Pular para o conteúdo principal

Uma noite



     Julia Nin pode parecer um nome estranho. Mas é um nome, ou melhor, um pseudônimo de uma amiga muito querida. Este conto surgiu de uma conversa entre nós. Aliás, uma saborosa conversa. E para finalizar ela escreveu o final deste conto a seguir publicado. Julia tu sempre me surpreende, mesmo quando não há qualquer surpresa. 

Por Julia Nin


     Renato e Mariela se conheceram numa destas festas de final de ano. Nunca tinham se visto, pararam naquela festa porque eram amigos de dois funcionários. Quando, enfim, foram apresentados logo surgiu  uma certa intimidade. Poucas palavras foram ditas entre eles. Se olharam durante toda a noite. Em cantos opostos da festa, através de olhares furtivos, se conheciam melhor. Aquela festa careta estava ficando pequena para eles. Resolveram ir embora, a noite prometia. Decidiram ir ao Cabaret Violet um bar propício para casais que querem algo a mais da noite.
     Ao entrarem no Cabaret decidiram pedir um vinho, Renato escolheu um Malbec da Concha y Toro. Renato era metido a entendedor de vinhos, quase um enochato. Mas se conteve para não ficar falando sobre a uva, forma de cultivo e com o que harmonizar o vinho. Novamente o silêncio imperava entre eles. Ela olhava muito para o peito de Renato, o que o levou a pensar que ela era vidrada em peitos másculos. Renato deu uma risada, estufando o peito. A noite estava passando muito rápido. 
     O conteúdo da garrafa havia esgotado. Mariela pegou o copo vazio, sem saber como continuar ali, na frente de Renato, sem a desculpa de saborear o vinho. Passou suavemente os dedos na borda do copo, olhou para o movimento da rua. Não conseguia mais encarar Renato, até que ele levantou e caminhou até o banheiro, sem dizer uma palavra.
     No bar, o ruído de alguns velhos bêbados servia de trilha sonora. O barulho das garrafas e dos copos, a risada de algumas meninas em frente ao estabelecimento.
     Mariela levantou, caminhou até a porta do banheiro e aguardou. Quando a porta se abriu e Renato deu o primeiro passo, ela o empurrou de volta para dentro da pequena cabine. Pressionou o peito dele com as mãos, até que suas costas tocaram a parede. Então, ela disse a primeira e única frase da noite:
     - Fiquei feliz quando vi que você estava com essa camisa de botões. Eu gosto de abrir botões.
     Calmamente ela desabotoou o primeiro botão da camisa de Renato. Depois o segundo, o terceiro. E parou. Sentiu o cheiro no pescoço dele e se aproximou um pouco mais. Sentiu o gosto amargo do perfume que ele usava. Em seguida afastou-se um pouco, encarou Renato. Fechou um a um os três botões, abriu a porta do banheiro e saiu do bar, sem pagar a conta.

Comentários

  1. Hoje recebi uma mensagem de quem está por trás Julia Nin. Ela me disse que a história de Renato e Mariela não terminou. Será?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…