Pular para o conteúdo principal

Licenças poéticas

      No texto do Cotidianidade recebi o seguinte comentário:
estou de olho..não adianta remover...
Já criaste 2 leitoras que " contribuiram" com teu blog..
por que não assumir que os textos são teus? é para parecer que mais gente lê o blog?
os teus textos são bons..não precisas deste artifícios..
     Primeiramente tenho que dizer que fui surpreendido com este comentário. Engraçado como algumas coisas mexem com nossos sentimentos. E sem muita explicação.
     Sempre ouvi a seguinte frase "não importa o meio, mas sim a mensagem". E acho que serve para este caso, não importa se quem escreveu foi A, B ou C, mas sim se cumpriu com sua missão, levar alguma mensagem, seja ela tola ou não. Se pensamos sobre o que lemos já basta. Este é o objetivo de qualquer escritor, seja ele neófito como eu ou os mais experientes.
     Escrever é uma atividade de exposição, nos desnudamos através das palavras (escrevi isto estes dias) e é a mais pura realidade. Quem quer escrever passa por esta prova de fogo que é a exposição. Eu quando comecei este blog vivi o dilema de divulgá-lo ou não, resolvi assumir estes textos. Mas nem sempre é fácil. Muitas vezes é muito difícil. Por isto talvez "algumas" pessoas me ajudem nesta tarefa.
     Duas frases mexeram comigo naquele comentário reproduzido no início deste texto "é para parecer que mais gente lê o blog? não precisas deste artifícios.." Este blog é uma espécie de ação entre amigos, não tenho pretensão de ser lido por milhares de pessoas e muito menos tenho a intenção de criar artifícios para parecer ser mais lido... Não é e nunca foi minha intenção.
     Existe algumas licenças poéticas e que não são explicáveis, caso contrário perdem encanto. A literatura é pródiga em exemplos do que foi exercitado neste blog, não quero ser mais claro, pois aí  revelarei a intenção destas "contribuições de leitores".

Trilha sonora
Genesis Ch.1 V.32 - The Alan Parsons Project - The Instrumental Works
Big Bad Moon - Joe Satriani - Flying In A Blue Dream
O copo e a tempestade - Vitor Ramil + Marcos Suzano - Satolep Sambatown
Blueberry Hill - Fats Domino - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Pretty Things - Muse - Arcana
Love Is The Drug - Roxy Music - Rock 70´s
Your Love (Once Upon A Time In The West) - Dulce Pontes & Ennio Morricone - Focus
Dead Horse - Guns N' Roses - Use Your Illusion I

Comentários

  1. "Nas pessoas de capacidade limitada, a modéstia não passa de mera honestidade, mas em quem possui grande talento, é hipocrisia."

    Arthur Schopenhauer

    ResponderExcluir
  2. Neste caso e somente neste caso gostaria de ser hipócrita.

    ResponderExcluir
  3. Mas na verdade minha capacidade limitada se revela todos os dias... Quem sabe um dia me transforme num hipócrita como muitos que nos cercam, inclusive os comentaristas anônimos, que não têm a coragem de mostrar quem são. Esta é a internet, um espaço onde todos tem coragem, mas poucos se mostram. Estes sim são os donos da verdade.

    ResponderExcluir
  4. Em primeiro lugar, que espaço democrático é esse onde os comentários, que não são ofensivos, que fique claro, são apagados?
    E o mais importante, como cobrar coragem para se expor, se o próprio blogueiro não assina como seu nome e cria personagens " fakes" para enriquecer seus textos?
    Percebo uma grande dose de contradição que apenas confirma a hipocrisia já afirmada.

    ResponderExcluir
  5. sem falar no bloqueio para aprovação, é muita covardia..

    ResponderExcluir
  6. não esqueça que posso enviar por outro IP

    ResponderExcluir
  7. Xeque-mate: como cobrar coragem po algo que não é feito pelo blogueiro? Onde está teu nome, caro " ledventure"?

    ResponderExcluir
  8. Muito bom... Perceba, caro(a) anônimo(a) que pelo menos deixo meu rosto desnudo. Só olhar lá no final do blog tem um foto. Portanto, tenho rosto. Nomes pouco importam, pode ser Carlos, Otávio, Lucas, Leonardo ou talvez Leandro, já escrevi que o que importa é a mensagem. Não te apega em nomes... Mas fico feliz que tenho um leitor(a)que interaja. Outra coisa, democrácia tem alguns limites, não muitos mas tem... Reafirmo minha felicidade, antes, confesso que fiquei um tanto chateado pois não tinha entendido seus comentários. Mas agora percebo que apenas é mais uma forma de interação... Abraços e espero que um dia você mande algum texto para ser publicado aqui, como fizeram Jaciema Naara, Vitor Hugo Vidal entre outros. Neste instante recebi um texto para ser publicado, o que farei ainda hoje, o leitor chama-se Carlos Engels. Vou lê-lo e à noite publicarei. Só falta você, mas aí terá que revelar sua indentidade.

    ResponderExcluir
  9. Exoman disse:

    Cêis falando em liberdade e democracia, me deu vontade de postar o ùltimo documentário que vi, esse aqui: Além das Eleições: Redefinindo Democracia nas Américas (2008)
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=pQZJ2gANGXs

    Eu vi e revi meus conceitos a respeito...

    ResponderExcluir
  10. Caro "ledventure", viu só, a idéia era essa, acrescentar.. Seus textos são ótimos e diante do "debate" masi gente está contribuindo...

    "Anônimo"

    ResponderExcluir
  11. Concordo contigo anônimo(a). Confesso que no início deste "debate" não tinha entendido, mas depois de alguma reflexão assimilei. Agora o que me diz da contibuição do Carlos Engels no post Os excluídos da festa?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…