Pular para o conteúdo principal

Lucas e Marina em 2052

     Marina e Lucas se conheceram na internet. Fazia muito tempo. A internet ainda era discada e tinha um ruido estranho. Aquele foi o primeiro som do amor de Marina e Lucas. Agora já faz 50 anos de casamento, muitas músicas marcaram aquele amor. Um casamento que começou pelas ondas virtuais. Os dois velhinhos viajaram até o lugar que marcou suas vidas.
     - Não consigo acreditar que faz tanto tempo que nos conhecemos Lucas.
     - Por que não entende? Só tem uma coisa que me intriga. Como um amor tão intenso pode ter começado na internet. Agora aquilo que era o conhecido como mundo virtual é o que domina a vida real. Não há mais a interação entre as pessoas. Elas apenas se relacionam pelo virtual. Vivem atrás destas telas espalhadas em todos os lugares.
     - É. O tempo passou. Mas o nosso amor ficou mais forte. Tivemos muitas crises. Não conheci nenhuma relação que não tivesse suas crises.
     Os dois velhinhos se olham com grande cumplicidade. Marina pergunta se Lucas tomou o seu remédio para pressão e ele sorri dizendo que sim. Continuam aquela conversa sobre o amor de uma vida.
     - Marina, alguma vez tu sentiu que nosso amor fraquejou?
     - Como assim?
     - Isso que tu ouviu. Alguma vez tu sentiu que nossa relação não iria continuar? Ou tu sentiu vontade de jogar tudo para o alto e seguir o teu caminho, mesmo que fosse longe de mim?
     -  Em duas ocasiões eu achei que iríamos seguir caminhos diversos. Tu sempre foi muito estranho. Tu tinha rompantes. Acho que era em função deste teu signo instável.
     - Marininha nem depois de velha tu larga esta história de signos. Astral é tudo enganação para vender livros e revistas.
     - E eu digo que nem depois de velho tu percebe que o astral comanda, ou melhor, influencia nossa vida. Deixa que a idade te ensine alguma coisa Lucas. Ainda há tempo para aprender...
     - Se não aprendi até agora, não é aos oitenta que vou aprender.
     - Tu era um jovem teimoso e agora é um velho rabugento e teimoso. Mas te amo como no nosso primeiro encontro. E lá se passaram 52 anos. Hoje estamos comemorando 50 anos de casados...
     - Marina. Tu disse que em duas ocasiões tu pensou em seguir caminhos diversos. Por quê?
     - Faz muito tempo. Mas me lembro como se fosse hoje. Numa das tantas mudanças que tivemos, fomos para uma cidade muito pequena no interior de Minas Gerais. E lá tu ficou diferente. Acho que se envolveu muito com o teu trabalho. Eu parecia que não tinha mais espaço naquela sua nova vida. Cheguei a comprar as passagens de volta para a minha cidade natal. Escondida de ti eu até arrumei as malas. Mas numa noite antes de partir, não sei porquê, tu me levou um grande buquê de flores vermelhas. Nunca me disse o motivo. Só deu um sorriso e me entregou aquelas flores. Lembro como se fosse hoje. Nem cartão escreveu. Sorriu, me deu um longo beijo e entregou as flores. Naquele instante o meu amor por ti, sem explicação alguma, fortificou. Não foram as flores, mas o teu sorriso. Aquele sorriso que sempre esteve presente no nosso amor. Naquele dia eu percebi a verdadeira dimensão do que sentia por ti.
     - Marina tu sempre me perguntou o porquê daquelas flores. E eu nunca te disse. Acho que hoje é chegado o momento para te dizer. Te dei aquelas flores por intuição. Não sei explicar, mas algo dentro de mim gritava para te dar aquelas flores. Nunca entendi o porquê te dei aquelas flores. Hoje começo a entender.
     - E tu insiste em dizer que não acredita no astral. Claro que foi a egrégora. Tudo conspirava para que tu desse aquelas flores para que ficássemos juntos. E ainda por cima colocou aquele sorriso nos teu lábios.
    - Deixa de falar besteira Marina. Agora me conta qual foi a outra vez que tu queria jogar tudo para o alto.
    - Lucas, meu velho. Aquele momento das nossas vidas eu não quero lembrar. Tu sabe muito bem o que me motivou a querer sair da tua vida. Foi muito marcante para nós e não quero lembrar. Muito menos verbalizar, mas tu sabe do que se trata e porque nos marcou tanto.
     - Sei que foi o momento mais difícil de nossas vidas. Mas também é verdade que nosso amor se fortaleceu. Não sei se chegaríamos até aqui sem passar por aquela prova. Ou melhor, só chegamos até aqui porque vivemos e ultrapassamos o maior desafio que um amor pode suportar...
     - Sempre ficou entre nós aquilo que vivemos. Até hoje. Mas o engraçado que o meu amor por ti nunca diminui. Nem na mais forte tormenta. Nem no mais intenso sofrimento. Lucas te amo como no primeiro encontro. Naquele dia eu tive certeza que ficaríamos juntos para sempre.
     - Marina. Tu foi e é o que de melhor eu tenho nesta vida. E quando imaginei que poderia te perder eu me via morrendo... Não consigo imaginar em não viver ao teu lado. Errei muito nesta vida, errei contigo, errei comigo, mas nunca errei conscientemente. Este talvez seja o meu melhor resumo.
     - Acho que aprendemos com nossos erros. Este é o significado do nosso amor. Aprender todos os dias a se respeitar, a entender o outro, a perceber que o outro, às vezes, precisa estar sozinho, mas também que precisamos estar juntos. Hoje, aqui neste lugar marcante para nós, estamos reafirmando este nosso amor. Sou muito emotiva e preciso te dizer que faria tudo de novo, da mesma forma, com os mesmos erros e acertos. Fui e sou muito feliz ao teu lado.
     - E eu faria somente uma coisa diferente nestes anos. Acreditaria no astral. Me diz uma coisa Marininha. Tu quer se casar comigo?
     - Meu velho eu me casaria contigo todos os dias da minha vida. Pena que só me casei contigo uma vez...
      Os dois, na igreja em que casaram, se olharam e se beijaram como fizeram cinquenta anos atrás...

Trilha Sonora:
I Robot - The Alan Parsons Project - I Robot
I Wouldn't Want To Be Like You - The Alan Parsons Project - I Robot
Some Other Time - The Alan Parsons Project - I Robot
Breakdown - The Alan Parsons Project - I Robot
Don't Let It Show - The Alan Parsons Project - I Robot
The Voice - The Alan Parsons Project - I Robot
Nucleus - The Alan Parsons Project - I Robot
Day After Day (The Show Must Go On) - The Alan Parsons Project - I Robot

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…