Pular para o conteúdo principal

Carlos Eduardo, o outsider.

     Quando Carlos Eduardo se deu por conta já havia se apaixonado. Logo ele que se orgulhava de nunca ter sucumbido a uma paixão. Ele estava sem chão, sem a mínima perspectiva de reencontrar a vida que levara até então. Carlos Eduardo era conhecido por não se apegar a nada, nem mesmo à vida, era uma espécie de outsider. Estava sempre no limite, seja emocional, físico ou espiritual, enfim, todos diziam que era um cara sem a mínima chance de dar certo na vida.
     Carlos Eduardo sempre  se perguntava o que é dar certo. Viver uma vida comum, indo de casa para o trabalho, do trabalho para casa, se fosse isso, ele realmente não queria dar certo. Queria apenas viver a vida e contraditoriamente achava que a sua vida, sim, tinha dado certo. Não devia nada a ninguém, fazia o que bem entendia, nem emprego fixo possuía; aliás, este era o maior maior orgulho de Carlos Eduardo. Não ter emprego fixo. Mas este estilo de vida tinha um preço e às vezes era muito alto. Em algumas ocasiões se olhava no espelho e sentia que tinha que mudar. Mas nunca mudava.
     Mas tudo incrivelmente mudou. De uma hora para outra ele se apaixonou. Não conseguia pensar em mais nada a não ser sua nova paixão. Passou a aventar a possibilidade de arrumar um emprego, imagine só, Carlos Eduardo levando currículos em agências de emprego. 
     A paixão de Carlos Eduardo respondia pelo nome de Rachelle. Nunca tinha visto uma beleza tão estonteante. Ele lembra de todos os detalhes do primeiro encontro. Tudo que sentiu está cravado em sua retina. Nunca tinha sentido isso. Muitos amigos lhe falavam do amor, mas ele se sentia imune a este sentimento, até achava que era uma invenção da sociedade à sua volta...
    No primeiro encontro Rachelle agiu como uma verdadeira profissional, deu um olhar maroto e uma piscadela. Carlos Eduardo achou estranho apenas duas coisas, a roupa um tanto que provocante demais e o seu perfume. Era bom, mas forte, muito forte.
     Carlos Eduardo ficou transtornado, começou a seguir Rachelle, que tinha uma vida muito movimentada. Era uma legítima hetaira*. Sempre entrando e saindo de carros.  Indo a festas, dormindo tarde, trocando o dia pela noite. E Carlos Eduardo sempre seguindo-a. Foi neste momento que ele chegou a pensar em arranjar um emprego. Um dia tomou coragem e falou com Rachelle:
     - Oi, estou atrás de ti há muito tempo.
     - Por quê?
     - Sei lá, gostei de ti?
     - Não fala isso.
     - Falo sim, acho que te amo.
     - O que isso cara, amor na noite, isto não existe.
     - Eu posso te dizer que te amo, o sentimento mais bonito que já senti.
     - Olha aqui cara, não me vem com este papo de amor, pois são duas da manhã e não ganhei nada até agora. Se tu ficar aqui empatando a minha vida, terei que ir para outra esquina.
     Carlos Eduardo entendeu o recado e foi embora. Mas nos outros dias sempre voltou para falar com Rachelle e cada vez mais suas conversas eram alongadas. Numa noite Rachelle intimou Carlos Eduardo.
     - Cadu, tu vem aqui faz quase seis meses, conversa comigo, me vê trabalhando, às vezes me leva em casa e até agora nunca tu quis ficar comigo. Cadu tu não é viado é? Ou não tem dinheiro? Qual é a tua malandro?
     - Simples de responder. Te quero por completo comigo e não apenas uma noite efêmera de amor. Tu lembra que dias destes eu disse que te amava?
     - Lembro sim, tu foi o primeiro homem a dizer isso para mim.
     - Rachelle eu não te falei, mas estou trabalhando e tu não quer saber o porquê. Estou trabalhando por ti, trabalho para que possamos ter uma outra vida. Uma vida onde o amor prevaleça. O amor que sinto por ti.
     - Mas Cadu...
     - Rachelle, deixa comigo, não fala nada.
     E Cadu seguiu este estranho amor por muitos anos, nunca teve qualquer tipo de relação sexual com Rachelle, mas ela foi responsável por mudanças profundas na vida de Carlos Eduardo que virou um respeitável pai de família, descobriu um rumo na vida e agora todos dizem que ele deu certo na vida. Por outro lado, Rachelle ainda está  na luta e entre uma cama e outra sempre lembra do grande amor da sua vida, Carlos Eduardo.

* Para quem ficou com preguiça de olhar no "amansa burro" lá vai a definição de Hetaira:
Substantivo feminino.
1.
Na antiga Grécia, mulher dissoluta, cortesã:
“As mais belas / Das heteras de Samos e Mileto // Eram todas na orgia.” (Olavo Bilac, Poesias, p. 134.)

2.
Prostituta elegante e distinta.

3. Na antiga Grécia, cortesã de classe elevada.
4. Prostituta de luxo, que se faz sustentar por clientes ricos.
5. Membro de uma heteria.
Obs.: f. geral não pref.: hetaira

Trilha Sonora:
Darlin' - Frankie Miller - Rock 70´s
Daylight - Coldplay - A Rush of Blood to the Head
Life In Technicolor II - Prospekt's March Version - Coldplay - Singles
Maybellene - Chuck Berry - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Haja o Que Houver - Madredeus - Antologia
Love Comes Tumbling - U2 - Wide Awake In America
I Will Follow (Previously Unreleased Mix) - U2 - Boy (2008 Bonus CD)
The Hardest Part , Postcards From - Coldplay - Left Right Left Right Left - Live
Don't Cross The River - America - A Horse With No Name and Other Hits
Cocaine - J.J. Cale - Best Of J.J. Cale
Old Man - Neil Young - Greatest Hits
Even the Losers - Tom Petty & The Heartbreakers - Greatest Hits

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…