Pular para o conteúdo principal

A Toriba de todos nós

     Um amiga que lê seguidamente este blog, vendo que publico contribuições de leitores, resolveu escrever. Me impressiono como esta necessidade de escrever é uma realidade. Lembro que no outro século os arautos do fim do mundo diziam que a internet iria acabar com a palavra escrita. Que bobagem, nunca se escreveu tanto. Esta amiga do distante estado do Amazonas resolveu superar as barreiras da distância e das inseguranças e sentou em frente ao computador e escreveu o seguinte texto. Obrigado Jaciema Naara e quando quiser mande novos textos.

Por Jaciema Naara

     Engraçado como uma descendente de índios e no meio da selva amazônica tem necessidades parecidas com alguém que mora num grande centro ou qualquer outra cidade pequena, grande ou um vilarejo no mais afastado rincão. Todos querem ser felizes e ponto final. Ser feliz é tão difícil, talvez seja uma tarefa a ser dividida. Quem sabe aí esteja a razão porque necessitamos de alguém para amar e que nos ame. Dividimos a tarefa grandiosa que é a busca da toriba*. 
     Dividir não significa deixar com o outro a responsabilidade pela nossa felicidade. Quando delegamos a busca da felicidade nos afastamos mais da tão sonhada toriba*. E mais, quem está nos acompanhando nesta estrada também se distancia do seu objetivo. Duas pessoas que buscavam somente serem felizes aprendem duramente que a felicidade depende de cada um e não pode ser objeto de delegação.
     Parece simples e é. Mas ao mesmo tempo como explicarmos que tantas pessoas cometem o mesmo erro por gerações e gerações. Como explicar casais que se afastam da felicidade simplesmente porque vivem a vida do outro. Eu aqui neste isolamento que é a amazônia percebo claramente quando deixei de ser feliz. Exatamente quando disse "a tua felicidade é a minha felicidade". Somos felizes com a felicidade do outro, mas não quando estes momentos se transformam no sentido de uma vida. Temos que viver nossas vidas, compartilharmos nossos momentos de felicidade, ajudar o parceiro ou parceira a buscar sua felicidade, mas jamais delegarmos nossas felicidade a quem quer que seja. Nem mesmo ao grande amor de nossas vidas.
      Lendo o ledventure.blogspot.com pensei muito sobre o amor. O blogueiro desconhecido gosta de escrever sobre este sentimento. Até pode ser engraçado uma índia escrever sobre o amor, mas este sentimento pertence a todos. Eu já perdi muitos amores nesta vida e sempre me doeu a perda. Parecia que nunca mais iria amar novamente, mas de uma hora para outra lá estava um outro grande amor em minha vida. Hoje percebo que foi um aprendizado. Da mesma forma que caminhar na mata requer conhecimento. Seja das trilhas pelas quais iremos caminhar, seja pelas plantas que nos cercam, algumas venenosas outras saborosas. Mas somente com o tempo aprendemos por onde e como ir, o que comer e o que beber. Da mesma forma é o amor. Erramos muito, aprendemos sempre. Para algum dia do nada descobrimos que estamos amando, sendo amados e que parece ser para sempre. Hoje tomei a liberdade de escrever este texto porque senti que amo de verdade e que quero compartilhar este amor com todos. Como estou cercado por vida selvagem decidi que iria escrever para o blog ledventure. Não sabia se deveria escrever para quem não conheço, mas o meu mestre de vida me disse para que eu arriscasse escrever, mas que não usasse caneta ou o computador e sim o amor que estivesse sentindo. Foi o que fiz.
Abraços cheio de amor de Jaciema Naara.

* Toriba - Na língua indígena quer dizer felicidade.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…