Pular para o conteúdo principal

Um olhar na janela

      Hoje como sempre faço, semana após semana, mês após mês, cheguei em casa e percebi na janela da casa ao lado um rosto. Um rosto triste, sem vida. Uma vida sem rosto. Olhos no nada a espera não sei de quê.
     Acionando o controle remoto da garagem, soltei o cinto de segurança e quis andar em direção daquele rosto sem expressão. Aguardando os segundos, enquanto subia o portão, continuei a olhar aqueles olhos tristes. Num flash lembrei dos dias que encontrei aquela mulher na mesma janela, apoiando os braços no mesmo parapeito, sempre protegida por grossas grades. Não sei de que aquelas grades a protegem. Talvez impeçam a entrada da vida naquele olhos. Tanta coisa passava na minha cabeça. Os carros cruzam a rua, os olhos da mulher acompanhava cada carro. Num momento nossos olhares se cruzaram. Pensei em conversar com com aquela mulher, porém era o momento de entrar na garagem. Mais uma vez deixei para depois.
     Ao descer até a garagem comecei a divagar sobre o porquê daquele olhar entristecido. Nem sei se estavam tristes. Realmente não sei. Comecei a pensar no porquê todos os dias aqueles olhos se distraem com coisas tão corriqueiras e sem aparente sentido. Quis ir até a rua e ficar olhando ao largo aquela mulher para tentar entendê-la. Mas se nem a mim entendo, como irei compreender alguém que não conheço e só vejo os olhos por detrás de grades de uma janela qualquer.
    Algumas horas se passaram, a vida continuou seu trote e diante desta tela de computador me lembro daquele olhar. Continuo a não entendê-lo. Não  consigo entender alguém que vive a deixar o tempo passar. Mas será que aquela mulher não é a mais feliz de todas? Será? Julgamos e condenamos aqueles que são diferentes das nossas certezas. Aqueles que ousam viver uma vida acomodada, uma vida sem sobressaltos. Estas pessoas de uma maneira ou de outra infringem as regras ditadas por uma sociedade incansável. Uma sociedade que só aceita quem pode produzir algo e que consumam cada vez mais. De novo volto ao mesmo tempo. É um tema que me assola. Um tema que insiste em rondar este blogueiro. Por que somos como somos? Por que insistimos em julgar os diferentes? Por que condenamos a diversidade?
     Volta e meia converso com um colega de trabalho sobre estes temas. Somos parecidos na nossa maneira de pensar. Apesar de nossas diferenças (que não são muitas, acho eu), sonhamos os mesmos sonhos, desejamos uma sociedade onde não haja espaço para a discriminação, seja ela qual for. Temos consciência que às vezes damos nossas escorregadelas e repetimos conceitos antigos e segregadores. Mas lutamos contra este agir segregador. Nos policiamos. Isso mesmo, temos que usar a razão para retirarmos do nosso dia a dia comportamentos ensinados desde sempre e repassados de geração para geração. Haverá o dia que simplesmente não nos policiaremos e seremos pessoas desprovidas de qualquer preconceito. Mas é uma luta diária.
     Voltando àquele rosto na janela gradeada. Me importo com aquele olhar, mas não para julgá-lo, condená-lo, questioná-lo ou quem sabe repreendê-lo, mas sim me preocupo se ele está ali por falta de opção. Só isso. Começarei a sorrir ao ver aqueles olhos, quem sabe os alegrarei. Ou então eles me mostrem o que devo fazer por eles. Ou talvez eles façam por mim... esta é a magia da vida.

Trilha Sonora:
Are You Going With Me? - Travels (Disc 1) - Pat Metheny Group
The Search - Pat Metheny Group - American Garage
Seems Like This - Azimuth - Azimuth
Your Blue Room - U2 - The B-Sides 1990-2000
Wake up alone - Amy Winehouse - Back to black
Piano Improvisations (California Jam Festival 1974) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
Too Old To Rock 'n' Roll, Too Young To Die - Jethro Tull - A Classic Case
Evil Ways - Santana - Classic Rock Gold Disc 1
Walk Away - The James Gang - Classic Rock - Gold Disc 1
Natale's Song - Sia - Colour the Small One
Nem Pensar - Kleiton & Kledir - Dois
Mas Alla (Beyond) - Pat Metheny Group - First Circle
I'm So Afraid - Fleetwood Mac - Fleetwood Mac
Focus III - Focus - Hocus Pocus: The Best Of Focus
Badfinger - No Matter What - Clássicos Rock 500
Tom Petty & the Heartbreakers - Breakdown - ClássicosRock 500
Let It Be - The Beatles - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
No Quarter - Led Zeppelin - Stairway Sessions
Start Me Up - The Rolling Stones - Tattoo You

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…