Pular para o conteúdo principal

Amor livre, amor eterno

     As tragédias humanas mexem com nossos sentimentos. Nos vemos obrigados a fazer uma análise, ainda que rápida, de nossas vidas. Às vezes nos colocamos no lugar de quem passa por momentos cruciais. Hoje ouvi pelo rádio que um homem manteve a ex-mulher em cárcere privado por 18 horas e ao final a matou e se suicidou logo após.
     Não quero escrever sobre este triste fato, mas sim sobre o que leva alguém a esta atitude limite. Quais são as circunstâncias que antecedem a tomada de uma decisão tão radical? Por que deixamos as coisas chegarem a tal ponto?
     Todos nós temos decepções na vida, sejam elas amorosas, profissionais ou  de qualquer outra natureza. Aprendemos a lidar com as decepções,  este é o normal da vida. Quem não adquire esta percepção, se desliga dos controles sociais e pode cometer facilmente estes atos tresloucados. Por que alguns sucumbem a estas  decepções da vida? Não me imagino tirando a vida de alguém simplesmente porque fui abandonado, mas por incrível que pareça eu compreendo quem mata nestas circunstâncias. Talvez compreender não seja a melhor definição. Friso que esta compreensão não quer dizer uma aceitação, ainda que tácita, mas somente que me coloco no lugar de quem toma esta atitude extrema. Quem pode afirmar com certeza de que nunca faria uma ação desta magnitude, vivendo as mesmas circunstâncias de vida?
     Muitos dizem que quem ama não mata, mas esta frase é repetida sem qualquer tipo de reflexão, o que diga-se de passagem é uma tônica dos tempos modernos, a repetição sem nenhum tipo de reflexão. Realmente ninguém mata por amor, mas sim pela perda deste amor.
     O amor é o sentimento mais sublime, não existe nada mais forte e belo do que o amor. Portanto, seria inconcebível este sentimento nobre gerar a morte. Mas aí que reside o nó górdio desta questão. E este fato mexe muito comigo. Algumas vezes senti o verdadeiro amor e por vezes os perdi, mas nunca me imaginei tirando a vida de quem era o objeto deste amor. Nunca tive sentimentos de posse sobre a pessoa amada, acho que neste ponto está a explicação. O ato de desespero é o da perda de algo e não tem relação com o amor. O verdadeiro amor não cede espaço à posse. O amor verdadeiro permite a liberdade, permite que aceitemos que o(a) companheiro(a) seja feliz mesmo longe de nós. Em muitos momentos é perceptível que a outra pessoa só pode ser feliz separada da gente. O verdadeiro amor permite e até estimula esta separação. Mas pessoas que não tem esta percepção de felicidade de outrem é quem comete ações impensadas, chegando ao extremo de retirar a vida do seu pseudo amor.
     Hoje reafirmei a convicção de que amar não é somente amar, mas é compreender que temos que olhar a pessoa amada com olhos de compreensão e entender que não somos donos de ninguém. Somente temos a obrigação de fazer a pessoa amada feliz e isso por si só manterá o relacionamento pelo tempo que houver esta felicidade... é tão simples, mas ao mesmo tempo tão complicado; o amor é isso e somente isso.

Trilha Sonora
Dance - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Summer Romance - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Send It To Me - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Let Me Go - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Indian Girl - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Where The Boys Go - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Down In The Hole - The Rolling Stones - Emotional Rescue
Emotional Rescue - The Rolling Stones - Emotional Rescue
She's So Cold - The Rolling Stones - Emotional Rescue
All About You - The Rolling Stones - Emotional Rescue

Comentários

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…