Pular para o conteúdo principal

Paixões

     Quando sento para escrever quase nunca sei o que irá sair. Fico pensando sobre tantas coisas, tantos sentimentos. Hoje por exemplo sentei aqui apenas para passar o tempo. Mas ao mesmo tempo preciso visceralmente escrever. Quando estou muito feliz preciso escrever. Quando estou triste só penso em escrever. Escrever é uma forma de continuar vivendo, mesmo quando estou triste ou alegre. Hoje sei que escrevo para exorcizar alguns demônios. Escrever é uma paixão relativamente nova, como muitas outras na minha vida. Vivo a me apaixonar. Preciso me apaixonar, como a lua precisa do sol para brilhar.
     Apaixonar-se este é o mantra a ser entoado por todos que vivem esta vida, talvez seja este o tema a ser desenvolvido hoje. Ou não. De uns tempos para cá me descobri apaixonado pela escrita. Todos os dias sou surpreendido por uma paixão que invadiu minha vida e que não deixou nenhuma via de fuga. Por exemplo, agora deveria esta na estrada a procura de alguma paisagem perdida, mas estou aqui em frente a este computador, escrevendo simplesmente para deixar plasmado alguns sentimentos. Simples sentimentos, complexos sentimentos... Começa a tocar Valerie do grande Vitor Ramil, música perfeita quando se trata de sentimentos perdidos por aí. Às vezes me senti um pouco assim, perdido por aí. A escrita me permite achar-me e entender muitas coisas que estão dentro de mim. Escrever, talvez, seja uma forma de entender-me. Sempre fico a pensar por que escrevo, por que criar um blog para simplesmente deixar palavras soltas entre bytes e bits? Até hoje não sei, pouco importa, pois me sinto bem ao escrever. Me sinto bem pensando sobre a vida,  palavras, sentimentos ou paixões. Me sinto sendo revelado aos poucos, me sinto desnudado aos olhos de todos. Sinto que estou perdendo todas as proteções.
     Talvez seja a hora de atravessar pelo cabo de aço, sem qualquer tipo de rede de proteção. Me sinto cansado de olhar para baixo e ver a rede pronta para amparar qualquer tipo de queda. Quero arriscar-me, quero poder dizer que tentei. Esta é uma das consequências de escrever. Libertar-se de amarras, de medos, de inseguranças. Quando escrevo e revelo-me, é como retirar um pedaço daquela rede de proteção lá embaixo. Quero andar sem medo, sem receios e apenas viver...
     Se hoje pudesse fazer um agradecimento, diria às palavras muito obrigado, vocês exercem um papel crucial na vida deste blogueiro. Nem sempre foi assim. Nos anos de colégio não tinha muito interesse em escrever, mas tinha (e ainda hoje tenho) uma grande paixão pela leitura. Ler é um hábito que carrego deste todos os tempos. Minhas primeiras lembranças me remetem a leitura, seja por mim ou de pessoas próximas a mim. Esta é a magia da escrita, talvez comece pela alegria da leitura.
     Este post é resultado de dois dias. Dias diferentes. Momentos diferentes. Num deles estava completamente envolvido e estava esperando para sair e fotografar (alimentar o outro blog deste blogueiro neófito - ImagoLedVenture). Não há como explicar o que estava sentido, mas estava sentido o quanto é bom viver e simplesmente amar. E hoje ao terminar este post, percebo que não é possível viver sem entender o amor que envolve a todos nós nesta vida. Só tenho a agradecer às minhas paixões. Todas sabem que não vivo sem elas...

Trilha Sonora:
Rock Bottom - Kiss - Led Music
Um pouco antes de dormir - Pata de Elefante - Na Cidade
New Year's Day (Ferry Corsten Extended Vocal Mix) - U2 - War (2008 Bonus CD)
Tulsa Time - Eric Clapton - Crossroads 2: Live In The Seventies
Valérie - Vitor Ramil - Tambong
Monday Morning - Fleetwood Mac - Rock 70´s
Ring Of Fire - Johnny Cash - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
You Won't Be There - Alan Parsons Project - The Ultimate Collection Disc 1
Cenary In A Coalmine - The Police - The Police
Tanto Faz - Ed Motta - Piquenique
World - Bee Gees - The very best of the Bee Gees
Mercedes Benz (Live) - Concrete Blonde - Recollection
The Rolling Stones - Tumbling Dice - Clássicos Rock 500

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…