Pular para o conteúdo principal

As PPP´s, a sociedade e nós

     A tese do momento em muitas Administrações Públicas é a Parceria Público-Privada. Como nos anos noventa a tese hegemônica era a privatização pura e simples. Fico intrigado como nossos governantes aderem a teses mirabolantes sem ao menos questionar se aquela decisão irá influenciar positivamente o futuro da população. Aqui não faço nenhum juízo de valor, mas constato o quanto os administradores públicos são levados por modismos.
     A parceria público-privada, em tese, é uma ótima solução. Fui buscar no Wikipédia uma definição simples: parceria público-privada é quando o parceiro privado assume o compromisso de disponibilizar à administração pública ou à comunidade uma certa utilidade mensurável mediante a operação e manutenção de uma obra por ele previamente projetada, financiada e construída. Em contrapartida a uma remuneração periódica paga pelo Estado e vinculada ao seu desempenho no período de referência. Alguns exemplos de obras realizadas por PPPs são vagas prisionais, leitos hospitalares, energia elétrica, autoestradas dentre outras. (fonte Wikipédia).
     Seria uma solução perfeita se a prática não viesse a desmentir o que é perfeito no papel. Infelizmente o Estado paga preços exorbitantes e a população recebe serviços ou obras de qualidade duvidosa. E por que é assim?  Talvez porque ainda impere a ideia que o Estado é de ninguém. Não há  a figura do dono, aquele que cobra visto que o prejuízo doerá no seu bolso. No Estado os donos somos todos nós, mas não temos força para fiscalizar e cobrar daqueles que querem nos passar a perna. Na democracia delegamos esta função para aqueles que elegemos e estes deveriam fazer este papel de fiscalizar. Mas estes estão muitas vezes mais preocupados com o seu futuro e de sua família. Esta é a distorção do sistema. Ou seria do ser humano?
     O problema talvez não seja a sociedade, mas sim os componentes desta sociedade. Nós que não fiscalizamos nossos governantes, nós que votamos e esquecemos dos eleitos, nós que deixamos que outros façam por nós, enfim, nós que não assumimos nossas funções. Não há o que fazer. Temos que deixar de lado esta letargia e cobrarmos de todos os governantes. Só assim iremos mudar tudo que nos cerca. E aí não importa se a obra for PPP, privada ou pública. Irá ser erguida no prazo correto, no preço justo e pelo custo honesto. Mas para isto acontecer temos que sair da frente desta tela de computador e agirmos. Inclusive este blogueiro...

Trilha Sonora:
Ainda - Madredeus - Antologia
Viva A Nossa Vontade - Bandaliera - Ao Vivo
Cajun Moon - J.J. Cale - Best Of J.J. Cale
Oracle - Michael Hedges - The Best Of Michael Hedges
You Make Loving Fun - Fleetwood Mac - The Dance
A Festa Do Santo Reis - Tim Maia - Gold
Breakdown - Tom Petty & The Heartbreakers - Greatest Hits
Escravos Modernos - Garotos Da Rua -Hot 20
Up The Pool - Ian Anderson - Ian Anderson Plays The Orchestral Jethro Tull
Eu sei que te vou amar - Antônio Carlos Jobim - Inédito

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…