Pular para o conteúdo principal

Ramon e a perda do amor

     Ele simplesmente parou de amar.
     Ao andar por aquelas ruas Ramon pensava o porquê. Deixara de amar, simplesmente isso. Chegou a imaginar que era um personagem de algum livro do Saramago. Mas tudo a sua volta estava como no dia anterior, a única diferença estava dentro dele.
     O grande propulsor da sua vida era o amor. O amor por tudo que lhe cercava. A família, os amigos, até mesmo seus desafetos, a todos amava.
     As ruas pelas quais passava estavam exatamente como no dia anterior, a única mudança se dera dentro do seu ser. Ao encontrar sua esposa sentiu um vazio dentro de si. Mas mesmo assim tentou disfarçar. Chegou a pensar "minha vida a partir de agora será fingir que ainda amo".
     Os dois andavam pela rua sem dizerem nada. Ela pensava "Ele tem outra. Está muito diferente.". Ramon apenas divagava sobre o seu futuro, tentava ver o lado bom da vida sem amor. Teria a possibilidade de não se envolver sentimentalmente com ninguém. Poderia ser um franco atirador, não teria alvo certo, mas todos os dias teria uma nova vítima em sua cama. Mas será que a vida era só isso?
     Neste momento Vitória lhe olha e diz:
     - Ramon, tu está diferente. O que foi que aconteceu? Quem é ela?
     - Como assim quem é ela?
     - Hoje tu está diferente? Só pode ser outra mulher. Até teus olhos não brilham mais quando tu me olha. Me diz quem é a piranha?
     Sem entender mais nada e não podendo dizer a verdade, pelo menos por enquanto, Ramon responde algo corriqueiro colocando a culpa no trabalho. Os dois continuam caminhando. O silêncio é a trilha sonora entre eles. Ao chegarem em casa o silêncio continua.
     Naquela noite os dois transaram, mas foi algo mecânico, sem nenhum sentimento. Ramon estava fisicamente naquela cama, mas sentimentalmente estava ausente. Distante. A surpresa estava por vir.
     - Ramon, não sei o que tu tem hoje. Mas tenho que te dizer que hoje foi a melhor noite de amor entre nós.
     Surpreso, sem entender mais nada, Ramon simplesmente pergunta?
     - Como assim, Vitória?
     - Não sei te explicar, mas hoje foi diferente, tu me pegou diferente, não sei... Só posso te dizer que foi maravilhoso. Sem falar que senti o gozo mais intenso da minha vida, estou sem forças. Só quero te dizer que te amo cada vez mais.
     Ramon não entendia mais nada.
     Vitória pensava. Hoje foi a primeira vez que menti para o Ramon. É óbvio que ele não estava aqui. Mas tenho que lutar pelo meu amor. Esta é a única forma. Desculpa Ramon. Mas te amo e não posso te perder.
     A distância entre eles estava cada vez mais intensa. Não se falavam mais. Só transavam. E sempre a mesma história. Vitória dizia que o sexo entre eles estava cada vez melhor. Os dois viviam uma mentira. A vida deles se resumia a se enganarem. Apenas isso.
     Num certo dia os dois se olharam e se deram conta que não dava mais. Eles não seriam o primeiro casal a decidir pela separação. E não seriam o último. Ao se separarem a vida continuou. Ramon continuava a não sentir amor por mais nada. A vida não é simples.
     Na sua vida nova de solteiro Ramon ia seguidamente ao supermercado. Comprar coisas básicas. Passou até a gostar de fazer compras, descobriu que supermercado era um bom lugar para paquerar. Sempre ia ligado. Pensava que poderia encontrar o amor novamente.
     Hoje ao procurar a sua massa favorita encontra a mulher da sua vida. E ela gosta da mesma massa que ele. Ele olha de soslaio o carrinho dela e vê o vinho que ele gosta. Não é possível! Os mesmos temperos. Tudo muito parecido. Ela é a sua alma gêmea. De uma hora para outra voltou a sentir o mesmo amor de antes. De uma hora para outra encontrou novamente um sentido para sua vida. Com certeza ama esta mulher. Com certeza é a mulher da sua vida. Não sabe o que fazer. Resolve falar qualquer coisa:
     - Que coincidência! Se olharmos nossos carrinhos veremos que gostamos dos mesmos produtos, a massa, os temperos, o vinho...
     Neste instante aparece do nada um desconhecido:
     - Vitória, achei os tomates cerejas para o molho. E se beijam apaixonadamente. O desconhecido pergunta:
     - Vocês se conhecem?
     Ramon responde:
     - Não... só estava perguntando onde fica a prateleira do creme de leite. Obrigado. Valeu. E saiu apressado.
     Vitória e Ramon se olham e descobrem tarde demais que se amavam. Mas a vida os separou. Só isso. Agora Ramon anda solitário pelas ruas lembrando dos dias em que amava e era amado. Até hoje não entende o que aconteceu.


Trilha sonora:
Song for Bilbao - Pat Metheny Group - Travels (Disc 2)
O Milho E A Inteligencia - Vitor Ramil - A Paixao De V Segundo Ele Proprio
O Doce e O Amargo - Secos & Molhados - Coletânea
Spicks & Specks - Bee Gees - Their Greatest Hits - The Record (Disc Two)
Inside Looking Out - The Alan Parsons Project - The Ultimate Collection (Disc 2)
Dreamer - Supertramp - Rock 70´s
Give It All You Got, But Slowly - Chuck Mangione - Fun and Games
That's The Way I've Always Heard It Should Be - Carly Simon - Rock 70´s
No Sunshine - Bill Withers - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Stoned - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 1)
Styx - Babe - Rock 70´s
Helter Skelter - U2 - Rattle And Hum
Two Hearts Beat As One (Long Mix) - U2 - War (2008 Bonus CD)
New Born (Live@Radio 1-19,02,01) - Muse - Hyper Music (Japanese Boxset)
Can't Buy Me Love - The Beatles - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Flower In The Sun - Big Brother & The Holding Company - Live At Winterland '68


Comentários

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…