Pular para o conteúdo principal

Brasil independente...

     Ontem foi a comemoração da Independência do Brasil. Como eu estava envolvido com a marca dos 5.000 acessos ao blog, não me detive a esta data importantíssima para a nossa nação. São exatos 189 anos desde o longínquo sete de setembro de 1822. Pululam questionamentos em minha cabeça. Duas delas são mais intensas. Será que somos realmente independentes? Será que somos os donos de nossos destinos? A mim as respostas para estas perguntas singelas são claras.
     Ao longo da nossa história temos exemplos claros da posição que tomamos como país. E também há exemplos de atitudes impostas por outras nações ao Brasil. O primeiro exemplo que me vem a lembrança é a guerra do Paraguai, onde formamos Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) para acabar com o Paraguai, um país que estava em franca ascensão. Os governos Paraguaios de José Francia (1811-1840) e Carlos López (1840-1862) estavam em vias de erradicar o analfabetismo, estimularam a criação de fábricas nos mais variados ramos. Imaginem, estabeleceu-se uma reforma agrária (o Brasil em pleno século 21 tenta, mas não consegue fazer um reforma agrária decente) e muitas outras inovações sociais. O império de então sentindo-se ameaçado estimulou a formação da Tríplice Aliança para dizimar com um país em franco crescimento. Como resultado, transcorridos 146 anos do início daquela guerra, o Paraguai é um dos países mais atrasados da América do Sul. O Brasil foi apenas um títere nas mãos do Império Inglês. Poderíamos alegar que ainda eramos imberbe como país independente, isto explicaria esta atitude subserviente.
     Então, avancemos até a Segunda Guerra Mundial. O nosso presidente de então, o até hoje venerado Getúlio Dorneles Vargas, barganhou a entrada do Brasil na segunda guerra desde que fossem construídas algumas siderúrgicas em solo brasileiro, bem como a concessão de poucos trocados. A bem da verdade negociamos com os dois lados da Guerra, com os Aliados e os Integrantes do Eixo, chegamos a entregar Olga Benario Prestes (grávida de um filho de Luis Carlos Prestes) aos Nazistas como uma espécie de afago. Mas na última hora fechamos acordo com os Aliados. Nenhuma nesga de convicção e sim uma barganha barata e desprezível. Nessa passagem de nossa história fomos independentes, mas tivemos uma atitude pouco republicana, para dizer o mínimo.
      Pulemos até 1964, época do golpe militar. As ideias do golpe não saíram das mentes dos brasileiros. Tudo foi pensado, articulado e planejado além fronteiras. Os Americanos pensaram e deram apoio logístico ao Exército brasileiro. Membros das forças armadas foram treinados nos EUA. Sem falar que em abril de 1964 havia uma frota de navios americanos de prontidão nos mares brasileiros para dar apoio caso houvesse alguma resistência. Não houve. Mais uma vez fomos títeres de uma nação estrangeira. Muitos outros exemplos poderiam ser elencados aqui, mas não é esta a intenção. Gostaria apenas de pontuar alguns exemplos da nossa servidão.
    Por outo lado, me parece que nos últimos anos estamos pelo menos tentando mudar este estado de coisas. Estamos lutando para retomar as rédeas de nossas vidas. Não é um movimento fácil, pois volta e meia somos "brindados" com imposições estrangeiras.
     Gostaria de ver o Brasil errando ou acertando pela sua cabeça. É bem verdade que com a globalização os países estão todos interligados. A globalização não começou nos anos de 1990, muito antes pelo contrário, inicio-se com as grandes navegações, portanto, não serve como desculpa. Os impérios impõem suas vontades. Antes eram os Ingleses, atualmente os Americanos (em franca decadência), quem sabe no futuro seja um país do Oriente a impor suas convicções aos países periféricos. Somos independentes no papel e desejo que cheguemos a independência real. Já fomos mais subservientes. Estamos caminhando para uma mudança de paradigmas, mas ainda há muito chão para percorrer. Por derradeiros é importante afirmar que os fatos aqui lembrados mancham nossa história, nos entristecem, mas não nos retiram o direito de mudar tudo que nos cerca. Muito antes pelo contrário. Penso que nos ensinam como não agir, nos mostram que o caminho a seguir e é na outra direção. 
     O que me anima é que parece que estamos aprendendo com o nosso passado, quem sabe estejamos a caminho de uma independência de verdade.
     
Trilha sonora:
Who's Driving Your Plane? - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 2)
New Year's Day - U2 - The Best Of 1980-1990
Le Freak - Chic - Rock 70´s
Did You Ever Have A Dream - David Bowie - David Bowie (Deluxe Edition)
I Will Follow - U2 - Live Under A Blood Red Sky {2008 Remaster}
Showbiz - Muse - Showbiz
Gimmie Shelter (Radio Edit) - The Rolling Stones - More For Promotional Use Only
42 - Coldplay - Left Right Left Right Left - Live
Shiver - Coldplay - Parachutes
Wire - U2 - The Unforgettable Fire
Smoke On The Water - Deep Purple - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Total Eclipse - The Alan Parsons Project - I Robot
Brothers In Arms - Dire Straits - Brothers In Arms

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

Não quero ser uma Pessoa Afirmativa

Atualmente só existem certezas. Todos são peremptórios em afirmar suas infindáveis certezas.
     Me sinto deslocado, pois tenho muitos incertezas, sou um repositório de dúvidas. Neste mundo que me cerca, talvez (olha aí mais uma dúvida) eu seja um ser em extinção. Talvez.
     Gostaria de ter as certezas de que todos falam, mas sempre ao ouvir alguma certeza me vem a cabeça muitas dúvidas. Quando ouço no rádio nossos governantes falarem, imediatamente surge um mar de dúvidas. Apenas alguns exemplos:
     "A segunda ponte do Guaíba já está em processo final de projeto e em questão de pouco tempo as obras começarão". Ao ouvir esta fala as dúvidas pululam na minha cabeça.
     "Todos os estádios e aeroportos em construção estarão prontos para a Copa de 2014. Aliás, será a melhor Copa de todos os tempos". Ao ouvir esta frase fiquei petrificado, será que somente eu desacredito nestas promessas?
     "O frio logo vai passar, é apenas uma massa de ar polar pass…