo sem parar, apenas com a inspiração?
     Será que o escritor ao separar papel e caneta escreve até terminar a história?
     Pode até acontecer uma vez que outra, mas no geral penso que não é assim o processo criativo. É imprescindível transpiração. A transpiração faz parte da criação. No texto de hoje tem mais transpiração do que inspiração... A vida é assim e tem que ser assim. Pois esta história de inspiração nos remete a algo inexplicável, quase divino e não acredito nisso. Acredito no trabalho, na dedicação, na vontade de fazer. No meio artístico atual falta tudo, inspiração, qualidade e transpiração. Tudo é tão efêmero, tão pasteurizado.
     Por que nos tempos atuais estamos vivendo tempos obscuros no que se refere às artes?
     Hoje conversando com meus colegas de trabalho, sim por incrível que pareça este blogueiro trabalha,  acho que surgiu a resposta para esta questão inquietante. A sociedade atual é movida somente pelas criações direcionadas ao consumo desenfreado. Nossas necessidades são criadas por grandes corporações. Somos programados para o consumo e somente consumo. Não somos estimulados à criação, somos direcionados ao trabalho, é a coisificação da massa trabalhadora como já definiu Karl Marx. Por conseqüência a classe trabalhadora fica apartada dos produtos por ela produzidos. O trabalhador só é útil enquanto mão de obra, enquanto força de trabalho. Isto é a coisificação da massa trabalhadora. Ou será que é possível para um trabalhador numa linha de montagem de um iPhone na longínqua e desconhecida China, por exemplo, ter condições econômicas de comprar tal aparelho, ou quem sabe, um iPad. Os prédios de luxo que são construídos por todos os lados no Brasil, algum operário destas obras teriam condições de ali morar. Aqui gostaria de abrir um parênteses, estes prédios de luxo me lembram as grandes pirâmides do Egito, foram construídos por escravos famintos que nunca teriam acesso a elas, pois eram destinadas para os faraós descansarem eternamente. Os prédios de luxo de hoje são quase isso, com uma diferença, os "faraós atuais" desfrutam em vida as pirâmides modernas...
     Ao retomar o texto poderia citar uma gama infindável de produtos que são inatingíveis para quem os de fato produzem, acrescento um deles que é emblemático, os carros Mercedes-Benz que retratam bem esta separação.
     Parece que estou ouvindo alguém comentar "mas atualmente a classe operária tem acesso a coisas que antigamente era impensável, carros, casas ou produtos eletrônicos." O caro leitor que assim pensou esquece que este pseudo acesso faz parte do alargamento do mercado consumidor. Faz parte do sistema  capitalista que tem como objetivo aumentar mais e mais o lucro e só consegue este objetivo quando acontece a tal escala de produção. Então esta balela de alargamento do consumo é mais um engodo. Hoje muitos compram, mas a que custo, financiamentos estratosféricos, prazos de quase um vida.
     Não sei até quando iremos neste caminho de pouca valorização do conteúdo em prol da forma, em prol do status. Não sei até quando a corda irá suportar uma classe trabalhadora explorada e uma outra classe consumidora, com um muro bastante grande a separá-los. Um dia esta conta será cobrada e não quero estar por perto para ver o que acontecerá. Basta olharmos para o passados e veremos  que em alguns momentos houve esta ruptura, mas de uma forma ou de outra esta revolta foi cooptada pelo sistema para que saísse ainda mais fortalecido. Nos tempos atuais, se houver algum tipo de ruptura, não sei se será possível haver esta cooptação, pois atualmente é muito forte a segregação entre as classes sociais.
     Não pensem que escrevo do alto de um pedestal e que estou imune a estas influências nefastas. Muito  pelo contrário. Sou quase um escravo desta ideia capitalista. Gosto de comprar produtos eletrônicos, em especial Apple, muito me enganei dizendo para mim mesmo o quanto me era necessário. Mas na verdade sou apenas e tão somente mais um cara que se deixou levar por esta estratégia de marketing que "cria a necessidade e depois te vende o produto". É a subversão total das criações. Este é o mundo que vivemos... não me sinto confortável, não me sinto à vontade.
     No início do texto me propus a escrever sobre inspiração, sobre como surgem as criações artísticas. Mas às vezes o texto tem vida própria e começa a se formar diferentemente do que pensamos no início, é muito estranho parece que as palavras tomam o controle da escrita e fazem o que querem do escritor, que vira tão somente um observador do que vai surgindo... Hoje foi isso e será isso, pois acabei e não vou mais escrever, quem gostou comente. Quem não gostou nem chegou até aqui para ler este final pouco inspirado, mas com muita transpiração.


Trilha Sonora:


45/8 - Pat Metheny Group - Letter From Home
The Thinner The Air - Cocteau Twins - Stars & Topsoil: A Collection (1982-1990)
April Wine - Just Between You and Me - Rock 70´s
Corporal Clegg - Pink Floyd - A Saucerful Of Secrets
Run to me - Bee Gees - The very best of the Bee Gees
07 - Coldplay - Lovers In Japan (Osaka Sun Mix) - Vários Artistas EP's
Knights Of Cydonia - Muse - Black Holes And Revelations
A Celebration - U2 - October (2008 Bonus)
Sunday Bloody Sunday - U2 - Show Estádio Morumbi São Paulo 10/04/2011
What A Fool Believes - The Doobie Brothers - Rock 70´s
Walk On - U2 - All That You Can't Leave Behind
Let Me Take You Home Tonight - Boston - Rock 70´s
Janine - Space Oddity (German RCA)
Led Zeppelin - Fool in the Rain - Rock 70´s
Lucky Man - Emerson, Lake & Palmer - Rock 70´s
Run To Me - Bee Gees - Their Greatest Hits - The Record (Disc 1)
Magnum Opus - Kansas 1977 - Kansas - Providence Civic Center, 1977-12-13
The Lovers Are Losing - Keane - Perfect Symmetry
Young Lust - Pink Floyd The Wall - Disc I
Pride (In the Name of Love) - U2 - The Unforgettable Fire
Love Comes Tumbling - U2 - Wide Awake In AmericaInspioidufoai

Comentários

  1. Realmente, teu texto teve outro final. Mas, mesmo desconfortável continua sendo consumista. Geralmente, quando ficamos mais velhos, modificamos nossos pensamentos e adotamos novas posturas.

    Siga escrevendo.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, ao mesmo tempo em que as pirâmides pararam de serem construídas o Egito mergulhou num caos de miséria e violência. Uma das últimas inscrições desta época diz: "pais devoram os próprios filhos". O Nilo secou, e por mais de 100 anos, só sobrou o deserto. Quem conseguiu atravessar o deserto para recomeçar em outros lugares sobreviveu.
    Mas e hoje, neste mundo globalizado, para onde vamos quando o Nilo secar? Marte?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…