Pular para o conteúdo principal

A Aeromoça

     Os preparativos para o voo transcorriam normalmente. Na aeronave apenas dois lugares vazios. Naquela fileira de três poltronas estava sentado um solitário Rodrigo. A aeromoça começa a demonstrar os procedimentos em caso de alguma emergência. Rodrigo fica a olhar o horizonte, preparando-se para mais uma longa viagem. Neste instante Rodrigo resolve prestar atenção na aeromoça. E para sua surpresa, reconhece-a como um ex-colega de aula. Isso mesmo, era o Carlinhos. Mas ele está com uniforme de AEROMOÇA... Como? Ele é homem! Pelo menos era. Rodrigo, agora absolutamente surpreso fixa os olhos na aeromoça, ou seria, aeromoço. Não entendia mais nada.
     O voo seria longo, afinal, era uma viagem transcontinental. Haveria muito tempo para esclarecer aquela história. A primeira hora transcorreu normalmente. Mas Rodrigo ficara pensando no Carlinhos e em como ele havia se transformado numa AEROMOÇA. Este mundo é muito louco. Ou melhor, está evoluindo. Já convivemos com a diversidade. Será?
     Rodrigo não se conteve e se deslocou até o fundo da aeronave para retirar a dúvida. E se dirigiu à aeromoça:
     - Boa noite. Tenho uma pergunta para lhe fazer.
     Para surpresa de Rodrigo ouve uma voz macia, suave e aconchegante:
     - Sim. O senhor deseja alguma coisa?
     - Desejo. Qual o seu nome? Não estou vendo o seu crachá.
     - Ai que descuido meu. Está aqui no bolso.
     Retira do bolso um pequeno, mas reluzente crachá onde se podia ler Comissária Carla. Mesmo assim ela pronunciou suavemente:
     - Meu nome é Carla. Em que posso servi-lo?
     - Olha, desculpe a intromissão, mas preciso saber em que colégio você estudou.
     Neste momento acedem as luzes indicativas de turbulência e o comandante pede que todos afivelem os cintos.
     - Desculpe-me, mas o senhor tem que se dirigir ao seu assento. Estamos em zona de turbulência e são regras internacionais de segurança.
     E foi logo indicando o corredor. Deu um pequeno empurrão em Rodrigo que fazia menção em continuar ali. Então, sem alternativa, Rodrigo dirigiu-se ao seu assento. Mas ficou a pensar "com certeza era o Carlinhos". Uma mulher não empurra daquela forma tão "assertiva", para dizer o mínimo.
     Longos minutos se passaram e Rodrigo teve a certeza que a turbulência fora das brabas. Tanto é que em certo momento ouviu uma voz tonitruante lá no fundo dizendo: "Meu deus nos ajude". Era uma voz de um timbre muito rouco. Lembrava um pouco a voz macia, suave e aconchegante da aeromoça... As duas vozes sendo da mesma pessoa... Será? Claro! Era uma voz de homem. Era a voz do Carlinhos.
     A turbulência, enfim, tinha passado. Rodrigo necessitava esclarecer aquela situação. Chamou a aeromoça. Ouviu novamente a voz  voz macia, suave e aconchegante:
     - Em que posso ser útil?
     - Me responda.
     - Responder o que, senhor?
     - Em que colégio você estudou?
     - Por regras da empresa não posso falar da minha vida pessoal, senhor. Desculpe-me.
     - Teu nome não é Carlos Moreira? Você não estudou no Jacinto Filho no ano de 1987, lá em Bacabal? Acho que fomos colegas.
     A aeromoça não mudou em nada a fisionomia e respondeu secamente:
     - Não! Virou as costas e caminhou para o fundo da aeronave.
     Rodrigo gritava mentalmente "É ele... é ele... é ele. Olha as mãos dele, o gogó, claro que é o Carlinhos. Mas porque ele não dizia a verdade? Estamos ou não estamos vivendo uma sociedade onde a diversidade é respeitada?" Rodrigo não se entregava, iria acabar logo com este mistério.
      Esperou passar mais algum tempo, levantou-se e, novamente, dirigiu-se ao fundo da aeronave. Já tinha tudo na cabeça, iria esclarecer aquela situação custasse o que custasse.
     - Carlinhos, me desculpa, mas eu estudei contigo. Só quero que tu confirme. Só isso. Peço novamente desculpas pela insistência, mas é só uma dúvida. Não tenho nenhum preconceito.
     - Já lhe disse que meu nome é Carla. E não tenho mais nenhum esclarecimento para fazer. Só para constar nem conheço Bacabal, sempre morei e estudei em Brasília. Nem poderia lhe dizer isso, mas o senhor parece um tanto nervoso.
     - Não estou nervoso, Carlinhos. Só não gosto de ser enganado. Mas te entendo, tu deve sofrer muito preconceito...
     - Como assim?
     - Nesta sua condição... A aeromoça não deixa Rodrigo completar a frase e se exalta um pouco.
     - Senhor, não ultrapasse os limites do aceitável. Não irei permitir.
     Num ato tresloucado, Rodrigo faz menção de colar a mão nas partes íntimas da aeromoça que grita e dá início a uma grande confusão. Alguns passageiros vendo o ocorrido agarram o descontrolado Rodrigo. Este grita desesperadamente: "Carlinhos é tu, Carlinhos é tu... eu sei... estudei contigo...". Rodrigo foi imobilizado, mas não parava de gritar e estava ficando violento. Se debatia e gritava "Ela é ele... Ela é ele".
     A confusão se instalou naquela aeronave não deixando outra alternativa ao comandante. Após consulta à torre de comando pousa no aeroporto mais próximo. Deixando um confuso e exaltado Rodrigo sob a custódia da Polícia Federal.
     O voo, após aquele incidente, continuou. Não foi um voo normal. A Aeromoça Carla com sua voz macia, suave e aconchegante era abordada constantemente. Todos, absolutamente, todos lhe davam apoio. Como uma mulher tão linda, elegante e com uma voz absolutamente feminina poderia ser confundida com um homem.
     Ao chegarem ao seu destino os passageiros desembarcam e observam a aeromoça que foi objeto daquela confusão e, mais uma vez, reafirmam a certeza que se tratava de uma bela mulher.
     Quando todos deixam o avião o comandante sai da cabine e fala com a aeromoça:
     - Carla, me conta o que aconteceu? Não entendi muito bem.
     E a aeromoça com sua voz macia, suave e aconchegante, com um leve sorriso no rosto responde:
     - O problema foi a turbulência, minha voz engasgou... Da próxima vez me avise com antecedência quando formos passar por uma zona de turbulência mais intensa. Tenho que me preparar...

