Pular para o conteúdo principal

A faxina

     Hoje, enfim, o ano começa para mim. Estou de volta ao lar. E como todo começo de ano resolvi fazer uma pequena faxina nas minhas coisas. É surpreendente como vamos acumulando coisas inúteis no decorrer dos anos que pensamos serem úteis em algum momento futuro e nunca são mais utilizados. No final das contas esta é uma forma de egoísmo. Não queremos compartilhar, queremos apenas acumular. Hoje olhando para as sacolas que retirei do quarto me questionei por que somos assim.  Ou melhor por que sou assim? Sinceramente não sei, mas estou mudando, necessito mudar, o mundo necessita mudar. Não dá para continuar do jeito que está. As coisas que estão naquelas sacolas poderiam ser úteis para alguém, mas o meu egoísmo não permitiu.
     Ao final da tal faxina me senti melhor, me senti me desapegando a estas coisas materiais. A matéria que importa é o nosso corpo. Este estando bem o resto é apenas o resto. Olho ao meu redor e vejo muita coisa sem importância. Nesta recente viagem que fiz vi pessoas que vivem absolutamente felizes com quase nada materialmente. Não se importam com o ter, mas sim com o ser. A sociedade que estamos inseridos subverteu a ordem das coisas. Atualmente o que importa é o ter, deixando de lado o ser. O consumismo é a tônica da nossa sociedade. Consumir para fazer a economia crescer é o mantra deste capitalismo desenfreado. Claro que é bom consumir, afinal trabalhamos para satisfazer nossas necessidades. Entretanto, tudo que temos é fruto desta necessidade ou estamos apenas fazendo o que os mentores desta economia de escala querem. Que mundo estamos deixando para nossos filhos? Que futuro estamos criando?
     É notório que a grande maioria dos produtos consumidos por nós são fabricados na R.P.C.. Alguém mais desavisado perguntará R.P.C. o que vem a ser isso? Simples, para não escancarar que o produto é feito na China colocam a abreviação de República Popular da China. Mas esta simples alteração de nomenclatura não altera a situação fática. Na China as condições de trabalho são quase escravagistas, o meio ambiente não é respeitado, os animais são usados para todo tipo de experiência, enfim, na China ou na R.P.C. não existem direitos a serem respeitados. O que importa é o lucro gerado. E isto não é por culpa dos Chineses, pois quem vai lá explorar a mão de obra são as empresas ocidentais. Apple, Sony, Montadoras de automóveis, fábricas de calçados, enfim, tudo, absolutamente tudo está sendo fabricado na China. E todos sabem ou deveriam saber que a China pode ser o começo do fim. Existem cidades Chinesas que em alguns dias simplesmente não se pode transitar pelas ruas tamanha é a poluição. Pode parecer meio alarmista, mas é assim que é. Vivemos num planeta único e as consequências dos nossos atos são sentidos por todos. Não vivemos isolados em nossas casas, protegidos em nossos quartos ou salas. Se não mudarmos o fim do ser humano é próximo. O planeta continuará como continuou em outros encerramentos de ciclos de vida. É verdade que ainda há tempo para mudar. Mas não podemos perder tempo, a mudança passa por cada um de nós. Eu começo a fazer a minha parte, talvez um pouco tarde, mas ainda em tempo... pelo menos assim espero.
     Estas férias me fizeram bem, voltei diferente daquele LedVenture que saiu. Os lugares porque passei me fizeram repensar muita coisa. Pessoas humildes e felizes com suas vidas, olhando o meio ambiente de forma diferente daquela que estamos acostumados a olhar.  Agora vejo tudo e todos de forma diferente, mais cuidadoso e amoroso. Desejo um ótimo ano para todos que por aqui passarem e lerem estas divagações de um homem que começa a deixar de olhar para de fato enxergar.

Ps.: Este ano novo começou com algumas novidades aqui no LedVenture. Primeiramente criei um blog de fotografias o ImagoLedVenture - totalmente voltado a arte da fotografia. Sou um fotógrafo iniciante, mas com uma paixão alucinante, por esta razão está no ar o ImagoLedVenture. A outra novidade é a LedVenture Rádio, uma "rádio" com algumas músicas que embalaram a escrita dos posts. Quem quiser acesse o player aí ao lado e curta o som...

Trilha sonora
A Saucerful Of Secrets - Pink Floyd - A Saucerful Of Secrets
Tired Of Being Alone - Al Green - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Love Is The Drug - Roxy Music - Rock 70´s
God Part II - U2 - Rattle And Hum
Almost Hear You Sigh (Promo Remix) - The Rolling Stones - More For Promotional Use Only
Wond'ring Aloud - Jethro Tull - Aqualung
Can't Find My Way Home - Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Reminiscing - Little River Band - Rock 70´s
Don't Stop (New Rock Remix) - The Rolling Stones - Four New Licks Promo CD
Intro - Muse - Absolution
Come On - The Rolling Stones Singles Collection - The London Years (Disc 1)
Philadelphia Freedom - Elton John - Greatest Hits 1970-2002 (Disc 1)
Pink Houses - John Cougar Mellencamp - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Something About the Way You Look Tonight - Elton John - Greatest Hits 1970-2002 (Disc 2)
Brown Sugar - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 3)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…