Pular para o conteúdo principal

Um Presídio de todos nós

Lauro Alves (Agência RBS)
     Hoje vi um vídeo feito no Presídio Central de Porto Alegre, Por dentro do Presídio Central. Na hora me lembrei do Expresso da Meia-Noite, filme de 1978 do diretor Alan Parker. O filme se passa numa prisão da Turquia, onde as condições de vida eram as mais degradantes possíveis. Sempre quando ouvia falar das condições das prisões brasileiras eu pensava cá com meus botões "é, mas nada se compara com a prisão retratada pelo Alan Parker. Aquilo sim era o inferno."
     Mas vi que o inferno está mais próximo do que podia imaginar. Para minha surpresa o inferno em forma de prisão não está escondido num país distante, está no nosso quintal, está sob os nossos olhos. É fruto da nossa indiferença. Isso mesmo, somos responsáveis por aquelas condições sub-humanas. Alguns dirão que os presos que lá estão merecem coisa muito pior. Este é o pensamento médio, muitos, no seu mais recôndito pensamento fazem coro à ideia de que preso deve sofrer e que não lhes devem ser dadas as mínimas condições de vida e se possível que morram na prisão.
     Não posso concordar com tão baixo pensamento. Não posso concordar que a sociedade dita moderna ainda produza sentimentos tão revanchistas e desprovidos de humanidade. Não podemos nos igualar ao bandido, somos produto da milhares de anos de evolução, deixamos na história a Lei de Talião. Pelo menos assim me parece. A sociedade não pode reproduzir a violência. Pelo contrário, deve combatê-la. A punição do infrator não outorga ao Estado o direito de matá-lo ou pior, mantê-lo numa espécie de calabouço.
     Se optamos por viver em sociedade, com alguns padrões de comportamento, isso requer que tratemos, por exemplo, os presidiários com humanidade. Devemos dar-lhes a oportunidade de recuperação, e se não se recuperarem que cumpram a pena que foi decidida pelo Poder Judiciário. Só isso. Mas não é o que vemos. Nossas prisões são a porta de entrada para o inferno. E quando estes presos saem da prisão - e devem sair, porque não há prisão perpétua no Brasil - estão prontos para se vingar da sociedade, pois passaram alguns anos sendo tratados da forma mais abjeta. Portanto, se o motivo da humanização do tratamento dado aos presos não convencer a sociedade, então, que se reflita que ao sair da prisão o ex-presidiário apenas reproduzirá o tratamento recebido. Se forem tratados como lixo irão buscar vingança... se forem tratados com humanidade, respeito, talvez não busquem vingar-se de todos nós, os ditos cidadãos de bem. Eu de minha parte, seja por formação familiar ou por formação intelectual tenho certeza que não existe outra forma de tratar os presos se não for com respeito à dignidade da pessoa humana. Mas se você não concorda, pense no amanhã e tenha a certeza que poderá encontrar um ex-presidiário pela frente e talvez ele não lhe veja com bons olhos.

Trilha sonora:
Hoje escrevi sem música, não havia clima para ouvir música depois de ver o que vi...

Comentários

  1. Concordo com teu ponto de vista. E acho que pode ser ainda pior.
    Talvez estas pessoas que estão presas tinham a vida aqui fora cercada de uma pobreza e falta de perspectivas que lembram a prisão, e sabem que quando sairem isto é o que as esperam.
    No filme citado um americano é preso em um país de terceiro mundo, sua perspectiva de vida era bem diferente dos seus companheiros de cela, a visão dele da cadeia é a mesma que a nossa vendo o Presídio Central.
    Não quero dizer aqui que só porque uma grande parte que está lá já veio da miséria, devem permanecer, e ainda piorá-la. Mas além de uma condição digna de vida dentro da cadeia, temos que melhorar aqui fora também, pois é daqui que eles partem.
    Mas são casos e casos dentro de uma prisão, não é só porque vive na miséria que vai virar bandido, vai da característica individual de cada um.
    PS: Gostei da sua trilha sonora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…