Pular para o conteúdo principal

Lições da Revista Olhe no Bandalheiraquistão

Por Iroslav Iranilum
     Bandalheiraquistão, 12 de maio de 2012.
     Estamos vivendo mais um escândalo. Desta vez envolve um grande veículo de comunicação.
     A Revista Olhe, conhecida por sua, digamos, veemência, tem como fonte um conhecido contraventor e não é só isso. A Revista Olhe que por muitos anos atacou governos, políticos, empresários e todos que praticavam algum malfeito, descobriu-se que estava a serviço do contraventor Little Carl Falls. Foi uma surpresa para toda a sociedade bandalheirense descobrir que a revista mais vendida no país era uma espécie de braço midiático da contravenção.
     Claro que a Olhe se apressou em dissociar a sua imagem com a do Little Carl Falls. Escreveu Editoriais negando que fosse usada pela contravenção, reportagens foram produzidas tentando explicar o inexplicável. Todos os articulistas de Olhe escreveram artigos justificando a postura da revista. Ao ler tais artigos pensamos que vivemos num mundo perfeito. Pena que os fatos não encontrem guarida neste mundo de faz de conta pintado pela Revista Olhe. Ter fonte um contraventor por si só já seria difícil entender, mas penso que relevaríamos, afinal, o Bandalheiraquistão é um país repleto de pessoas compreensivas. Mas representar e defender os interesses de um contraventor é demais até para uma país como o Bandalheiraquistão. Somos um povo compreensivo, mas não somos burros. Até um político foi alçado à categoria de santo. Mas descobrimos que este político também estava a serviço do mesmo Little Carl Falls.
     Nestes últimos dias todos foram folhear as edições anteriores de Olhe. E a aura de isenção e imparcialidade da revista caiu por terra. O jornalismo ético deu lugar a um jornalismo mal cheiroso. Descobrimos da forma mais dura que a imprensa tem lado, pelo menos a Revista Olhe tem. Muitos já desconfiavam, alguns tinham certeza, mas agora os bandalheirenses têm certeza do lado de alguns veículos de imprensa. Ficou claro que a Revista Olhe estava fazendo o serviço sujo que exigia o Little Carl. Os escândalos "descobertos" pela Olhe eram ditados pelo contraventor para prejudicar algum concorrente ou para pressionar um comparsa.
     De outro lado uma grande rede de televisão, a Recordista, comandada pela Igreja Regional do Reino de Deus, aproveitou para atacar que sempre lhe atacou. Horas e horas de reportagens foram produzidas por esta emissora de televisão. Aqui estamos vivendo o pior dos mundos. O roto está falando do esfarrapado. E a população fica indignada em saber que está sendo informada, ou melhor, desinformada, por grupos midiáticos do calibre do Grupo Maio (controladora da Revista Olhe) e o grupo Recordista, comandada pela Igreja Regional do Reino de Deus.
     Como tudo na vida tem um lado bom. Este caso proporcionou um debate a respeito da imprensa bandalheirense. Há muito tempo se pensa num órgão regulador da imprensa, integrado por representantes da sociedade civil e dos veículos de imprensa. Mas sempre que se tocava neste assunto a imprensa estrilava que era uma forma dissimulada de censura. Nunca se imaginou em censurar, mas sim regular. O Bandalheiraquistão é um país traumatizado com a censura, vivemos anos de chumbo por isso tudo que lembra aqueles anos nos assusta. A mídia sabe muito bem lidar com este medo dos bandalheirenses. Por isso ao menor sinal de discussão sobre regulação ou então um conselho da imprensa, páginas e mais páginas são escritas sobre censura. Ao ler as reportagens cheias da palavra censura todos no Bandalheiraquistão não apoiavam a criação dos conselhos de regulamentação da imprensa, afinal, ninguém queria a volta da censura.
     Mas a partir deste escândalo do Little Carl Falls e as relações promíscuas com a Revista Olhe muitos começam a rever posições. Começam a descobrir que é possível pensar por si e não repetir as opiniões dos "formadores de opinião". Talvez este novo escândalo do Bandalheiraquistão seja bom para o futuro do país. As máscaras finalmente começaram a cair.

Trilha Sonora:
Butterflies And Hurricanes - Muse - Absolution Tour
Fly By Night - Lee Ritenour - The Best Of Lee Ritenour
The Funky Avocado - Michael Hedges - The Best Of Michael Hedges
Breaking Through (Interview) - Emerson Lake And Palmer - Beyond In The Beginning
The Dream Theme - The Edge - Captive OST
Atrás do Tempo Perdido - Celso Blues Boy - Celso Blues Boy (VIVO)
Caixinha de Música do João - Secos & Molhados - Coletânea
Tell The Truth - Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Crossroads - Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Civil War - Guns N´ Roses -Greatest Hits
Old Man - Neil Young - Greatest Hits
One Vision - Queen - Greatest Hits II
Right Place - Roger Hodgson - Hai Hai

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…