Pular para o conteúdo principal

Reflexão em uma noite fria.

     Não há nada mais intenso do que o cotidiano.
     Isso mesmo. Acordamos todos os dias e fazemos basicamente as mesmas coisas, passamos pelos mesmos lugares, falamos com as mesmas pessoas, sempre tudo muito igual.
     Mas de uma hora para outra, num cruzamento qualquer ou numa sinaleira pelo caminho olhamos o diferente. E aí tudo a nossa volta se modifica. O que é isso? Só pode ser o encanto do cotidiano se revelando aos nossos olhos. Às vezes aquela imagem que nos surpreendeu sempre está ali, mas como estamos assoberbados deixamos de olhar com os olhos de ver, com os olhos de sentir, com os olhos de acreditar que pode ser diferente.
     Por que escrevo sobre isso. Não sei, talvez seja porque não tenho nada mais para escrever, talvez esteja fantasiando o cotidiano enfadonho de todos nós. Talvez, talvez e talvez. Mas pense no seu cotidiano. Pense em tudo com o que você cruza todos os dias. Perceba que muita coisa é deixada de lado. Repare que passamos por cima dos detalhes que seriam os diferenciais do nosso dia.
     E quando estes detalhes deixam de lado a coadjuvação e passam a ocupar o papel principal em nossas vidas? De uma hora para outra nos vemos num novo enredo para nossas vidas, onde os papeis são ocupados por novos atores e atrizes. É estranho quando isso acontece num filme, imagine quando este enredo deixa as telas de algum cinema e passam a fazer parte da sua vida.
      Teve uma época da minha vida que eu dizia mais ou menos assim: "puxa, sempre morei no mesmo bairro, morei em três ruas, separados no máximo por um quilômetro. Tô cansado de morar sempre nestas mesmas ruas, cruzar pelas mesmas pessoas e viver estas mesmas experiências!" E de uma hora para outra troquei de cidade, de emprego, amigos, enfim, minha vida mudou 180 graus. Pensei que aquela era mudança de uma vida. Que viveria naquela nova cidade por mais alguns anos, uma cidade pequena e aprazível. Mas aí a vida se mostra novamente diversa das expectativas e se enche de novos detalhes. Mais uma mudança repentina e radical. Mudei de cidade, de colegas, amigos, clima, sai de uma cidade de pouco mais de oito mil habitantes para uma cidade de mais de 500 mil habitantes. Tudo mudou a minha volta, inclusive eu. Faço este relato um tanto pessoal demais, para enfatizar que de uma hora para outra tudo pode e vai mudar. Devemos estar preparados para sair de uma vida normal e sem surpresas para entrar numa vida nova a cada esquina.
     Hoje quero apenas alertar que sua vida muda a todo instante. Prepara-se para a mudança, pois ela virá dia menos dia. Se você der as costas para a mudança, ela em outro momento surgirá e não pedirá licença, apenas surgirá e revolverá sua vida. Você tem duas escolhas ou encarar de frente e arriscar ser feliz na mudança ou simplesmente ser levado numa espécie turbilhão sem escolhas ou refúgios.

Trilha Sonora:
Mompou: Suite Compostelana - Cuna - Two Worlds - Dave Grusin/Lee Ritenour

Uma única música que sintetiza tudo que queria escrever hoje... Se você quiser ouvi-la, acione o play da LedVenture Rádio e ouça a primeira música. Vale a pena. É linda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…