Pular para o conteúdo principal

Mais um escândalo no Bandalheiraquistão

     Recebi um e-mail (reproduzido a seguir) do distante Bandalheiraquistão. Fiquei muito feliz em saber que sou lido naquele país. E mais feliz ainda porque agora o LedVenture tem o seu primeiro correspondente internacional. Para tentar entender o que se passa, leia antes: Bandalheiraquistão, um país distante de todos nós.

Prezado LedVenture.
Não conhecia o seu blog até o senhor escrever sobre o meu país. Isso mesmo, escrevo do distante Bandalheiraquistão. Em princípio me chamou a atenção um texto tão relacionado à realidade Bandalheirense, mesmo estando tão longe do meu país. Claro que lhe escapou alguns detalhes, o que pode ser creditado à distância do dia a dia. Depois de muito refletir gostaria de lhe fazer um pedido. Gostaria ser o correspondente do LedVenture aqui no Bandalheiraquistão. Não quero nenhum tipo de remuneração, mas só pelo diletantismo de mostrar como é, pelo menos para mim, este maravilhoso país. Como sou ousado, aliás como todos os Bandalheiranenses, lhe envio minha primeira contribuição para, se for da sua vontade ser publicado no seu blog, o primeiro que ousou se referir ao meu país.


Grato pela atenção, Iroslav Iranilum


Nota do LedVenture: Este mundo da internet realmente é surpreendente. Um leitor do distante Bandalheiraquistão acessou o blog. E mais interessante se dispôs a ser correspondente. Fico feliz e aguardo as contribuições do correspondente internacional de Iroslav Iranilum. Neste momento publico a primeira contribuição deste leitor/correspondente.


Por Iroslav Iranilum

     Tudo está na mesma aqui no Bandalheiraquistão. Mas as moscas são diferentes.
     Desta vez a política do nosso Bandalheira (esta é a forma carinhosa como nós moradores do Bandalheiraquistão chamamos o nosso país) pregou mais uma peça. Nesta semana fomos surpreendidos por um político que era considerado o baluarte da honestidade.
     Descóstenes Campanários sempre atuou de forma inclemente em relação aos seus adversários políticos. Pautava sua atuação política em três pilares: Ética, Respeito a Coisa Pública e Transparência. Não deixava pedra sobre pedra. Sempre era chamado para conceder entrevistas quando o tema era ética ou combate à corrupção. Recentemente foi chamado para prefaciar um livro sobre a Certidão Limpa, promovida pela Ordem dos DataVênia do Bandalheiraquistão. Descóstenes Campanários era ainda conhecido como um gigante da oposição. Bastou uma corriqueira investigação para descobrir o verdadeiro caráter deste político. De forma avassaladora o até então impoluto senhor foi revelado aos olhos dos Bandalheiranenses. Todos telejornais do país  reproduziram conversas de Descóstenes com um conhecido contraventor. Em apenas dois dias a carreira de um ilibado político esboroou-se. Desceu do patamar de baluarte para ocupar a posição de escroque.
      Nas rodas de conversas muitos Bandalheiranenses estranham que outros políticos não se pronunciaram, e quando se vêem forçados a tal pedem de forma constrangida uma investigação, desde que não seja profunda. Pelo contrário, solicitam uma investigação interna e se mostram satisfeitos com uma punição branda ao político Descóstenes. Outros políticos que também eram conhecidos pela imagem de éticos calaram-se. Muitos se perguntam o porquê. Os mais velhos, por isso mesmo mais experientes apenas riem e dizem que já viram este filme...
     Por outro lado surgem oportunistas que atacam o sistema político do Bandalheiraquistão. Outros pregam a volta dos militares (sim o Bandalheiraquistão já viveu sobre uma ditadura, e por incrível que pareça começou num Primeiro de Abril, mas esta é outra história). A democracia foi uma conquista de todos os Bandalheiranenses que ainda requer muita luta para ser mantida. O sistema democrático do Bandalheiraquistão não é perfeito, entretanto, não há espaço para qualquer outro sistema político. Isso não quer dizer que os Bandalheiranenses estão satisfeitos com a classe política do país, mesmo porque sabem que os políticos não vieram de outra galáxia. Uma parcela dos Bandalheiranenses têm a percepção do que deve ser feito. Primeiramente votar de forma consciente e depois uma cobrança diária e implacável daqueles que forem eleitos. É simples. Mas também sabem que há uma estrada longa para ser percorrida...
     Prezados leitores do Ledventure.blogspost.com, aqui no Bandalheiraquistão estamos em pleno processo eleitoral e quero de forma simples retratar tudo que acontece neste escondido país. Espero que o LedVenture me dê espaço para estes singelos relatos.
     Por fim cabe acrescentar que a democracia Bandalheirense é nova, estamos em meio a um processo de aprendizado, por isso nos últimos anos tantos escândalos surgiram. Não sei como é no Brasil, mas aqui é escândalo após escândalo. Por esta razão devemos nos esforçar para mudar tudo que nos cerca... A melhor forma de manter a nossa jovem democracia é a divulgação de tudo que acontece, por isso me propus ser uma espécie de correspondente do LedVenture aqui no Bandalheiraquistão. Até a próxima. Se é que vai existir a próxima, fico na dependência do LedVenture e dos leitores deste blog...

Comentários

  1. O Bandalheiraquistão é uma Republica, ou uma monarquia? Pois gostaria de candidatar-me ao cargo de vereador, já que nada sei, mas tenho imensa vontade de ganhar dinheiro e que pelo visto, são as condições primordiais para o cargo. Informo que não sou cantor, nem jogador de futebol, mas acho que sei contar piadas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…