Pular para o conteúdo principal

O viciado em Rolling Stones

     Todos diziam que Mauro Sérgio era viciado. Ele não achava.
     Mas parou para pensar. Todas as músicas do seu iPod era Stones, todas as músicas no seu computador era Stones, ele só ouvia Stones e já fazia uns 15 anos. Nunca havia percebido, mas sempre que estava ouvindo alguma música era Stones. Foi dar uma olhada na sua coleção de VHS, tudo Stones, olhou seus CDs, todos dos Stones. Tinha muitas camisas com estampas dos Stones... Será que era viciado? Ele ainda estava em dúvida. Foi dar uma olhada nos seus DVDs e Blu-Rays, todos, sem exceção, eram Stones. A dúvida persistia. Foi se olhar no espelho, tinha três tatuagens que retratavam ... Stones. Não havia dúvida, era um viciado em Rolling Stones... Ele sabia qual era o tratamento, mas nem pensava em experimentar. Conhecia um amigo que era viciado em Pink Floyd e o tratamento dele foi muito duro, nem fazia bem lembrar em que ele passou.
     Mauro Sérgio estava em dúvida sobre o que fazer. Mas agora tinha que ir trabalhar e foi se vestir. Sempre trabalhava de terno e gravata, pois sua profissão assim exigia. Colocou por baixo uma regata com a estampa dos Stones... E, para completar, a gravata era com a língua dos Stones. Mas, isso não queria dizer nada, pois muitas pessoas usavam cada gravata estranha, a dele era bonita... entrou no carro e começou a tocar Back Of my Hand dos Stones. Ao chegar no escritório ligou o seu computador e colocou um som ambiente, só conseguia trabalhar embalado por música... Claro que Stones. A situação estava complicada mesmo. Olhou o seu escritório e tudo remetia aos Stones, ingressos emoldurados, autógrafos do Brian Jones, Keith Richards, Mick Jaeger, Ron Wood, Mick Taylor, Bill Wyman e Charlie Watts, fotos de vários shows pelo mundo espalhados em vários álbuns.
     Os seus clientes achavam estranho, mas não comentavam, o Dr. Mauro Sérgio era assim mesmo, muito doido, mas um competente profissional, isso que importava.
     Mas hoje o Dr Mauro se deu conta que era viciado em Stones e tomou a decisão mais difícil da sua vida,  iria se internar para tratar deste vício. Mas só em pensar no tratamento já sentia calafrios, lembrava do amigo viciado em Pink Floyd... A gota final foi quando entrou no banheiro, o mictório era a língua símbolo dos Stones.
     Imediatamente ligou para a esposa:
     - Luana, preciso de ajuda... realmente sou viciado. Providencia a  minha internação na clínica.
     Chorando e olhando para o telelefone que era língua dos Stones, Luana desabafou:
     - Mauro, que bom que tu tomou consciência do teu vício... Eu estarei ao seu lado para o que der e vier. Já vou ligar para a Clínica e eles vão te buscar no escritório. Fica calmo, tudo vai dar certo...
     Alguns minutos depois tocaram a campainha do escritório do Mauro e ele já sabia quem era. Começaria o seu tratamento.
     Ao chegar na Clínica de Reabilitação sentiu que estava entrando numa estrada sem volta, viu uns aparelhos de som em salas isoladas e começou a tremer. O tratamento seria duro. Foi informado que o tratamento iniciaria o mais rápido possível.
     No dia seguinte foi encaminhado a uma das salas de audição e o colocaram lá com uns fones de ouvido bem grandes para ouvir Luan Santana Ao Vivo, enfim, começara o pior tratamento da sua vida...
     Seis meses depois saiu da clínica "curado", agora era um cara limpo, mas tinha um porém, queria comprar todos os discos do Luan Santana... Encontrou o amigo que era viciado em Pink Floyd, este acabara de adquirir  todos os discos do Chitãozinho e Xororó. Os dois choraram muito... Concluiram que trocaram suas idiossincrasias por drogas... É a vida...


Trilha Sonora 
Hoje escrevi sem trilha sonora, pois acho que estou me viciando, pararei de ouvir tanta música, não quero passar pelo tratamento do Dr. Mauro Sérgio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…