Pular para o conteúdo principal

O escrever...

     Escrever é uma tarefa que nunca se completa. Quem se arrisca nesta arte está sempre a procura da melhor construção frasal. Penso que qualquer escritor quer encontrar a melhor forma de transpor em palavras os mais variados sentimentos. Quando, enfim, se encerra o processo de formação de determinado texto, ao relê-lo percebemos que poderia ser escrito de maneira diversa. Quando o ato desta releitura é feito alguns dias depois, algumas vezes a vontade é de alterar todo o texto.
     Por que estou escrevendo sobre isso? Nem eu sei, talvez seja falta de assunto ou não. Mas na verdade senti necessidade de escrever sobre isso. Retomando o assunto deste post sem muito sentido, a resposta do porquê escrever sobre a tarefa da escrita me parece simples, pelo menos aos meus olhos. Na verdade quando releio os textos postados no LedVenture altero alguma coisa (alguns dos meus amigos detratores, dirão que tenho que escrever tudo de novo para enfim escrever um texto bom, mas dos amigos esperamos tudo...). E este fato sempre me despertou curiosidade em saber o porquê alterar textos escritos. Muitas explicações surgiram em mim.
     Escrever um blog exige bastante desprendimento, exige um certo entregar-se e revelar-se a todo momento. Não há espaço para a crítica contumaz, não há tempo para muito pensar, pois os blogs são dinâmicos. Os textos escritos não podem ficar numa espécie de limbo maturador a espera do momento certo da postagem. Não, muito antes pelo contrário, temos que escrever e escrever, deixar o sentimento fluir, reler uma vez e publicá-lo. Por isso não há espaço para aquele sentimento crítico do autor, pois caso contrário quase nada seria publicado.
     O texto depois de publicado adquire vida. É isto mesmo, por mais louco que pareça, a realidade é esta. Então, geralmente, deixo passar alguns dias entre a publicação do texto e esta releitura, penso que o texto está adquirindo o seu sentido e que ao relê-lo descobrirei este sentido. Muitas vezes quero fazer profundas alterações, mas tento descobrir que alteração o texto porventura pede. Aqui não me refiro aos erros de digitação, aí não tem o que fazer, tem que corrigir mesmo. Mas às vezes o texto pede uma nova escrita, seja por que não fui feliz na primeira versão (muitas vezes acontece isso, afinal sou um blogueiro/escritor neófito), seja porque a história exige um outro final ou mesmo outros detalhes. Mas estas alterações não são feitas de maneira simples e indolor. Vivo alguns dilemas - mesmo que não seja muito lido, ainda assim sou lido - então, fico me sentido como uma espécie de traidor do eventual leitor que passou os olhos no post publicado. Às vezes quero alterar profundamente o que foi originalmente publicado. Este conflito está diminuindo, porquanto agora altero quando o texto assim exige.
     Aprendi, após algum sofrimento, que a escrita é uma obra aberta e que por isso mesmo está sempre em construção.
     Tenho convicção que este texto não mudará o mundo que nos cerca e não tem qualquer importância em nossas vida, mas como este blog não tem muito sentindo mesmo e senti que era isso que deveria ser escrito hoje. Aliás, este texto não está sendo escrito por mim, sinto que ele é produto de todos os outros textos escritos até aqui. Que nenhum psiquiatra leia o que estou escrevendo aqui, pois talvez eu seja internado. Mas é o que sinto. Ou então é o que as letras sentem e eu apenas sou a forma encontrada por elas para dar forma a este sentimento das letras...

PS: Estes tempos escrevi que sou produto de todos os livros que li. E escrevo para dar uma nova forma aos livros que li até aqui... Acho que é isso mesmo. Não me lembro em qual post isso foi escrito, mas é isso que sinto...

Trilha sonora:
Knights Of Cydonia - Muse  - Black Holes And Revelations
Terapia De Amor Intensiva - Soda Stereo - Doble Vida
Take The Box (Seijis Buggin' Mix) - Amy Winehouse - Frank
How Sweet It Is (To Be Loved By You) - James Taylor - Greatest Hits
Harvest Moon - Neil Young - Greatest Hits
The Souls of Distortion - Joe Satriani - Is There Love in Space?
Karn Evil 9: 1st Impression Part 2 - Emerson, Lake & Palmer - Live At The Royal Albert Hall
You Could Be Mine  - Guns N´ Roses - Live Era '87-'93
Mama Áustria - Casseta & Planeta - Preto Com Um Buraco no Meio
Something About You - Boston - Rock 70´s
Juego De Seduccion - Soda Stereo - Ruido Blanco
End Of The World - Gary Moore - We Want Moore! (Digital Remaster)

Comentários

  1. Ledventure, também gosto de escrever e já percebi a mesma coisa que você, após algum tempo releio meus textos e aprendi que é melhor deixar como está.
    Tenho um blog de assuntos diversos onde praticamente só escrevo para mim mesmo, pois nunca fiz nenhuma divulgação,
    gostaria que você visitasse e fizesse um comentário.
    http://paulo-prado.zip.net
    e-mail pauloprado@folha.com.br
    Abs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…