Pular para o conteúdo principal

A Aeromoça 2


     Este post é a continuação de A Aeromoça. Até porque o título assim sugere. Portanto, para entender o que se passa leia primeiro: A Aeromoça


     Rodrigo não entendia o porquê de estar sendo preso. Os Policiais Federais não diziam que ele estava sendo preso, mas sim detido. Rodrigo pensou que pouca diferença fazia em ser preso ou detido, afinal não podia sair daquela sala...
      Algumas horas se passaram até que chegou o delegado. Rodrigo constatou que o delegado era um homem bonito, mas logo retirou este pensamento da cabeça e concluiu que ele era bem apessoado, assim ficava melhor. O Delegado sentou-se bem em frente de Rodrigo e falou: 
     - Que papelão cidadão. Fiquei sabendo que o senhor deu um piti no voo Rio-Paris. Eu estava em casa e tive que vir até aqui para resolver esta situação.
      - Dr. Delegado. Em primeiro lugar não fiz papelão nenhum. Muito menos dei um piti, apenas queria confirmar se a aeromoça era o meu colega de colégio, chamado Carlinhos. Só isso.
     - Cidadão, falando assim parece tudo normal. Mas o que tenho aqui registrado na ocorrência é um pouco mais, digamos assim, ousado. Só para relembrá-lo, o senhor tentou colocar as mãos nas partes íntimas da aeromoça.
     - Dr. Delegado, tenho que lhe corrigir somente em um ponto. Não era uma aeromoça, poderia ser definido, "digamos assim", aeromoço. Rodrigo tentou imitar o tom de voz do Delegado quando pronunciou o "digamos assim".
     O Delegado não gostou muito o tom usado por Rodrigo. Mas prosseguiu aquela conversa.
     - Cidadão, pouco importa. Não vamos entrar em juízos de valor. Iremos fazer todos os trâmites aqui e depois encaminharemos este inquérito para a Justiça, lá é o fórum adequado para resolver este conflito. E aí o senhor expõe "digamos assim" a sua tese sobre a aeromoça. Quando o delegado disse "digamos assim" ele alterou muito a pronuncia. Aquela sala mais parecia um filme comédia pastelão.
     Mas Rodrigo queria logo sair dali, portando, só restava fazer o jogo do delegado. E aí falou:
     - Concordo. E o que preciso fazer para solucionar esta questão?
     - Leia e assine esta folha. Depois o senhor aguarda na outra sala por umas duas horas e estará liberado. Mas não esqueça que terá ainda deverá comparecer em juízo. 
      Rodrigo leu o papel que basicamente descrevia as cenas ocorridas no voo. Assinou, mas já sabia o que iria fazer para colocar em pratos limpos aquela situação do "digamos assim" aeromoço. Ao ser liberado iria diretamente a uma loja comprar algumas roupas. O Carlinhos iria ver só. 
     Mais de duas horas depois foi liberado, entretanto, ainda ouviu uma última frase de outro policial: 
     - Cidadão, não vai fazer besteira.
     Rodrigo respondeu automaticamente:     
     - Pode deixar... foi apenas um mal entendido.
     Rodrigo ao deixar aquela sala começou a refletir. Será que eles desconfiavam de alguma coisa? Será que dei bandeira sobre o que vou fazer? Não... Impossível. O plano é perfeito. 
     Ao sair do aeroporto, Rodrigo foi direto ao primeiro shopping que encontrou. Procurou a loja mais chique do shopping e começou olhar algumas roupas. A atendente da loja muito solicita se aproximou e perguntou:
     - Está procurando alguma coisa em especial? 
     - Sim.
     - Posso lhe ajudar?
      - Claro. Gostei muito daquele conjunto ali. Você tem tamanho G.
     - Não sei... Mas senhor.
     Rodrigo logo percebeu a confusão que se estabelecia na cabeça daquela atendente. E esclareceu logo a situação. Pelo menos para manter a aparência das coisas:
     - A senhora entendeu mal. Não se preocupe é para minha esposa.
     - Por um momento cheguei a pensar que era para o senhor.
     A atendente deu uma risada aliviada. Rodrigo por seu lado sorriu discretamente. Seu plano começava a tomar forma. Carlinhos ia ver só.
