Pular para o conteúdo principal

Geração Pós...

     Somos a geração do pós. Pós-modernidade, pós-mudanças, pós-catástrofes sociais, pós-reformas, enfim, tudo que vivenciamos até aqui é passado. Estamos riscando do mapa todas as experiências, sejam elas bem ou mal sucedidas para formar uma nova visão de sociedade. Trocamos tudo pelo neo. Claro que estas mudanças são na sua maioria retrocessos. Algum desavisado poderia ponderar que muita coisa está mudando para melhor. Então vou enumerar alguns exemplos, não é uma enumeração exaustiva, mas somente exemplificativa para termos uma ideia do que me refiro.
    Entre os anos de 1980 e 1990 formulamos uma das tantas reformas educacionais no Brasil. Como consequência nossa formação básica é um desastre. Encontramos alunos na oitava série que não sabem interpretar um texto. Eu não consigo imaginar um aluno que chegue à oitava série sem conseguir entender o que leu. Mas o pior é que existem alunos nesta condição e não é um ou dois, são muitos exemplos. Em todos os níveis de formação estes desastres educacionais se repetem. Há faculdades que formam alunos sem as mínimas condições de exercerem as profissões para as quais se prepararam por anos a fio.Frise-se que não é culpa do aluno. Não identifico os responsáveis por esta situação, mas me parece que o sistema é concebido para não dar certo.
     Poderíamos imaginar que o problema estivesse restrito ao sistema de ensino, o que já seria uma calamidade, mas o problema é bem maior. Com a constituição de 1988 a nossa sociedade optou por um sistema de saúde universalizado, ou seja, com acesso a indiscriminado a todos os membros desta coletividade chamada Brasil. Ao meu ver é uma decisão justa e humana. Mas para variar não nos preparamos para ter um sistema de saúde pleno, eficaz e disponível para todos. Chegamos a criar um imposto para financiar o sistema de saúde, mas para variar foi desviado para outros fins, entretanto, esta é uma outra história, triste história... Encontramos atualmente hospitais sucateados, servidores desmotivados, médicos com vários empregos e com extenuante jornada de trabalho, enfim, testemunhamos diariamente o caos instalado na saúde pública. Por outro lado a medicina preventiva ou de família é um sonho inatingível. Algumas doenças erradicadas estão de volta por pura falta de prevenção por parte do Poder Público.
     Vamos adiante. Outro exemplo sem relação direta com a saúde, mas que indiretamente se reflete no sistema de saúde. A implantação dos pedágios demonstra nossa ânsia por mudanças. Quando nos venderam a ideia do pedágio, este era a nova panacéia para os problemas das estradas brasileiras. Prometeram que andaríamos em estradas conservadas a um preço justo. Mas o que vemos agora, passados alguns anos, são estradas não duplicadas, mal conservadas e com um preço de pedágio escorchante. Poderia citar um cem número de estradas nestas condições, mas não é o caso, todos que andam pelo Rio Grande e pelo Brasil são testemunhas do que estou escrevendo. Arriscamos a vida de nossas famílias ao trafegar por estradas pessimamente conservadas. Não me importo em pagar pedágio, mas gostaria de andar em estradas com condições e pagar um preço justo, somente isso nada mais do que isso. Mas é pedir demais, tenho consciência.
     Poderia citar uma lista infindável de exemplos de mudanças simplesmente pelas mudanças. Não é esta a intenção. Gostaria de entender o porquê. Por que queremos mudar as coisas mesmo quando estão funcionando corretamente? Por que esta volúpia por mudanças? Por que quando alteramos alguma coisa desprezamos tudo que aprendemos no passado? Por que não refletimos sobre o que mudar e, principalmente, como mudar? São perguntas que não encontro respostas. Tenho impressão que estas mudanças constantes tem algum porquê.
    Talvez sirvam àqueles que continuam no poder por gerações e não querem que a vida mude efetivamente. Por uma lado mantém todos calmos, afinal, tudo em volta está  em constante "mudança". Mas se pensarmos um pouco veremos que estas mudanças ocorrem justamente para não haver nenhuma alteração nas posições sociais vigentes. É o conhecido mudar para não mudar. É uma suposição, mas parece ter fundamento. Ao olharmos a vida política brasileira nos deparamos com as mesmas famílias, basta conferirmos os sobrenomes de alguns políticos, são os Filhos, os Juniores ou os Netos.
     Não vislumbro outra alternativa senão varrer do cenário brasileiros estes profissionais da política, pessoas que se jactam por estarem a quarenta ou cinquenta anos com algum cargo político, seja eleito pelo voto popular ou então alguma nomeação no tempo dos militares. Já que o Brasil gosta de mudanças, porque não estabelecer um limite para a reeleição de Vereadores, Deputados Estaduais, Federais ou Senadores. Duas eleições e teria que ficar oito anos sem qualquer tipo de cargo eletivo. Simples assim. Iríamos oxigenar a vida política brasileira, afinal, político não é profissão. Vamos experimentar, se não der certo, o que duvido muito, podemos retornar para o sistema atual que permite que políticos sejam profissionais. Não creio que um dia este tipo de proposição se torne uma realidade, mas ainda sim penso que seria a solução para muito coisa que nos cerca. É somente uma ideia neste lodaçal que se tornou a política brasileira, o que diga-se de passagem é pena, pois as soluções para nossos problemas perpassam necessariamente por políticos sérios e honestos.

Trilha sonora:
For Michael Collins, Jeffrey And Me - Jethro Tull - Benefit
Black Dog - Led Zeppelin  - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Shop Around - Smokey Robinson & The Miracles - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Ring Out Solstice Bells - Jethro Tull  - The Jethro Tull Christmas Album
Viajei - Vitor Ramil + Marcos Suzano - Satolep Sambatown
Up On the Roof - The Drifters - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
ACDC - Ride On - Rock 70´s
Frozen Love - Buckingham Nicks - Rock 70´s
Oxygenia & Icarus - Andreas Vollenweider - Air
Angels Too Tied To The Ground - U2 - War (2008 Bonus CD)
Unchained Melody - U2 - The B-Sides 1980-1990
Question and Answer - Pat Metheny, Dave Holland & Roy Haynes Question and Answer
O Vira - Secos & Molhados - Coletânea
Tom Tom's - Dream The MDH Band - The Million Dollar Hotel
Rudy - Supertramp - Orpheum Theatre, 1976-03-05 Boston, MA
Apocalypse Please - Muse - Absolution
I Threw A Brick Through A Window (Live) - U2 - October (2008 Bonus)
Never Too Far Away - Pat Metheny, Dave Holland & Roy Haynes - Question and Answer
Moment of Surrrender - U2 - Show Estádio Morumbi São Paulo 10/04/2011
Dancing Barefoot - The Patti Smith Group - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time

Comentários

  1. Exoman diz:

    Quando alguém propunha a extinção da classe política eu achava um exagero. Até por falta de argumento sobre como seria nossa representatividade democrática sem eles, até saber disso:

    http://www.wix.com/partidodigital/online

    Trilha sonora: No próprio sáite.

    ResponderExcluir
  2. nao tive tempo pra ler os posts, mas aqui, no meu destino final, cumpro minha missao internacional.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…