Pular para o conteúdo principal

Matheus

     - Mãe! Quero um bicicleta.
     - Mas porque tu quer uma bicicleta?
     - Porque quero.
     - Dudu, vamos fazer o seguinte. Me dá um bom motivo que te darei uma bicicleta.
     Dudu pensa. Minha mãe é meio louca, tudo tem que ter algum motivo.
     - Mãe, eu não sei porque quero uma bicicleta, mas sinto que preciso...
     - Dudu, pensa e volte quando souber um bom motivo para ter a tal de bicicleta.
     Dudu sai da sala meio desiludido com a vida. Tinha apenas 12 anos e já sentia o peso da desilusão. Sempre era assim, para ganhar alguma coisa tinha que encontrar  "bons motivos". Ficou parado olhando para o jardim, estava entristecido porque não tinha um motivo aparente para ganhar a bicicleta. Mas ao mesmo tempo ficou estimulado a encontrá-lo. No fundo gostava da atitude da mãe... Mas se era assim aos doze anos...
     - Mãe, vou sair para pensar.
     A mãe deu uma risada e disse:
     - Te cuida, não vai fundir a cuca, afinal, tu só tem doze anos guri.
     Dudu não entendeu mais nada, ela diz para ele dar um bom motivo para ganhar a bicicleta e depois diz para não fundir a cuca. Acho que o pai é que está certo. A mãe tomou algumas coisas na juventude, ele sempre diz rindo que ela era uma tal de hippie... Nem sabia o que era isso, mas que ela tomou algumas coisas isso tomou... ficou assim, um tanto louca, mas é uma mãe legal. É o que importa.
     Ao sair de casa sente algo estranho. O jardim parecia mais verde do que o normal, as árvores eram como dançarinas ao vento em uma coreografia inovadora. Não havia mais muros ou cercas em volta do jardim. Dudu não entendia o que estava sentido. Será que isto era a tal liberdade que todos falam... continuava a pensar e até admitia que a bicicleta não era mais tão importante na sua vida, queria sentir para sempre o que estava experimentando naquele momento.
     A mãe da sala olha com carinho o filho. Fica a imaginar como era possível ele estar assim tão feliz se ainda não ganhou a bicicleta.
     O filho olha para a mãe e grita:
     - Mãe eu te amo. Gosto de ti. E não pensa que estou dizendo só para ganhar a bicicleta. Sinto que preciso te dizer que te amo...
     - Dudu, tu é um filho especial. E saiba que te amo para sempre.
     Aquela cena do mais tenro amor parecia tirada de um filme. Mas era a vida. A vida de todos os dias. A mãe começa a chorar em silêncio.
     Do outro lado daquela fria sala, dois homens conversam:
     - Sempre que a Marta para em frente daquela janela ela chora. Todos os dias.
     - E já faz no mínimo uns 12 anos.
     Pela janela se lê na fachada do prédio Vitoriano: Sanatório São Matheus.

Trilha sonora
Shine on You Crazy Diamond (Part One) - Pink Floyd - Wish You Were Here
Welcome to the Machine - Pink Floyd - Wish You Were Here
Have a Cigar - Pink Floyd - Wish You Were Here
Wish You Were Here - Pink Floyd - Wish You Were Here
Shine on You Crazy Diamond (Part Two) - Pink Floyd - Wish You Were Here

O escrever de hoje só poderia ser embalado por este disco

Comentários

  1. Cara...a inspiração veio e ficou com tudo..
    Heitor

    P.S. Será que os loucos são mais felizes?

    ResponderExcluir
  2. Não sei se são mais felizes, mas acho que entendem mais da vida...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…