     Depois Rodrigo foi procurar um hotel. Tinha que ser próximo ao aeroporto. Logo achou o hotel ideal. Depois de registrar-se, foi logo para o quarto e fez uma pesquisa básica na internet sobre os próximo voos vindo da França. Rodrigo, ainda, pesquisou sobre os horários dos voos, sobre quais são os intervalos mínimos que devem ser respeitados por cada tripulação entre voos. Rodrigo tornou-se, em poucos minutos, um especialista em direitos dos trabalhadores no setor da aviação. Rodrigo mais uma vez agradeceu ao "Deus" google. Após toda esta pesquisa, Rodrigo calculou que na próxima sexta-feira, Carlinhos faria o voo 5578 Paris-Rio. E então o seu plano seria posto em prática. Agora era treinar para convencer.
     Finalmente, chegou a sexta-feira. Era o grande dia. Rodrigo se prepara com todo o cuidado, pensou em todos os detalhes. Mas teria que fazer o primeiro teste valendo. Treinou muito na frente do espelho, mas era tempo de testar na vida real. Iria falar com o atendente da portaria do hotel. Rodrigo deixa seu quarto, entra no elevador, admira-se no espelho, preparava a voz e,, após sair do elevador pergunta ao atendente: 
     - Por favor onde tem um ponto de táxi? Preciso ir ao aeroporto.
     - Senhora o ponto fica na próxima esquina. Se quiser posso chamar um táxi
     - Não, vou caminhando. Muito obrigada.
     O atendente vê aquela mulher saindo. Pensa. Muito estranho, não lembro dela se registrando aqui. Eu iria perceber esta mulher diferenciada. Ao olhar para a mulher caminhando daquele jeito estranho, que mais parecia... um homem, espera aí este é o cara que se hospedou no 701. Cruz credo. O que está havendo com este hotel?
     Rodrigo sai caminhando de forma pouco convencional para dizer o mínimo. Estava montado como dizem a Drags. Mas era por uma boa causa. Iria desvendar aquele mistério. Chegando no ponto de táxi entra no primeiro da fila e pede para ir até o aeroporto.
     O motorista ao olhar pelo retrovisor achou aquela mulher bonita, mas tinha algo estranho, um certo mistério. Não sabia o que era, mas pouco importava. Mais uma corrida curta. O dia não era bom. Pelo menos tinha uma bonita mulher no seu táxi.  
     - Senhora, chegamos. A corrida ficou em 15 reais.
     Rodrigo, pegou a carteira e logo percebeu a primeira falha do seu plano. A carteira era de homem.
     O taxista pergunta:
     Desculpe a indiscrição, mas qual a sua graça?
     Rodrigo não havia pensado em um nome. Outra falha no plano. Não sabia que nome dizer, falou o primeiro nome que lhe veio na cabeça.
     - Meu nome é Rogéria. Pode ficar com o troco. E desce do táxi com alguma elegância. Parecia que começava a pegar o jeito. Era só dar uma pequena rebolada...
     Ao dar os primeiros passos o coração de Rodrigo começa a acelerar. As pernas começam a tremer, mas agora não tinha como recuar. Rodrigo, ou melhor, Rogéria anda com alguma desenvoltura e parece que todos os homens estão observando o seu caminhar, chegam até a virar o rosto. Mas ele não podia perder o foco. Concentrou-se ainda mais e continuou a caminhar em direção ao desembarque internacional. Era só questão de tempo para começar a parte mais importante do plano. Alguns longos minutos se passam e os passageiros do voo 5578 Paris-Rio começam a descer. Muitos minutos depois aparecem os primeiros membros da tripulação. E ao final vem quem ele tanta esperava. Carla ou Carlinhos, o plano enfim seria colocado em prática. Por sorte, ela caminha sozinha ou seria sozinho, pouco importa. Era o momento, não poderia recuar, iria abordar o Carlinhos. O coração bate descompassado.
     - Perdão, estou perdida. Espero um parente que não desceu do voo. Ele vinha no mesmo voo que a senhora trabalhou, o voo dele era o 5578 procedente de Paris, o nome dele é Carlos Moreira. Por um acaso a senhora poderia me ajudar.