Trilha sonora
Alabama - Why Lady Why - Rock 70´s
Bach: Concerto In A Minor For 4 Keyboards, BWV 1065 - 1. [Allegro] - Dave Grusin/Lee Ritenour - Two Worlds
Bad Love - Eric Clapton - Led Music
Call Me - Blondie - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Death Will Never Conquer - Coldplay - Singles
Earth Angel (Will You Be Mine) - The Penguins - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Your Song - Elton John -  Rock 70´s
Father Bach - Focus - Mother Focus
Good Times - Chic - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Let It Rain - Eric Clapton - Greatest Hits - Vol I
Letter From Home - Pat Metheny Group - Letter From Home
A Little Bit Of This And A Little - Lee Ritenour - The Best Of Lee Ritenour
Locomotive - Guns N' Roses - Use Your Illusion II
Nights on broadway - Bee Gees - The very best of the Bee Gees
October - U2 - October (2008 Remaster)
Opposites - Eric Clapton - Led Music
Outside the Wall - Pink Floyd - The Wall - Disc II
Overdue - Muse - Showbiz
The Sky Is Crying - Have You Ever Loved A Woman - Rambling On My Mind -Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Sorry Seems to Be the Hardest Word (with Blue) - Elton John - Greatest Hits 1970-2002 (Disc 2)
Tears In Heaven - Eric Clapton - Greatest Hits - Vol II
What It Is About Men - Amy Winehouse - Frank
07 - Coldplay - Lovers In Japan (Osaka Sun Mix) - Vários Artistas - EP's
12 segundos de oscuridad Vitor Ramil + Marcos Suzano - Satolep - Sambatown

Comentários

  1. Oi Led!
    Um 2012 sensacional para vc e sua companheira de vida e de aventuras.

    Abraçãoooooooo. Lis

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…