     Aquela bela aeromoça não entendeu o nome proferido e questiona:
     - Não entendi o nome que a senhora falou.
     Rodrigo sorriu por dentro. Pensou, claro o nome que eu disse é o teu nome, mas respondeu com uma voz ainda mais envolvente:
     - Perfeitamente. Eu estou esperando Carlos Moreira, será que a senhora sabe se ele veio neste voo.
     A aeromoça imaginou que era uma brincadeira. Mas não revelou nenhuma reação e apenas respondeu:
     - Este tipo de informação não temos acesso, a senhora deve  procurar o balcão da companhia. E começou a caminhar em direção da saída.
     Rodrigo sentiu que Carla, ou melhor, Carlinhos havia titubeado quando ouvi aquele nome... Carlos Moreira.
     - Desculpe-me, só mais uma pergunta.
     A aeromoça se vira e encara aquela elegante mulher.
     Rodrigo olha nos olhos de Carlinhos e fala:
     - Por quê?
     - Por que o quê?
     - Por que você me fez passar por aquele vexame no voo de ida à França? Fui preso, a Polícia disse que na verdade fui detido, mas eu acho que fui preso mesmo. Te pergunto, por que não me disse quem você é, queria apenas confirmar que teu nome é Carlos Moreira, nada mais.
     - Como assim? Você é o Rodrigo? Aquele louco passageiro do voo de ida à França
     - Então tu me conhece?
     - Vamos fazer o seguinte. Quem sabe conversamos enquanto tomamos um café na praça de alimentação? Aceita?
     - Claro. É o que mais quero.
     Então aquelas duas mulheres se dirigem à praça de alimentação. Parecem duas amigas de infância. Sentam e pedem dois cafés. Enfim, a conversa é iniciada.
     - Rodrigo. Tenho que te dizer que o Carlos Moreira morreu faz uns 15 anos. O que mais tu quer saber?
     Rodrigo tenta esconder sua surpresa e pergunta:
     - Esta morte que você fala é no sentido figurado?
     - Mais ou menos.
     - Você pode ser mais clara?
     - Antes de qualquer coisa Rodrigo, posso te fazer uma pergunta? É estranho te chamar com o teu nome, se tu está vestida de mulher.
     Rodrigo não poderia perder a oportunidade, era o momento de colocar os pingos nos "is":
     - Agora tu entende o que senti no voo, como foi estranho ver um colega de colégio vestido de mulher. Mas deixa para lá e pergunte o que tu quiser.
     Carla olha Rodrigo dos pés a cabeça e pergunta:
     - Como tu se sente vestida de mulher?
     - É estranho, mas confesso que me sinto muito bem, parece que esta roupa faz parte de mim, sinto que sempre quis me vestir de mulher. Mas nunca tive coragem e ao te ver no avião este meu desejo se revelou mais forte em mim, talvez por isso tenha me descontrolado tanto.
     Então Carla falou com um ar professoral:
     - Vou te explicar o que tu está sentido. Já ouviu falar em crossdresses? Parece que é o que tu gosta, simples assim. O que aconteceu no avião foi o estopim para a tua liberação. É o que sinto ao te ver assim, vestida de mulher e com toda esta desenvoltura. O termo crossdresses foi importado dos Estados Unidos para o Brasil mais ou menos em 1997 e numa tradução livre significa "vestir-se ao contrário". Nos Estados Unidos e Europa este termo é muito usado e ajuda a diferenciar a fantasia de usar roupas do sexo oposto das opções sexuais de cada um.
     - Espera um pouco. Me vesti de mulher para descobrir quem tu é. Minha intenção era confirmar que tu estudou comigo e que teu nome é Carlos Moreira. Só isso. Não gosto de me vestir de mulher, é a primeira vez que faço e era para descobrir quem tu é realmente.
     - Bem, mas antes tu falou que estava gostando de vestir-se de mulher. Mas vamos esclarecer logo a situação, vou te mostrar meus documentos. 
     - Carlinhos...aqui não. Estamos em um lugar público. Não fica bem, podemos ser presos ou seria detidos, presas ou detidas...
     A aeromoça abre a bolsa e retira o seu documento de identidade.
     - Dá uma olhada aí no meu documento e tire as tuas dúvidas. Lê o nome e os demais dados. Talvez você acredite...
     Rodrigo olha aquele documento onde consta o nome... Carla Moreira Loureiro, sexo feminino, nascida em Bacabal, data de nascimento 20 de outubro de 1975. Ele não entendia mais nada, mas ainda teve forças para balbuciar:
     - No avião no meio da confusão tu disse que nem conhecia Bacabal e que sempre morou em Brasília...
     - É verdade, apenas nasci em Bacabal e fui registrada lá, mas sai com poucos dias para morar em Brasília. Sou irmã do Carlos Moreira, mas como te disse antes ele morreu faz mais ou menos 15 anos. Desculpe te falar assim, mas tenho que ser sincera.
     - Então confundi as coisas. Mas tu é muito parecida com o Carlos, claro vocês eram irmãos...
     - Desculpa, acho que já esclarecemos as coisas, agora tenho que ir embora meu marido está chegando e casualmente ele é o piloto e fazemos sempre parte da mesma tripulação, trabalhamos juntos.
     - Carla, espera um pouco. No teu documento não consta a averbação de casamento nenhum...
     - Tu é muito observador, ou melhor, observadora. Me diz uma coisa que nome te chamo? Acho que não fica bem te chamar de Rodrigo com estas roupas de mulher.
     - Pode me chamar de Rogéria. Mas me diz por que não consta a averbação do casamento na tua identidade.
     - Simples, Rogéria. Nos casamos em Buenos Aires. E Não é possível averbar casamento realizado no exterior. Me desculpe, mas tenho que ir mesmo. Estamos muito cansados. Tchau.
     Rogéria levanta e vai em direção ao saguão, mas uma palavra não saia da sua cabeça, crossdressers. Será que ele era um destes caras. Iria vestido de mulher até o hotel e depois decidiria o que faria. Uma coisa era certa ele estava gostando muito de se vestir de mulher. 
     No outro lado da praça de alimentação, Carla e o piloto se beijam e conversam sobre o encontro daquelas duas mulheres:
     - Otávio tu não vai acreditar, aquela mulher é o Rodrigo, o homem que fez o escândalo no voo de ida para a França.
     - Mas ele estava vestido de mulher. Não era uma mulher? Não estou entendendo mais nada.
     - Otávio, logo tu com estes preconceitos. Às vezes parece que não te conhece direito. Depois de tudo que passamos.
     Neste momento Carla dá um pigarro e emposta a voz novamente. Sempre tem estes deslizes na voz quando algo fora do normal é vivenciado. O dois se beijam e se olham com cumplicidade. A história dos dois é cheia de cumplicidade. Talvez esteja começando uma nova história, desta vez sendo escrita por Rodrigo ou seria Rogéria...

Trilha sonora
Un Millon De Años Luz - Soda Stereo - Cancion Animal
Don't Answer Me - The Alan Parsons Project - The Ultimate Collection (Disc 2)
Cancion Animal - Soda Stereo - Cancion Animal
Rondó do Capitão - Secos & Molhados - Coletânea
A Saucerful Of Secrets - Pink Floyd - A Saucerful Of Secrets
Another Harry's Bar - Jethro Tull - Roots to Branches
(En) El Septimo Dia - Soda Stereo - Cancion Animal
Have You Never Been Mellow - Olivia Newton-John - Rock 70´s
I Got You Babe - Sonny & Cher - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Humble Me - Norah Jones - Feels Like Home
Captain Fingers - Lee Ritenour - The Best Of Lee Ritenour
Sing For Absolution - Muse - Absolution Tour
Summer Rain - U2 - 7
Flip The Switch (Clean Version) - The Rolling Stones - More For Promotional Use Only
Love Is Blindness - U2 - Achtung Baby
Everything's Not Lost - Coldplay - Live 2003
Tomorrow (Common Ground Remix) - U2 - October (2008 Bonus)
1990 - Soda Stereo - Cancion Animal
Sueles Dejarme Solo  - Soda Stereo - Cancion Animal
De Musica Ligera - Soda Stereo - Cancion Animal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…